ATENÇÃO: Nenhum Papa ou Concílio poderia permitir ordenação de mulheres – “seria inválido” – Cardeal Müller

Formações, análises e notícias católicas

ATENÇÃO: Nenhum Papa ou Concílio poderia permitir ordenação de mulheres – “seria inválido” – Cardeal Müller

O cardeal encarregado de salvaguardar a doutrina católica sob o Papa Bento publicou hoje uma segunda crítica detalhada do documento de trabalho do Sínodo da Amazônia ( Instrumentum Laboris ), dizendo que nenhum sínodo, papa ou conselho “poderia tornar possível a ordenação de mulheres como bispos, sacerdotes ou diáconisas ”.

O Cardeal Gerhard Müller, ex-Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, que foi destituído de seu cargo pelo Papa Francisco em 2017 , concentrou-se especialmente na questão do sacerdócio e da impossibilidade de participação feminina nele (leia a crítica completa abaixo) .

“O magistério do Papa e dos bispos não tem autoridade sobre a substância dos sacramentos”, afirma o Cardeal.

“Portanto, nenhum sínodo – com ou sem o papa – assim como nenhum concílio ecumênico, ou até mesmo o Papa quando se pronuncia ex cathedra, poderia tornar possível a ordenação de mulheres, seja como bispos, sacerdotes ou diaconisas. Eles estariam em contradição com a doutrina definida da Igreja “, continua ele.

“Seria inválido”, acrescenta. 

O cardeal Müller chamou o próximo Sínodo, marcado para acontecer em Roma, de 8 a 27 de outubro, de “bola de demolição” que visa uma “reestruturação da Igreja Universal”.

O texto do cardeal é publicado simultaneamente em quatro idiomas. Em inglês ( LifeSiteNews ), italiano ( Corrispondenza Romana ), espanhol ( Infovaticana ), bem como em alemão ( Die Tagespost ). Na semana passada, o cardeal Müller fez sua primeira avaliação do documento de trabalho do Sínodo amazônico, criticando-o por sua “reviravolta radical na hermenêutica da teologia católica” e por seu “falso ensino”.

Em sua declaração de hoje, o Cardeal Müller vincula o Sínodo Amazônico e suas próprias propostas de reforma diretamente ao “processo sinodal ” que agora está sendo preparado pelos bispos alemães e que, similarmente ao Sínodo Amazônico, visa discutir o papel das mulheres no Igreja, bem como levantar questões sobre o celibato sacerdotal.

Tanto o “caminho sinodal” alemão quanto o Sínodo amazônico visam questionar o sacerdócio, tanto no que diz respeito ao celibato sacerdotal, quanto no que diz respeito à ideia incongruente de separar os deveres que regem dos deveres de ensino e santificação do ofício ordenado. O Sínodo Amazônico até propõe criar uma nova forma de sacerdócio, com homens casados ​​que tenham famílias e, portanto, menos tempo para um período mais longo de preparação teológica para o sacerdócio. Ambos os movimentos de reforma também propõem novos papéis para as mulheres na Igreja, com o documento de trabalho do Sínodo da Amazônia propondo um “ministério oficial ” para as mulheres, incluindo possivelmente um “ diaconato feminino ”.

O cardeal Müller dá todo o seu peso e experiência teológica para defender o sacerdócio católico. Ele nos lembra que “o triplo ofício – como historicamente cresceu a partir do apostolado na Igreja Primitiva como instituído por Cristo – existe em virtude de uma ‘instituição divina’ (Lumen Gentium 20)”. Esse ofício é exercido pelos bispos. presbíteros/sacerdotes e diáconos.

