fbpx

A pergunta que não quer calar: Bolsonaro é realmente Católico?

Formações, análises e notícias católicas

A pergunta que não quer calar: Bolsonaro é realmente Católico?

AFINAL, BOLSONARO É CATÓLICO?

Muitos questionam o fato do atual presidente do Brasil se declarar católico, mas viver, na prática, algumas atitudes condenadas pelo catolicismo, por exemplo viver um casamento de segunda união, não frequentar missas regulares, e marca presença em eventos protestantes acompanhando sua esposa. Afinal, ele é ou não católico?

A resposta dessa pergunta é fácil: Bolsonaro é um Católico de IBGE… Como a maioria dos católicos no Brasil.

Agora, certamente, surgirão pessoas com o seguinte questionamento: “Mas o que seria um católico de IBGE?”

Desde 1940, quando era estimado que quase 100% da população era católica (como vemos no gráfico do final da página), muita coisa mudou. A Igreja Católica perdeu espaço para protestantes, assim como outras denominações religiosas. Mesmo assim, atualmente mais de 60% dos brasileiros se declaram católicos. Porém, como poderemos ver mais abaixo, nem todo aquele que se diz católico, age realmente como católico. Vamos analisar algumas estimativas:

No Brasil, 85% da população se diz cristã. Sendo aproximadamente 65% de católicos.

Agora, se observarmos entre os católicos, apenas 5% dos que se declaram católicos frequentam a missa todos os domingos. (que é um dos mais importantes mandamentos)

Desses 5% que vão à missa todo domingo, muitos vivem de forma irregular, ou seja, fora da graça de Deus, o que significa que não podem receber a comunhão enquanto não regularizarem esta situação, muitas vezes sendo necessário uma drástica mudança de atitudes acompanhada da confissão sacramental.

Alguns exemplos de irregularidades graves, frequentes entre católicos: Casais que vivem juntos sem serem casados, ou um casamento de segunda união… namoro indecente… filiação a partidos comunistas… defender o aborto ou ideologia de gênero… vivência da prática homossexual… Não se confessar periodicamente (a igreja recomenda que a confissão seja feita com frequência, ou seja, uma vez por mês), etc…

Na pratica, fica abaixo de 1% o número daqueles que frequentam a missa todos os domingos e que buscam a confissão sacramental com frequência e vivem na graça de Deus, observando os mandamentos e a doutrina da santa Igreja.

Com base nisso, é possível estimar que mais de 95% dos católicos no Brasil vivem em estado de pecado mortal sem se preocuparem com a própria salvação.

Qualquer pecado grave nos faz perder a graça de Deus e nos torna merecedores do inferno. Por exemplo:

- Continua após a publicidade -

 

– faltar missas dominicais ou de preceito por preguiça e/ou comodismo;
– ter ódio do próximo;
– frequentar falsas doutrinas;
– viver em situação de adultério (amasiamento, segunda união), prática sexual fora do matrimônio, pornografia e masturbação, frequentar ambientes gravemente pecaminosos (boates, discotecas, carnavais, bailes funks, festas raves, etc.);
– evitar filhos por meios artificiais;
– abortar ou apoiar o aborto;
– ingressar, apoiar ou votar em partidos ou organizações de cunho socialista/comunista ou que defendem o aborto e a ideologia de gênero;
– prejudicar o próximo com calúnias e difamações;
– etc, etc, etc… a lista é grande…

(É sempre útil recordar que um pecado para ser grave, além da matéria grave, necessita que se tenha conhecimento de causa e vontade deliberada. Para entender melhor sobre pecado mortal, leia este artigo.)

Enfim, podemos chegar à conclusão que Bolsonaro se declara católico, mas em muitos pontos ele não pensa e nem tem atitudes de católico! Ele provavelmente é só mais uma pessoa que se declara católica mas que na prática acredita que todas as religiões são boas… Que placa de igreja não salva ninguém… Que o que importa é o amor… Etc., o que é muito diferente do que ensina a doutrina da Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

Leia também: A situação da Igreja: uma ameaça, uma chance

De qualquer forma, no cenário atual do país, em que os outros candidatos não chegavam nem perto de serem razoáveis, a escolha dele foi sensata, pois ele defende pontos importantes relacionados à moral cristã, como a defesa da família e da vida, e até agora tem demonstrado o cumprimento das promessas de campanha, o que é muito bom.

Precisamos rezar por ele para que seja um bom presidente e que possa ter Deus acima de tudo em todas as esferas de sua vida.

Leia também: Um recado aos católicos que promovem linchamento virtual ao Presidente Bolsonaro