Visitante da bienal do livro denuncia edição dos quadrinhos da Marvel que contém romance LGBT.

A Bienal do Livro, evento que tem como objetivo promover a leitura e a educação, este ano contou com um ambiente voltado para NERDs.

Um dos assuntos do momento é o sucesso de bilheteria “Vingadores” que já é explorado pelos quadrinhos há vários anos, não poderia ficar de fora do evento. O que não era previsto é que uma das edições estava sujeita à lacração da editora de quadrinhos americanos Marvel Comics.

Na edição especial da série, Volume 66 – VINGADORES: A CRUZADA DAS CRIANÇAS, um conteúdo nada infantil foi flagrado por visitantes da bienal.

Segundo relato, os compradores do livro que traz uma “cruzada para crianças” estampada na capa, “vem em embalagem lacrada e encontram uma surpresa quando chegam em casa”.

Veja abaixo algus exemplos:

Segundo a própria denúncia, “o nível de doutrinação sexo-hedonista-homocentrada excede as fronteiras globais em níveis inimagináveis.”

Leia também: Pode uma pessoa com tendências homossexuais ser um bom católico?

Atualização: Prefeito do Rio de Janeiro pede para recolher livro dos Vingadores vendido na Bienal

O romance gráfico ‘Vingadores, a cruzada das crianças’ traz uma cena de dois personagens masculinos se beijando. Bienal negou retirada de livros.

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, pediu nesta quinta-feira (5) para a Bienal do Livro recolher um livro à venda no evento. O romance gráfico (graphic novel) ‘Vingadores, a cruzada das crianças’ traz uma cena de dois personagens masculinos se beijando. Em um vídeo em seu twitter, Crivella diz que a obra traz “conteúdo sexual para menores”.

“Livros assim precisam estar em um plástico preto, lacrado, avisando o conteúdo”, disse o prefeito. “Pessoal, precisamos proteger as nossas crianças. Por isso, determinamos que os organizadores da Bienal recolhessem os livros com conteúdos impróprios para menores. Não é correto que elas tenham acesso precoce a assuntos que não estão de acordo com suas idades”, escreveu ainda Crivella no post.

A história, de Allan Heinberg e Jim Cheng, aborda a equipe dos Jovens Vingadores. Dela, fazem parte os personagens Wiccano e Hulkling – na trama, eles são namorados. Uma mãe que comprou o livro para o filho fez uma reclamação e o tema virou debate na internet.

- Continua após a publicidade -

 

Em nota, a A Bienal afirmou que não irá retirar os livros e que dá voz a todos os públicos, sem distinção, como uma democracia deve ser.

“Este é um festival plural, onde todos são bem-vindos e estão representados. Inclusive, no próximo fim de semana, a Bienal do Livro terá três painéis para debater a literatura Trans e LGBTQA+. A direção do festival entende que, caso um visitante adquira uma obra que não o agrade, ele tem todo o direito de solicitar a troca do produto, como prevê o Código de Defesa do Consumidor.”

Via G1