O Cardeal recorda aos seus bispos alemães que “em tempos melhores, os bispos alemães se opuseram unanimemente ao guerreiro da cultura Bismarck e afirmaram: ‘A constituição da Igreja baseia-se, em todos os pontos essenciais, na ordem divina e está isenta de qualquer arbitrariedade humana’ (DH 3114). ”

Citando o Concílio de Trento, o cardeal Müller afirma que “bispo, sacerdote e diácono são apenas graus do único sacramento da ordem sagrada. ‘Ninguém duvida que a santa ordenação é verdadeira e essencialmente um dos sete sacramentos da Santa Igreja – unum ex septem sacramentis ‘. (Trento, Decreto sobre o Sacramento da Ordem Sagrada: DH 1766; 1773). ”

- Continua após a publicidade -

 

É aqui que o prelado alemão diz que uma “análise teológica dos fatos doutrinais e histórico-eclesiásticos, no contexto das declarações vinculantes sobre o sacramento da ordem sagrada” deixa claro “que a ordenação sacramental, no grau e com o título oficial ‘diácono’, não foi e nunca será administrado, na Igreja Católica, às mulheres. ”

“Decorre da ‘constituição divina da Igreja’, como o Papa João Paulo II decidiu com segurança, que a Igreja não tem autoridade para administrar às mulheres a ordenação sacerdotal. Esta não é a conclusão da história, mas sim da constituição divina da Igreja. Isso, é claro, se aplica a todos os três graus sacramentais ”, acrescenta o cardeal Müller.

Além disso, ele também rejeita a idéia de falar “de diáconos femininos não-sacramentais, estabelecendo assim a ilusão de que se trata de reviver um passado – mas apenas temporariamente e limitado regionalmente – instituição das diaconisas da Igreja Primitiva”. Assim, o prelado alemão insiste que nenhum Papa ou Conselho pode decidir admitir diáconos do sexo feminino.

A ideia de um ofício feminino não ordenado foi recentemente proposta por diferentes clérigos alemães, entre eles o cardeal Walter Kasper . O cardeal Reinhard Marx acaba de propor que os leigos possam pregar na missa. Isso, no entanto, não é aceitável, segundo o cardeal Müller. “Ele também contradiz a essência do ofício episcopal e sacerdotal”, explica, “quando está sendo reduzido a sacralidade somente para que se possa permitir que leigos – isto é, homens e mulheres não ordenados – façam a homilia durante a santa missa celebrada por um padre ou bispo ”.

Müller continua dizendo que aqui está o perigo de que os padres “se tornem ‘altaristas’ [‘Altaristen’: uma palavra humilhante para padres que celebram missas sem homilia e cuidado pastoral; este foi um abuso que Lutero detectou e usou para suas polêmicas; GM], algo que na época causou o protesto da Reforma. ”

“A Missa é a liturgia da Palavra e a liturgia eucarística – que formam um só ato de adoração’ ( Sacrosanctum concilium 56)”, afirma o Cardeal. “É por isso que cabe aos bispos e sacerdotes pregar e, no máximo, às vezes deixar que o diácono ordenado faça uma homilia. A liturgia da Palavra e da Eucaristia tem uma unidade íntima.” Com isso, o cardeal alemão refuta a ideia de separar os deveres do sacerdote de celebrar o Santo Sacrifício da Missa de sua pregação da Palavra de Deus.

Mais uma vez, o cardeal Müller insiste em que as diferentes partes do ministério sacerdotal estão interconectadas e não podem ser entregues aos leigos. “Na ordenação, não estão sendo transferidas competências particulares individuais sem qualquer ordem interna e interconexão. É o único serviço na Palavra, através do qual a Igreja está sendo reunida como uma comunidade da Fé, na qual os Sacramentos da Fé estão sendo celebrados e através da qual o rebanho de Deus está sendo governado por seus pastores designados, em Nome de Cristo e Autoridade. É por isso que os ofícios sacerdotais relativos à doutrina, culto e governo estão unidos na raiz e são diferenciados apenas em seus aspectos teológicos, sob os quais olhamos para eles (Presbyterorum Ordinis 4-6)”.

O Cardeal Müller destaca a importância do sacerdócio que foi instituído por Cristo como meio de dispensar os sacramentos que são os meios pelos quais recebemos a Graça: “Os sacramentos são sinais e instrumentos da Graça Divina, com a ajuda da qual Deus edifica o cristão individual e a Igreja. como um todo.”

