fbpx

Bispo Schneider: A idolatria de Pachamama durante o Sínodo da Amazônia tem suas raízes no Concílio Vaticano II

Formações, análises e notícias católicas

Bispo Schneider: A idolatria de Pachamama durante o Sínodo da Amazônia tem suas raízes no Concílio Vaticano II

8 de novembro de 2019 ( LifeSiteNews ) – O Bispo Athanasius Schneider, bispo auxiliar de Astana, Cazaquistão, concedeu recentemente uma entrevista a Michael Matt, editor do jornal católico The Remnant . Falando sobre a adoração idólatra das estátuas de Pachamama durante o Sínodo da Amazônia em Roma, o prelado diz: “Temos que condenar isso”. “A idolatria”, ele acrescenta, “é uma violação da Revelação Divina” e do Primeiro Mandamento. “Você não pode cometer atos de idolatria na Igreja Católica.”

Ele ainda fala sobre um “mal” na Igreja que está a atingir “o seu ponto culminante”, mas tem vindo a desenvolver “nas últimas décadas.” Os atuais programas situação o quanto este “mal penetrou na Igreja.” 

“Infelizmente”, comenta Schneider, “o Papa Francisco defende a veneração desses ídolos de Pachamama, dizendo que não havia intenções idólatras em usá-los”. Aqui, o bispo Schneider objeta que “só podemos ver os atos exteriores”, não os “corações” do povo ”. E esses atos“ eram claramente atos de culto religioso – curvando-se, reverenciando e até orando em direção a uma estátua de madeira ”, que é“ até o papa disse que é Pachamama ”. E é isso, segundo Schneider , um “conceito de uma espécie de deusa” em “toda a cultura do povo indígena da América do Sul”.

O mal, explica o Bispo Schneider, “quer sempre atingir seu ponto culminante”. O mal é negar que exista “uma verdade”, ele explica; e o relativismo é, portanto, “como um vírus”. “Quando você não resistir, com o tempo conquistará todo o corpo”, explica Schneider mais e depois remete ao Concílio Vaticano II. Esse “relativismo doutrinário, ambiguidade doutrinária”, afirma ele, já pode ser encontrado “parcialmente em algumas expressões do Concílio Vaticano II”.

Aqui, o bispo Schneider se refere à alegação do Concílio de que “adoramos, juntamente com os muçulmanos, o Deus único”. 

Na Constituição Dogmática do Conselho Lumen Gentium (16), os Padres do Conselho declaram: “Mas o plano de salvação também inclui aqueles que reconhecem o Criador. Em primeiro lugar, entre esses, estão os muçulmanos que, professando manter a fé de Abraão, conosco adoram o Deus único e misericordioso, que no último dia julgará a humanidade. ”

O Bispo Schneider também se refere à ideia de que “o homem é o centro e o ponto culminante de tudo o que existe na Terra”.

Além disso, o Bispo Schneider também se refere aos ensinamentos do Concílio sobre a “liberdade de religião”, o “direito natural” implantado na natureza humana por Deus para escolher a própria religião. Embora seja verdade, ele acrescenta, que não se deve ser “forçado”, esse novo ensino também significa que se “tem a liberdade de escolher uma religião”.

Aqui, Schneider aponta para as contradições nos textos conciliares. Em um lugar, em seu documento Dignitatis Humanae, o Conselho ensina que “toda pessoa tem a obrigação de buscar a verdade, e esta é a Igreja Católica”, diz Schneider, “mas depois, mais abaixo, diz que você tem a liberdade de religião enraizada na sua natureza. ”Este ensinamento“ não é claro ”, é“ ambíguo ”, como explica o prelado, e as consequências após o Concílio foram“ que quase todos os seminários católicos e faculdades teológicas e o episcopado e até a Santa Sé ”promoveram “O direito de cada pessoa de escolher sua própria religião.” 

Em Dignitatis Humanae , os Padres do Conselho declaram primeiro: “Primeiro, o conselho professa sua crença de que o próprio Deus deu a conhecer à humanidade a maneira pela qual os homens devem servi-Lo, e assim são salvos em Cristo e chegam à bênção. Acreditamos que esta única religião verdadeira subsiste na Igreja Católica e Apostólica, à qual o Senhor Jesus se comprometeu a espalhá-la no exterior entre todos os homens.” 

