A história por trás do nascimento de um novo ícone mariano

O Papa Francisco reservou um tempo para abençoar pessoalmente um ícone de Nossa Senhora de Walsingham na semana passada. A pintura foi encomendada por Dom John Armitage, reitor do santuário mariano nacional em Norfolk, como parte dos preparativos para a re-dedicação da Inglaterra como Dote de Maria em 29 de março.

Dom Armitage fazia parte da delegação para apresentar o ícone ao Santo Padre, descrevendo a ocasião como um “dia verdadeiramente abençoado”.

A ele se juntou o cardeal Vincent Nichols, arcebispo de Westminster e presidente da Conferência Episcopal da Inglaterra e do País de Gales, que cinco dias depois recordou a reunião em uma carta pastoral ao povo de sua arquidiocese.

O cardeal disse que Francisco abençoou o ícone a seu pedido. “Ele fez isso porque sabia que durante a Quaresma … todos são convidados a fazer um Ato de Dedicação pessoal de nosso país a Nossa Senhora”, escreveu ele.

“Ao fazer isso, repetimos a dedicação feita em 1381 por Richard II da Inglaterra, que prometeu esta terra e seu povo como o dote de Maria”.

Ele continuou: “Há muito para aprendermos sobre ser o dote de Maria e o amor que é expresso nesse título.

“É rico em história, mesmo que não seja contemporâneo em linguagem. Espero que possamos usar essas próximas semanas para aprofundar nosso conhecimento dessa antiga e adorável devoção. Isso se encaixa bem em nossa jornada quaresmal. Maria sempre nos levará ao seu Filho. Ela nos levará até ele para que ele possa nos mostrar seu amor e misericórdia.

A terceira integrante da delegação foi Amanda de Pulford, uma artista de 64 anos que nos últimos 15 anos voltou sua mão à iconografia, um estilo de pintura que praticamente desapareceu da Inglaterra após a Reforma.

Seu interesse por ícones se desenvolveu após uma visita ao Museu Tretyakov em Moscou. “Vi que através da pintura dessa maneira eu pude entender o significado da Encarnação e os eventos da história da salvação de uma maneira muito mais profunda, algo que eu realmente queria muito”, explicou ela.

Com seus sete filhos crescidos, a Sra. De Pulford pôde viajar regularmente a Bruxelas para ser tutelada por Irina Gorbounova Lomax, a ilustre pintora de ícones russa.

O trabalho da Sra. De Pulford não apenas chamou a atenção de Monsenhor Armitage, mas também o da Igreja da Inglaterra, que a encarregou de pintar um ícone de Nosso Senhor lavando os pés de São Pedro para a cripta da Catedral de Canterbury.

Em sua pintura de Nossa Senhora de Walsingham (detalhe na foto acima), a Virgem Maria é retratada vestida com trajes anglo-saxões e segurando o Menino Jesus.

A imagem inclui o brasão de armas de São Eduardo, o Confessor, um santo padroeiro da Inglaterra, e retrata Lady Richeldis, que construiu uma réplica da “casa sagrada” de Nazaré após uma aparição.

A imagem também mostra um sapo no lugar da serpente, seguindo uma narração tradicional do inglês antigo do Gênesis na arte.

O ícone mede 75cm por 40,5cm (30in por 16in) e é feito de maneira tradicional. É pintado com têmpera de ovo em gesso montado em um painel de bétula, antes da adição de verniz para proteção.

O valor da iconografia sobre outras formas de arte, de acordo com a Sra. De Pulford, é a clareza da mensagem que o pintor procura transmitir.

“O simbolismo ocorre em muitas formas de arte e a iconografia não é exceção”, diz ela. “Mas você não precisa desfazer o simbolismo para entender a pintura, porque as imagens são muito claras. Está claro o que está acontecendo, está claro quem são as pessoas e, se você considerar por tempo suficiente, o significado ficará claro. ”

Ela acrescenta: “O que espero é que, para quem o veja, o ícone inspire uma sensação renovada do amor generoso e esmagador que inspirou Deus a se entregar ao mundo, e Nossa Senhora a retribuir esse amor com sua cooperação voluntária.”

A dedicação de Ricardo II à Inglaterra foi realizada em meio a um grande tumulto político, com a intenção de que o país e seu povo fossem reservados para a orientação e proteção de Nossa Senhora.

A dedicação coincidiu com o crescimento do Santuário de Nossa Senhora de Walsingham em um dos quatro grandes destinos de peregrinação da Europa medieval.

O santuário foi destruído durante a Reforma e acredita-se que o estatuto original tenha sido queimado no Chelsea por Thomas Cromwell, o capanga de Henrique VIII. Mas foi restabelecido no século 19 e os bispos ingleses decidiram em 2017 que uma re-dedicação era desejável.

O Dia Nacional da Dedicação envolve os católicos fazendo uma “promessa angelical” pessoal a Deus em união com o “sim” de Maria na Anunciação.

Atos comunais de confiança serão feitos nas catedrais ao meio-dia, renovando os votos de dedicação feitos por Ricardo II. As escolas são convidadas a participar da reedição na segunda-feira, 30 de março.

O ícone será agora levado em turnê permanente às paróquias para lembrar os fiéis do status único e duradouro da Inglaterra na Igreja Católica.

Traduzido de CatholicHerald | Para mais detalhes, visite behold2020.com