À luz dessa doutrina, é claro que aqueles que propõem novos ofícios sacerdotais têm uma visão “secularizada” da fé e da Igreja. “Somente aqueles que têm dificuldades com essa visão consideram que a Igreja é, na melhor das hipóteses, uma instituição secular e subsequentemente não reconhece o ofício ordenado como uma instituição divina. Essas pessoas, pelo contrário, reduzem o detentor do cargo cristão a um mero funcionário de uma organização religiosa-social ”.

“Como uma suposta saída da crise da Igreja”, acrescenta o cardeal Müller, “o Instrumentum Laboris juntamente com o processo sinodal na Alemanha dependem de uma nova secularização da Igreja. Quando, em toda a hermenêutica do cristianismo, alguém falha em começar com a auto-revelação histórica de Deus em Cristo; quando se começa a incorporar a Igreja e sua liturgia em uma visão mitológica do mundo inteiro; ou transforma a Igreja em parte de um programa ecológico para o resgate do nosso planeta, então a sacramentalidade – e especialmente o ofício ordenado de bispos e sacerdotes na Sucessão Apostólica – ficam pairando pelo ar. Quem realmente gostaria de construir uma vida inteira que requer dedicação total sobre uma fundação tão instável? ”

O Cardeal disse que um “novo modelo do sacerdócio” não é possível.

“A substância dos sacramentos não está sujeita à autoridade da Igreja”, escreve ele. “E não se pode juntar um novo modelo do sacerdócio, auxiliado por elementos isolados das Escrituras e da Tradição e omitindo distinguir decisões dogmaticamente vinculantes de desenvolvimentos em aspectos menores. As imagens sacerdotais desenvolvidas pelos estrategistas pastorais também não são importantes, mas somente a Imagem de Cristo, o Sumo Sacerdote da Nova Aliança, que está eternamente impressa nas almas dos consagrados e em cujo nome e força eles santificam, ensinam e governar os fiéis (Presbyterorum Ordinis 2; 12). ”

O cardeal Müller aponta para os bispos alemães e seu “caminho sinodal”, que visa questionar o sacerdócio, e afirma: “Se durante o processo sinodal proposto na Alemanha, o tópico essencial da transmissão da Fé não é tratado, o declínio será cada vez mais acelerado”.

À luz das estatísticas recentemente publicadas na Alemanha mostrando que em 2018, 216.000 católicos alemães deixaram a Igreja, o Cardeal Müller lembra aos seus colegas bispos alemães que a resposta a esta crise de Fé não é “uma nova secularização ou auto-secularização da Igreja”, mas sim, “uma renovação no espírito do Evangelho.”

“A Igreja”, explica ele, “só pode servir aos homens em busca de Deus e por uma vida na fé, se proclamar a todos os homens o Evangelho em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. e se ela os fizer discípulos de Jesus por meio do batismo ”.

Além disso, o cardeal alemão afirma: “Como já era o caso com os Sínodos da Família, a ‘Igreja Alemã’ reivindica hegemonia sobre a Igreja Universal e se orgulha orgulhosamente e arrogantemente de ser um criador de cristianismo em paz com a modernidade”.

 

- Continua após a publicidade -

 

Em termos estratégicos, o Cardeal Müller também explica a colaboração entre os bispos alemães e o Sínodo Amazônico, quando diz que “o processo sinodal no âmbito da Conferência Episcopal Alemã está agora sendo vinculado ao Sínodo para a Amazônia, e isso é feito por razões eclesiais-políticas e como alavanca para a reestruturação da Igreja Universal. Além disso, em ambos os eventos, os protagonistas são quase idênticos e estão até mesmo conectados financeira e organizacionalmente por meio das agências de assistência da Conferência Episcopal Alemã. Não será fácil controlar essa bola de demolição”.

No entanto, o prelado alemão se pergunta “por que, em face do estado desolado da Igreja em seu próprio país [Alemanha], eles agora se sentem chamados a ser um modelo para os outros”.

