Cardeal Burke: católicos têm Nossa Senhora de Guadalupe como mãe, ‘não Pachamama’

13 de dezembro de 2019 ( LifeSiteNews ) – O cardeal americano condenou a “idolatria” de Pachamama no Vaticano e na Basílica de São Pedro durante o Sínodo da Amazônia em outubro, chamando-o de uma “manifestação chocante de como Satanás entrou na Igreja.” Ele pediu aos católicos que se voltassem para a “única mãe santa, a Mãe de Deus, a Virgem de Guadalupe, não Pachamama”.

“Satanás perambula pelo mundo, confundindo o homem com sua própria natureza, com a inviolabilidade da vida humana indefesa, com a integridade do santo matrimônio”, disse o cardeal Raymond Burke em uma homilia que ele fez ontem no santuário de Nossa Senhora de Guadalupe, em La Crosse, Wisconsin, por ocasião do dia da festa de Nossa Senhora de Guadalupe. 

“Satanás se atreve a semear suas mentiras e as sementes de confusão e destruição também na Igreja. Uma manifestação mais chocante de como Satanás entrou na Igreja foi o culto recente ao ídolo pagão, a Pachamama, a mãe terra, nos jardins do Vaticano, e ainda mais gravemente, diante do túmulo de São Pedro na Basílica de São Pedro ”. ele disse. 

O cardeal mencionou que muitos católicos têm oferecido orações e jejum em reparação pela “mais grave ofensa a Deus: a clara e incontrolavel violação do Primeiro Mandamento”.  

O Primeiro Mandamento proíbe a adoração de quaisquer deuses, exceto o Deus de Abraão. 

“Sempre há a tentação da idolatria. Buscamos a salvação eterna em outro lugar que não o único lugar em que pode ser encontrada: na união de nossos corações com o Sagrado Coração de Jesus ”, disse o cardeal durante a homilia. 

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

Burke pediu à congregação que orasse em reparação por essa e outras formas de idolatria na Igreja.

“Vamos orar hoje de maneira particular pela intercessão de Nossa Senhora de Guadalupe, nossa mãe, em reparação da idolatria que entrou na vida da Igreja”, disse ele.

“Vamos orar por sua intercessão para que Cristo, que é o único rei do céu e da terra, possa reinar em nossos corações, reinar em todo o mundo.”

O cardeal recomendou que a imagem do Coração Imaculado de Maria e a imagem do Sagrado Coração de Jesus fossem honradas nos lares católicos como lembretes de importantes verdades cristãs. Essas verdades incluem Deus sendo o autor do nosso ser e Maria sendo a única mãe sagrada.

“Que a verdade permeie em nossos lares que viemos da mão de Deus, e não da deusa, e que tenhamos uma mãe santa, a Mãe de Deus, a Virgem de Guadalupe, e não Pachamama”, orou Burke.   

As esculturas de uma mulher grávida nua apareceram pela primeira vez como objetos de veneração em Roma na sexta-feira, 4 de outubro de 2019. As estátuas apareceram com destaque em uma cerimônia supostamente em homenagem a São Francisco de Assis, realizada nos jardins do Vaticano, na presença do Papa Francisco. Durante a cerimônia, um grupo de pessoas da Amazônia, incluindo religiosos declarados, formaram um círculo em torno de vários totens em um cobertor, incluindo duas figuras da mulher nua, e se prostraram diante das estátuas. 

Havia várias estátuas de mulheres grávidas nuas em Roma naquele mês. Um foi usado como ponto focal durante as deliberações do Sínodo dos Bispos para o Sínodo Pan-Amazônico. Outros foram usados ​​em cerimônias dentro e fora das igrejas católicas. Vários foram alojados em uma capela na Igreja dos Carmelitas de Santa Maria, em Traspontina, até que um jovem leigo austríaco escandalizado, Alexander Tshugguel, os tirou da igreja e os jogou no rio Tibre . Posteriormente, o Papa Francisco pediu desculpas pela ação e informou o Sínodo de que as estátuas haviam sido recuperadas pela polícia italiana. 

As autoridades do Vaticano pareciam não entender o interesse dos católicos na figura e no que ela representava. Os repórteres das coletivas de imprensa do Sínodo foram informados de que as estátuas representavam “fertilidade”, “vida” e “mulher”. No entanto, os voluntários que estavam na exposição da Amazônia em Santa Maria em Traspontina descreveram a imagem aos visitantes como “Pachamama” e “Mãe Terra . ” 

Pachamama é, no entanto, um nome andino, e não amazônico, para a “mãe da terra” pagã, comum a muitas sociedades ao longo da história. Um antropólogo disse à LifeSiteNews que, na sua opinião, a figura era um “ídolo inventado para o sínodo da Amazônia”, desprovido de história e cultura. No entanto, o Papa Francisco identificou as estatuetas com a deusa Pachamama da Argentina, quando ele disse ao Sínodo que a polícia havia encontrado as “pachamamas”. As orações a “Pachamama” também foram encontradas em material publicado pelo Escritório de Missões da Conferência Episcopal Italiana no preparação para o Amazon Synod.

Pe. EWTN Mitch Pacwa, SJ, que serviu nos Andes, descreveu o uso da figura de madeira entalhada como um “grande escândalo”.  

O cardeal Burke já falou antes sobre a reverência das estátuas de Pachamama. Durante uma entrevista em 8 de dezembro com uma estação de televisão francesa, Burke disse que “forças diabólicas” haviam entrado no Vaticano com o ídolo e que era necessária reparação para derrotá-los “.

“Algo muito grave aconteceu durante a assembléia especial do Sínodo dos Bispos para a região amazônica. Um ídolo foi introduzido na Basílica de São Pedro – a figura de uma força demoníaca ”, disse ele.

“Portanto, é necessária reparação e também orações, para que as forças diabólicas que entraram com esse ídolo sejam vencidas pela graça de Deus, por Cristo que deseja que a Basílica de São Pedro seja purificada do ato sacrílego que ocorreu durante o Sínodo.”  

Vários outros prelados , incluindo o cardeal Gerhard Müller, o arcebispo Carlo Maria Viganò, o bispo Athanasius Schneider e o bispo Rudolf Voderholzer de Regensburg , criticaram o uso da imagem no Sínodo na Amazônia.

Via LifeSiteNews