fbpx

Candidato presidencial esquerdista da Argentina promete legalizar o aborto

Formações, análises e notícias católicas

Candidato presidencial esquerdista da Argentina promete legalizar o aborto

BUENOS AIRES ( Reuters ) – O candidato presidencial à esquerda da Argentina, Alberto Fernández, que venceu as eleições primárias do país no fim de semana, declarou que irá “descriminalizar e legalizar” o aborto, se eleito em outubro. 

Fernández e sua companheira de chapa, a ex-presidente Cristina de Kirchner, venceram a corrida principal no domingo e se tornaram candidatos do partido TODOS, um partido de esquerda que tem seus antecedentes no movimento peronista herdado do ditador fascista Juan Perón, de 1940. 

Falando à Net TV da Argentina, Fernandez disse em referência ao aborto: “Eu não quero que outra mulher morra. Deve ser descriminalizado imediatamente.

Fernandez acrescentou: “Tomei a decisão política de descriminalizar e legalizar o aborto porque não quero que outra mulher morra. Primeiro, deve ser descriminalizado para acabar com o aborto clandestino. Não devemos ignorar o que está acontecendo. É um problema de saúde pública”.

O aborto na Argentina continua sendo um crime punível, exceto nos casos de estupro, se a vida ou a saúde da mãe estiver em risco, ou se a mulher tiver deficiência mental. Em agosto passado, o Senado da Argentina votou contra a legalização do aborto, apesar de uma votação anterior na Câmara dos Deputados da Argentina em favor da legalização . 

Fernandez disse que pretende introduzir gradualmente a liberalização do aborto na república sul-americana.

“Parece-me que há dois estágios: primeiro, tem que começar com a descriminalização para acabar com o aborto clandestino, para que as mulheres possam ter mais mecanismos para proteger sua saúde”, disse ele. 

Em julho, no entanto, Fernandez disse durante sua campanha que, uma vez ele se torna presidente, ele quer descriminalizar o aborto “imediatamente”.

Leia também: O dia em que Joseph Ratzinger (Bento XVI) ensinou porque é errado votar em políticos pró aborto

No domingo, uma contagem de 87,37% dos votos expressos na primeira corrida mostrou que Fernandez e Kirchner obtiveram 47,37% dos votos, contra os 32,30% que votaram no presidente, Mauricio Macri. O spread de 15 pontos fez Wall Street estremecer na segunda-feira, com os acionistas reagindo vendendo títulos argentinos. O Presidente Macri introduziu reformas econômicas e cortou os subsídios populares em um esforço para estabilizar a economia nacional e a moeda. Assim, ele ganhou a ira dos esquerdistas e peronistas que o acusaram de se curvar aos interesses dos Estados Unidos e do Fundo Monetário Internacional. Se os resultados da primária de domingo se repetirem em 27 de outubro, data da eleição geral, Macri certamente perderá na primeira rodada.

A única pesquisa presencial realizada por uma agência independente (Celag) descobriu que Fernandez está liderando a Macri em 42,5% a 33,5% nas intenções dos eleitores.