Outros prelados do alto escalão que levantaram preocupação sobre a direção que o Sínodo da Amazônia está tomando incluem o seguinte:

  • O cardeal Walter Brandmüller, um renomado estudioso da história da igreja e um dos dois cardeais remanescentes da dubia, chamou o documento de trabalho de “herético” e de “apostasia” da Revelação Divina. Ele convocou os líderes da Igreja a “rejeitá-lo” com “toda determinação”.
  • Dom Marian Eleganti, bispo auxiliar de Chur, na Suíça, declarou que, se as idéias do documento de trabalho forem adotadas, elas “contaminarão todo o Corpo Místico da Igreja – e o prejudicarão gravemente”.
  • Monsenhor Nicola Bux, teólogo e ex-consultor da Congregação para a Doutrina da Fé durante o pontificado de Bento XVI, chamou o Sínodo Amazônico de uma tentativa de “criar outra igreja” “demolindo” a verdadeira Igreja por dentro.
  • Dom Athanasius Schneider, Bispo Auxiliar de Astana, Cazaquistão, afirmou que o Papa Francisco tem um “dever estrito, como lhe foi dado por Deus” para manter a “herança apostólica do celibato sacerdotal” no próximo Sínodo da Amazônia. “Ele pode não apoiar de maneira alguma – pelo silêncio ou por uma conduta ambígua – o conteúdo obviamente gnóstico e naturalista de partes do Instrumentum laboris (documento de trabalho), bem como a abolição do dever apostólico do celibato sacerdotal (que primeiro seria regional e, em seguida, naturalmente, e passo a passo, em seguida, torna-se universal) “, disse ele.

Texto completo da crítica do Cardeal Gerhard Müller:

“Não sejais conformados com o mundo, mas ser transformados pela renovação da tua mente” (Romanos 12: 2)

Sobre o processo sinodal na Alemanha e o Sínodo para a Amazônia

pelo cardeal Gerhard Müller

1. A secularização da Igreja é a causa da crise e não a sua solução

Aquele que acredita que “Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, para que pudesse santificá-la” (Efésios 5:25), só pode ser abalado pela mais nova notícia da Alemanha, ou seja, em 2018, mais de 216.000 Os católicos deixaram seu lar espiritual ao deixar explicitamente a Igreja, dando assim as costas bruscamente à mãe na Fé. Pode ser que os motivos das pessoas individuais que se tornaram membros do Corpo eclesial de Cristo através do seu batismo sejam tão variados quanto os seres humanos simplesmente são. É claro, no entanto, que a maior parte deles deixa a Igreja com o mesmo espírito que um cancela a adesão de uma organização secular; ou quando alguém se afasta de seu partido político tradicional, do qual se alienou ou se está profundamente desapontado. Eles nem sequer sabem – ou nunca foram informados – que a Igreja, embora consistindo de homens defeituosos até os seus representantes mais elevados, é, em sua essência e mandato, uma instituição divina. Porque Cristo estabeleceu Sua Igreja como Sacramento da Salvação do mundo, como “sinal e instrumento tanto de uma união muito íntima com Deus e da unidade de toda a raça humana”.Lumen Gentium 1)

O autor da Carta aos Hebreus está bem ciente da dificuldade pastoral de “restaurar novamente ao arrependimento aqueles que um dia foram iluminados, que provaram o dom celestial, e que se tornaram participantes do Espírito Santo, e provaram a bondade. da palavra de Deus e os poderes da era vindoura, se então eles cometem apostasia, uma vez que eles crucificam o Filho de Deus por conta própria e eles o desprezam ”(Hebr 6: 4-6).

- Continua após a publicidade -

 

A principal razão para deixar a Igreja sem a percepção de que assim pecam gravemente contra o amor de Cristo nosso Redentor e, assim, colocar em risco a própria salvação eterna, é a idéia de que a Igreja é uma associação secular. Eles não sabem nada sobre o fato de que a Igreja Peregrina é necessária para a salvação e que ela é indispensável para cada um que veio para a Fé Católica. “Ele não é salvo, no entanto, que, embora parte do corpo da Igreja, não persevera na caridade. Permanece, de fato, no seio da Igreja, mas, por assim dizer, apenas de maneira “corpórea” e não “em seu coração” ( Lumen Gentium 14).

