ALERTA: “O Sínodo da Amazônia é uma tentativa de ‘demolir’ a Igreja de dentro”, afirma respeitado teólogo

Formações, análises e notícias católicas

ALERTA: “O Sínodo da Amazônia é uma tentativa de ‘demolir’ a Igreja de dentro”, afirma respeitado teólogo

Outro teólogo respeitado está soando o alarme no próximo Sínodo da Amazônia, dizendo que é uma tentativa de “criar outra igreja” “demolindo” a verdadeira Igreja de dentro.

ROMA, 17 de julho de 2019

Monsenhor Nicola Bux, um teólogo e ex-consultor da Congregação para a Doutrina da Fé durante o pontificado de Bento XVI, disse em uma entrevista recente que “o que estamos enfrentando é uma tentativa de modificar geneticamente a Igreja”.

Perguntado por que ele acredita que o documento de trabalho [ Instrumentum laboris ] para o próximo Sínodo foi tão criticamente criticado, Mons. Bux, que agora serve como teólogo consultor da Congregação para as Causas dos Santos, disse que “em certo sentido, a resposta foi dada recentemente pelo papa Bento 16 [em um ensaio publicado após a cúpula do abuso sexual do Vaticano]: é mais uma tentativa “criar outra Igreja, uma experiência que já foi tentada e falhou”.

“Esses clérigos não se fazem a grande pergunta na base do cristianismo: o que Jesus realmente nos trouxe se, como podemos ver, ele não trouxe paz mundial, bem-estar para todos e um mundo melhor?” . Bux disse.

“Jesus Cristo veio para trazer Deus à terra, para que o homem pudesse encontrar o caminho para o céu: é por isso que ele fundou a Igreja”, disse o monsenhor italiano. “Em vez disso, os clérigos de hoje cuidam da terra como se fosse o lar permanente e duradouro do homem. Qual é o sintoma? Eles não falam da alma e, portanto, da sua salvação ”.

Mons. Bux observou ainda que as idéias outrora “denunciadas” por Joseph Ratzinger (como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé) estão agora “chegando à maturidade” com o Sínodo da Amazônia.

“A Igreja não é mais considerada o Corpo Místico de Cristo e o Povo de Deus orientado para a salvação, mas um fenômeno sociológico; assim, deve lidar com a economia, a ecologia e a política, onde, no máximo, poderia intervir apenas para um julgamento moral ”, Mons. Bux disse.

Ele acrescentou que, sob a influência do modernismo, os proponentes dessas idéias afirmam que “os tempos mudaram” e com eles, “um novo dogma” é necessário. No entanto, ele ressaltou que isso não responde às perguntas: quem decidiu que os tempos mudaram? E a mudança é sempre boa?

Na entrevista, que foi republicada no Pan-Amazon Synod Watch, Mons. Bux também expressou preocupação com a subutilização do documento de trabalho da necessidade de fé em Cristo, a fim de ser salvo.

“Dúvidas de que o Senhor Jesus é o único Salvador da humanidade está se espalhando na Igreja desde o período pós-conciliar”, Mons. Bux explicou. “Para alguns setores da Igreja, a evangelização foi revertida para ‘ser evangelizada’”, levando muitas “paróquias e seminários” a convidar “pensadores ateus ou duvidosos” para falar “ao invés de católicos claros e definidos”.

Mons. Bux disse que “isso levou a confusão e desorientação”, especialmente dada a fraca catequese que muitos católicos receberam nas últimas décadas.

- Continua após a publicidade -

 

Se não fosse o caso, ele observou, “não se pode explicar o espetáculo de vícios e corrupção que está afetando a sociedade italiana e européia”. Nem se poderia explicar como todos são convidados a “receber a Comunhão na Missa, independentemente de serem ou não em estado de graça ”, ou mesmo católico.

“Os pastores da Igreja devem apresentar doutrina de acordo com a forma apostólica em que foram confiados a eles (Rm 6:17)”, disse o teólogo. “Como o monsenhor Carlo Maria Viganò recentemente respondeu em uma entrevista [com o Washington Post]: ‘Desonrosamente rebeldes são aqueles que presumem quebrar ou mudar a tradição perene da Igreja’”.

Falando ao uso do documento de trabalho da “inculturação”, Mons. Bux disse que “é apresentado de forma invertida: a intenção é devolver a Igreja na Amazônia ao animismo e ao espiritualismo, fazendo com que ela se retire da Palavra que foi anunciada através da evangelização. “Uma religião natural com uma máscara cristã”, como disse o cardeal Brandmüller em sua recente declaração .

Questionado sobre o elogio do documento de trabalho para a “cosmovisão” dos povos indígenas, Mons. Bux disse que isso representa um “obscurecimento da razão” e um retorno à “religião natural” e “espiritualismo”.