Mas então eles declaram: “Este Concílio Vaticano declara que a pessoa humana tem direito à liberdade religiosa. Essa liberdade significa que todos os homens devem ser imunes à coerção por parte de indivíduos ou grupos sociais e de qualquer poder humano, de tal maneira que ninguém seja forçado a agir de maneira contrária às suas próprias crenças, seja em particular ou publicamente, sozinho ou em associação com outras pessoas, dentro dos limites devidos. O conselho declara ainda que o direito à liberdade religiosa se baseia na própria dignidade da pessoa humana, pois essa dignidade é conhecida pela palavra revelada de Deus e pela própria razão. [….] Portanto, o direito à liberdade religiosa se baseia não na disposição subjetiva da pessoa, mas em sua própria natureza. Em consequência, 

- Continua após a publicidade -

 

No entanto, o bispo Schneider comenta nesta entrevista de 2 de novembro sobre esse ensino conciliar com estas palavras: “você não tem o direito de escolher a idolatria, não tem o direito de ofender a Deus”, através da “idolatria ou da blasfêmia”. 

“Isso já está enraizado aqui [no Concílio Vaticano]]”, afirma o bispo Schneider. “Se você tem o direito de Deus dado a você, por natureza, também poder escolher atos de idolatria – como a Pachamama – quando está enraizada na sua dignidade do homem, mesmo escolher uma religião de Pachamama: esta é a última consequência desta expressão do texto do Conselho ”, explica ele. A expressão do texto era “ambígua” e precisava ser “formulada de maneira diferente” para “evitar essas aplicações na vida da Igreja, que também tivemos na reunião de Assis do papa João Paulo II em 1986 e na outra reuniões, onde até religiões idólatras foram convidadas a orar à sua maneira – isto é, à sua maneira idólatra – pela paz.”

Em 27 de outubro de 1986, o Papa João Paulo II realizou um Dia Mundial de Oração pela Paz em Assis, Itália, no qual orou junto com cristãos ortodoxos, protestantes, judeus, muçulmanos, hindus, budistas e representantes de muitas outras religiões. Ele dirigiu-se aos representantes das diferentes religiões com as palavras: “As religiões são muitas e variadas, e refletem o desejo de homens e mulheres através dos tempos de entrar em um relacionamento com o Ser Absoluto”. 

Voltemos às palavras do bispo Schneider. Ele diz que o que temos agora em Roma, a “realização formal de atos idólatras na Igreja Católica, no coração da Igreja Católica de São Pedro, é o triunfo do mal”.

No início desta entrevista de 2 de novembro, o bispo Schneider falou sobre a influência dos modernistas na Igreja Católica e sua efetiva negação de “verdades imutáveis”, assim como os maçons negam essas verdades e insistem no naturalismo e no antropocentrismo e tentam minar a “singularidade”. de Jesus Cristo. ”O bispo cazaque afirma que o modo de pensar dos modernistas é“ semelhante ”aos pensamentos da Maçonaria – enquanto insiste que“ eu não diria que os modernistas são maçons ”. Ambos têm em comum o seu“ relativismo ”. “” Nós, seres humanos, somos os autores da verdade “” é um dos princípios principais da Maçonaria e, portanto, o homem “pode ​​mudar essas [verdades] de acordo com seus desejos”. “É o cerne do modernismo”, continua Schneider, ” relativismo, naturalismo e antropocentrismo completo “. 

Ele também explica que a Maçonaria é intrinsecamente “anti-sobrenaturalismo”, “anti-Revelação”. Os modernistas foram “contaminados” por esse “modo de pensar”.

“Desde então”, explica o bispo Schneider, “o movimento modernista na Igreja penetrou cada vez mais.” Eles “atingiram seu auge no Concílio Vaticano II, porque usaram essa assembléia da Igreja como uma ferramenta para promover cada vez mais seus relativistas, antropocentristas, teorias naturalistas na teologia, na liturgia, na vida [pastoral] da Igreja.” 

Depois do Concílio Vaticano II, de acordo com o Bispo Schneider, além dos Modernistas, havia também alguns “verdadeiros membros da Maçonaria” que obtiveram “altos cargos na Igreja”. Perguntado pelo Sr. Matt sobre Annibale Bugnini – o arquiteto da Missa Novus Ordo – Schneider responde: “Sim, e outros.” Ele menciona que alguns maçons podem estar entre os bispos, cardeais e “até núncios”. Eles “obviamente ajudaram o clero modernista”, mesmo que estes os clérigos não eram maçônicos e, portanto, “os promoveram para altos cargos da Igreja”.

“É evidente que esta é uma estratégia”, conclui o bispo Schneider.

E agora, sob o papa Francisco, testemunhamos como, “sem vergonha, hereges reais evidentes, negadores da verdade católica, estão sendo promovidos para altos cargos na Igreja; mas até recebem de alguma forma uma recompensa por sua traição a Cristo. ”