Esta crise de uma saída maciça da Igreja e do declínio da vida da Igreja (baixa frequência à missa, poucos batismos e confirmações, seminários vazios, o declínio dos mosteiros) não pode ser superada com a ajuda de uma secularização e auto-secularização da Igreja. a Igreja. Não é porque o bispo é tão gentil e encorajador – próximo do povo e sem vergonha de exprimir banalidades – que o povo regressa à comunidade salvífica de Cristo ou participa piedosamente da celebração da Divina Liturgia e dos Sacramentos. Pelo contrário, é porque eles reconhecem o verdadeiro valor da Liturgia e dos Sacramentos como meio de graça. Deveria a Igreja tentar se legitimar diante de um mundo descristianizado de maneira secular como um lobby religioso natural do movimento ecológico?

A Igreja só pode servir aos homens em busca de Deus e por uma vida na fé, se proclamar a todos os homens o Evangelho em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, e se os fizer discípulos de Deus. Jesus através do batismo. Ela é o Corpo de Cristo, de modo que Jesus Cristo, sua Cabeça, permanece presente através dela e nela, até o fim do mundo (veja Mt 28:19 seq.). Cristo nos fala nas palavras da homilia; faz presente o próprio sacrifício dele na Cruz na Santa Missa; e Ele se entrega a nós como alimento para a vida eterna; perdoa pecados e transmite o Espírito Santo aos servos da Igreja, através dos quais os bispos e sacerdotes ordenados – em nome de Jesus Cristo, Sumo Sacerdote da Nova Aliança – agem e, assim, tornam-no visível na paróquia ( Sacrosanctum Concilium 41).

O chamado caminho sinodal do estabelecimento da Igreja na Alemanha, no entanto, visa uma maior secularização da Igreja. Em vez de uma renovação no espírito do Evangelho, com a ajuda da catequese, missão, cuidado pastoral, mistagogia [uma explicação mística] dos sacramentos, agora se confia – e isso já se arrasta há meio século – outros tópicos, esperando assim receber a aprovação pública do mundo ocidental e agradar a maneira de pensar que contém uma imagem materialista do homem.

Em sua essência, o caminho sinodal é aproximadamente 1. a mudança do Sacramento das Ordens Sagradas em um sistema profissional de funcionários bem pagos; 2. a passagem de um “poder” politicamente percebido dos bispos e sacerdotes para uma liderança de leigos, com a cláusula adicional de que, se as qualificações forem as mesmas, as próprias mulheres serão preferidas. O que lhes incomoda é (3) que a moralidade cristã como se origina da nova vida em Cristo, que agora é degradada por ser “contra o corpo” e, supostamente, não compatível com os padrões da moderna ciência sexual. O obstáculo desde a Reforma Protestante e desde o naturalismo do Iluminismo é (4), é claro, o celibato sacerdotal; bem como os conselhos evangélicos (pobreza, castidade, obediência) da vida consagrada consagrada. Em uma Igreja que – como mera instituição humana com objetivos puramente seculares – abandonou sua identidade de mediadora da salvação em Cristo e perdeu toda referência transcendental e escatológica ao Senhor Vindo, o celibato livremente escolhido “por causa de o reino (Mt. 19:12), ou, para poder “preocupar-se com a obra do Senhor” (1 Coríntios 7:37) é percebido agora como um embaraço – como um elemento estranho ou um resíduo residual de qual deve ser liberado o mais rápida e completamente possível. Na melhor das hipóteses, esse celibato pode ser concedido a algumas pessoas exóticas como uma forma masoquista de autodeterminação extremamente autônoma. o celibato livremente escolhido “por amor do reino” (Mateus 19:12), ou, para poder “preocupar-se com a obra do Senhor” (1 Coríntios 7:37) é percebido agora como um embaraço – como um elemento alienígena ou um resíduo residual, do qual é preciso libertar-se o mais rápida e exaustivamente possível. Na melhor das hipóteses, esse celibato pode ser concedido a algumas pessoas exóticas como uma forma masoquista de autodeterminação extremamente autônoma. o celibato livremente escolhido “por amor do reino” (Mateus 19:12), ou, para poder “preocupar-se com a obra do Senhor” (1 Coríntios 7:37) é percebido agora como um embaraço – como um elemento alienígena ou um resíduo residual, do qual é preciso libertar-se o mais rápida e exaustivamente possível. Na melhor das hipóteses, esse celibato pode ser concedido a algumas pessoas exóticas como uma forma masoquista de autodeterminação extremamente autônoma.