No entanto, a natureza tem lições valiosas para nos ensinar sobre a Igreja, argumentou o teólogo italiano.

“O próprio desenvolvimento da natureza, que acontece de maneira orgânica (para que o que é falso ontem não possa ser verdade hoje), deve nos ajudar a entender que o ensinamento da Igreja é um corpo orgânico e doutrinário”, disse ele.

“Em vez disso,” ele observou, “os clérigos são infectados por um tipo de darwinismo que resulta – como o cardeal Brandmüller escreveu – no evolucionismo doutrinário e moral; precisamente o oposto do desenvolvimento orgânico de um sujeito que permanece fiel à sua própria identidade ”.

“Só esse corpo pode ser chamado de Igreja, pelo menos com base nas Constituições do Vaticano I e II, Dei Filius , Lumen Gentium e Dei Verbum” , disse ele.

Mons. Bux, que também é liturgista, disse que os sinais dessa infecção darwiniana podem ser vistos no documento de trabalho sobre os sacramentos, particularmente as Ordens Sagradas.

“Depois de todo o debate pré-conciliar e pós-conflito sobre a inseparabilidade do poder de ordem e jurisdição”, disse ele, “o Instrumentum Laboris propõe o oposto para justificar o ministério ordenado para as mulheres. Assim, nos afastamos das Igrejas Orientais ”.

“A identidade episcopal, sacerdotal e diaconal deve ser entendida por Deus que chama e a Igreja a confirma pela ordenação; não da comunidade, como se a Igreja fosse uma democracia ”.

Rejeitando a proposta do documento para ordenar homens casados, ou viri probati, Mons. Bux disse que “a história da Igreja ensina que a crise das vocações sacerdotais é resolvida através da fé viva: onde a fé está viva, nascem as vocações missionárias, até o surgimento de institutos para a formação do clero indígena. O Senhor sempre chama os homens para segui-lo!

Com relação à proposta do documento de trabalho de que o rito da missa seja adaptado aos costumes locais da Amazônia, Mons. Bux observou que o Rito Romano foi transmitido para vários povos em todo o mundo e é “uma expressão da comunhão de todos os crentes em Cristo além da língua, nação e raça”.

“Embora respeitando as culturas, a liturgia os convida a se purificar e se santificar”, disse ele. “Na verdade,” ele disse, o tratamento do documento de trabalho da liturgia “é uma questão de uma oposição mal disfarçada à Igreja de Roma”.

Mons. Bux disse que é “estranho” que eles queiram fazer isso séculos depois da evangelização do continente americano e da adoção do Rito Romano. “Quem informou aos nativos da Amazônia que ‘eles estavam nus’, ou seja, sem seu próprio rito?”, Perguntou ele.

Ele disse que a proposta de adoção de costumes não-cristãos na liturgia é “incompatível” e “contraditória” com o Rito Romano, a menos que se queira envolver em “hibridação e sincretismo que levam os fiéis ao erro”.

 

- Continua após a publicidade -

 

“Estamos diante da tentativa de modificar geneticamente a Igreja, questionando a fé e a unidade do rito romano que a expressa (cf. Sacrosanctum Concilium 37-38)”, disse ele.

Na entrevista, Mons. Bux também disse que acha “incrível” que a Amazônia esteja sendo considerada um “lugar teológico”, isto é, uma fonte especial de revelação.

A crítica do Cardeal Walter Brandmüller ao Instrumentum laboris , Mons. Bux disse que, ao questionar a revelação divina, o documento “se destaca da verdade da fé católica” e equivale a “apostasia”.

Mons. Bux observou que é “significativo” que o Instrumentum laboris tenha recebido a “aprovação entusiástica – e talvez o conselho – de Leonardo Boff, ex-padre franciscano, expoente histórico da teologia da libertação que, nos anos 70, foi admoestado pela Congregação”. para a Doutrina da Fé. ”

O respeitado teólogo concluiu a entrevista dizendo:

Não há libertação sem conversão a Cristo. O Instrumentum Laboris nunca menciona este termo, que está no início do Evangelho de Jesus Cristo, mas, como já observaram cardeais, sacerdotes e fiéis, contradizendo em pontos decisivos o ensinamento vinculante da Igreja – isto é, ao qual todo verdadeiro Católica está vinculada – pode ser qualificada como herética. Um ataque aos fundamentos da fé, que reduz a religião católica ao subjetivismo puro. Quase parece que é Jesus Cristo quem deve se converter à nova divindade amazônica. Mas essa é a “fé católica transmitida pelos apóstolos”, quando oramos no Cânon romano?

Fonte: Tradução de LifeSiteNews

Clique aqui para ler mais artigos sobre o Sínodo Pan-Amazônico