fbpx

Cardeal Müller: Jesus foi expulso do Sínodo da Amazônia

Formações, análises e notícias católicas

Cardeal Müller: Jesus foi expulso do Sínodo da Amazônia

Em entrevista conduzida por Matteo Matzuzzi ao jornal “Il Foglio”, o cardeal Müller acusa o Sínodo da Amazônia de expulsar Jesus e adverte que o Senhor “deu a vida pela salvação dos homens, não do planeta”

Settimo Cielo / InfoCatólica ) Segundo Sandro Magister em seu blog Settimo cielo , o prefeito emérito da Congregação para a Doutrina da Fé, alerta que o Sínodo da Amazônia pode ter “consequências na Igreja universal”. E ele ressalta que, apesar de lidar com a região amazônica, “se as vozes de alguns dos protagonistas desta assembléia são ouvidas, é fácil entender que a agenda é inteiramente européia”.

O cardeal alemão relaciona o Sínodo da Amazônia com o qual ocorrerá em sua terra natal:

« Na Alemanha, eles quase querem re-fundar a Igreja Católica. Eles pensam que Cristo é apenas um homem que viveu dois mil anos atrás, consideram que ele não era um homem moderno, estão convencidos de que ele não tinha nada de sua formação instruída. É por isso que eles pensam que é necessário preencher essas lacunas e que esperam agir sobre elas. Numa homilia, o cardeal Marx perguntou retoricamente: “Se Cristo estivesse aqui hoje, ele diria o que disse dois mil anos atrás?” Mas Cristo não é uma figura histórica como César. Jesus Cristo é o ressuscitado que está presente, que celebra a missa por meio de seu representante ordenado do sacerdote. Ele é o assunto da Igreja e sua Palavra permanece e é eternamente válida. Cristo é a plenitude da Revelação, então não haverá outra Revelação. Somos nós que devemos procurar conhecê-la mais e melhor, certamente não podemos mudá-la.Cristo é intransponível e irreversível, mas isso não parece muito claro hoje em certas latitudes .

Para Müller, esse erro também está presente no Instrumentum laboris , o documento base do Sínodo na Amazônia: «um documento que não fala de Apocalipse, do Verbo Encarnado, de Redenção, da Cruz, da Vida eterna», mas antes, exalta, em vez da Revelação divina, assumir, como tal, as tradições religiosas dos povos indígenas e suas visões de mundo.

Dada a ideia de ordenar padres casados ​​como forma de satisfazer o suposto direito de receber suprimentos, o cardeal assegura que “não existe e não pode existir um direito ao sacramento. Somos criaturas de Deus e uma criatura não pode reivindicar um direito ao seu criador. Vida e graça são um presente. O homem tem o direito de se casar, mas não pode afirmar que uma certa mulher o desaprova reivindicando um direito específico. Jesus livremente escolheu doze deles entre todos os seus discípulos, apresentando assim sua autoridade divina. Ele escolheu aqueles que queria, é Deus quem escolhe. Ninguém pode entrar no santuário sem ser chamado . Mais uma vez a mentalidade secularizada prevalece: é pensada como homem, não como Deus ».

E ele acrescenta:

«O celibato sacerdotal só pode ser entendido no contexto da missão escatológica de Jesus, que criou um novo mundo. Houve uma nova criação. Com as categorias de secularismo, você não consegue entender a indissolubilidade do casamento, assim como o celibato ou a virgindade das ordens religiosas . Tampouco esses problemas podem resolver problemas que têm sua origem exclusivamente na crise da fé. Não se trata de recrutar mais pessoas para administrar os sacramentos , mas é necessária uma preparação espiritual, é necessário entrar na espiritualidade dos apóstolos. É necessária uma preparação espiritual e teológica, você precisa entrar na espiritualidade dos apóstolos,não prestar atenção aos órgãos leigos que aconselham muito e sobre muitas coisas por razões totalmente contrastantes com a missão da Igreja. Serve espiritualidade, não mundanismo .

Em relação à ascensão do ativismo ecológico, Müller diz:

« A Igreja pertence a Jesus Cristo e deve pregar o Evangelho e dar esperança para a vida eterna. Você não pode se tornar o protagonista de nenhuma ideologia, nem a do ‘gênero’ nem a do neopaganismo ambientalista . É perigoso se isso acontecer. Volto ao Instrumentum laboris preparado para o Sínodo na Amazônia. Em um de seus parágrafos, ele fala da “Mãe Terra”: mas essa é uma expressão pagã. A terra vem de Deus e nossa mãe na fé é a Igreja. Somos justificados pela fé, esperança e amor, não pelo ativismo ambiental. É verdade que o cuidado dos criados é importante, afinal vivemos em um jardim querido por Deus. Mas este não é o ponto de virada. É o fato de que para nós Deus é a coisa mais importante. Jesus deu a vida pela salvação dos homens, não do planeta » .

E conclui:

«Certamente a Igreja pode dar sua própria contribuição com boa ética, com doutrina social , com ensino, lembrando princípios antropológicos. Mas a primeira missão da Igreja é pregar Cristo , o Filho de Deus. Jesus não disse a Pedro para lidar com o domínio do Império Romano, ele não entra em diálogo com César. Ele manteve uma boa distância. Pedro não era amigo de Herodes ou Pilatos, mas sofreu o martírio. A cooperação com um governo legítimo é justa, mas nunca esquecendo que a missão de Pedro e seus sucessores é unir todos os crentes na fé em Cristo, que não confiou que eles lidam com as águas do Jordão ou do vegetação da Galiléia ».