2. Alemães e o povo amazônico em um barco

Como já era o caso dos Sínodos da Família, a “Igreja Alemã” reivindica hegemonia sobre a Igreja Universal e se orgulha orgulhosamente e arrogantemente de ser a criadora de um Cristianismo em paz com a modernidade – apesar da carta do Papa Francisco de 29 de junho de 2019. o povo peregrino de Deus na Alemanha. No entanto, isso não foi explicado – e também é difícil de ver para qualquer observador interessado – por que, em face do estado desolado da Igreja no próprio país [Alemanha], eles agora se sentem chamados a ser um modelo para os outros. . Usam a expressão neutra e de bom som de uma “descentralização saudável” ( Instrumentum Laboris126) e de uma des-romanização da Igreja Católica (anteriormente, isso era chamado de aversão anti-romana); mas realmente o que eles valorizam é ​​a mitologia da Amazônia e da teologia ecológica ocidental, sobre a Revelação; bem como a hegemonia de seus ideólogos, sobre a autoridade espiritual dos sucessores dos Apóstolos no ofício episcopal.

Na eclesiologia católica, não se trata de um equilíbrio de poder entre centro e periferia, mas sim da responsabilidade comum do Papa – que é assistido pela Igreja Romana na forma do Colégio dos Cardeais e da Cúria Romana – bem como pelos bispos da Igreja Universal, que consiste em e das igrejas particulares sob a liderança de um bispo ( Lumen Gentium 23).

Minha proposta é a seguinte: se alguém realmente deseja fazer algum bem à Igreja com relação a ambos os elementos, então deve se abster, por exemplo, da demissão de bispos sem um procedimento canônico regular (que inclui o direito a uma auto- defesa) e também abster-se de fechar mosteiros sem sequer dar razões, ou – sob o pretexto de que não é uma subsidiária de Roma – de minar a primazia magistral e judicial do papa. Também recomendaria tratar de maneira cristã com irmãos e funcionários que não cometeram nenhuma falta – exceto que defenderam uma posição legítima, no âmbito de uma legítima pluralidade de opiniões e de estilos, que se desvia, no entanto, do privado. opinião de seus superiores.

- Continua após a publicidade -

 

O processo sinodal no âmbito da Conferência Episcopal Alemã está agora sendo vinculado ao Sínodo para a Amazônia, e isso é feito por razões eclesiais-políticas e como alavanca para a reestruturação da Igreja Universal. Além disso, em ambos os eventos, os protagonistas são quase idênticos e estão até mesmo conectados financeira e organizacionalmente por meio das agências de assistência da Conferência Episcopal Alemã. Não será fácil controlar esta bola de demolição. Depois, nada mais será como antes, e foi dito que ninguém mais reconhecerá a Igreja depois. Assim falou um dos protagonistas revelando assim o verdadeiro objetivo.

Talvez tenha sido um erro de cálculo, assim como o rei Creso de Lídia (590-541 aC). Uma vez ele perguntou ao Oráculo de Delfos sobre suas chances de vitória se ele atacasse o Império Persa e então interpretasse erroneamente a resposta profética: “quando você passar por Halys, destruirá um grande império”. Nossa Halis é a constituição divina da Igreja Católica. doutrina, vida e culto ( Lumen Gentium ).

Infelizmente, na outrora quase completamente católica América do Sul, os católicos, assim como na Alemanha, deixaram a Igreja Católica aos milhões sem levar em consideração as raízes dessa catástrofe, nem levando a uma determinação sincera de promover a renovação em Cristo. A solução aqui não é uma pentecostalização da Igreja, isto é, sua protestantização liberal de maneira latino-americana, mas a redescoberta de sua catolicidade. Os bispos agora podem, como o “Santo Sínodo” do Concílio Vaticano II, voltar suas atenções primeiramente para os fiéis católicos. Baseando-se na Sagrada Escritura e Tradição, ensina que a Igreja, agora peregrinando na terra como um exílio, é necessária para a salvação. Cristo, presente para nós em Seu Corpo, que é a Igreja, é o único Mediador e o único caminho de salvação. … Eles estão totalmente incorporados na sociedade da Igreja que, possuindo o Espírito de Cristo, aceita todo o seu sistema e todos os meios de salvação dados a ela, e estão unidos a ela como parte de sua estrutura corpórea visível e através dela com Cristo, que governa-a através do Sumo Pontífice e dos Bispos. Os laços que ligam os homens à Igreja de maneira visível são profissão de fé, os sacramentos, governo e comunhão eclesiásticos ”(Lumen Gentium 14).

A diversidade colorida de opiniões contraditórias e a arbitrariedade na decisão de consciência não são católicas diante da Santa Vontade de Deus, mas, antes, católica é a unidade das pessoas na fé que nos introduz na união com o Pai e o Filho na Igreja. Espírito Santo. “Para que todos sejam um; assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste ”(João 17:21). E é por isso que nos é dito para levar a sério: estar “ansioso para manter a unidade do Espírito no vínculo da paz. Há um só corpo e um só Espírito, assim como fostes chamados à única esperança que pertence ao vosso chamado, um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos nós, que está acima de tudo e por todos e em todos. ”(Efésios 4: 3-6).

Como suposta saída da crise da Igreja, o Instrumentum Laboris e o processo sinodal na Alemanha dependem de uma nova secularização da Igreja. Quando, em toda a hermenêutica do cristianismo, alguém falha em começar com a auto-revelação histórica de Deus em Cristo; quando se começa a incorporar a Igreja e sua liturgia em uma visão mitológica do mundo inteiro; ou transforma a Igreja em parte de um programa ecológico para o resgate do nosso planeta, então a sacramentalidade – e especialmente o ofício ordenado de bispos e sacerdotes na Sucessão Apostólica – está no ar. Quem realmente gostaria de construir uma vida inteira que requer dedicação total sobre uma fundação tão instável?

3. O sacramento da ordem sagrada como foco central da crise

Por meio da participação de Cristo em Sua Ordenação e Missão ( Lumen Gentium28), os apóstolos e seus sucessores no ofício episcopal – que também representa a unidade da Igreja local com os sacerdotes, diáconos e todos os batizados – exercem sua autoridade na obra de Cristo. nome e autoridade ( Lumen Gentium 20). Este não é um poder político-sociológico, mas a autoridade dada no Espírito Santo para santificar, ensinar e governar o povo de Deus. “Os bispos, portanto, com seus ajudantes, os sacerdotes e diáconos, assumiram o serviço da comunidade, presidindo no lugar de Deus sobre o rebanho, cujos pastores são, como mestres para doutrina, sacerdotes para o culto sagrado e ministros. para governar. ”( Lumen Gentium 20) Não se trata de três escritórios diferentes que foram agrupados por acidente histórico, de modo que se poderia separá-los ou remontá-los de uma maneira diferente.

Também não é apropriado fazer uma comparação com o poder mundano de monarcas absolutos, contra o qual justificadamente – e referindo-se ao Barão de Montesquieu – apresenta o modelo da separação de poderes (governo, legislação, jurisdição). Porque é aqui sobre o único serviço de Cristo, o Mestre, o Pastor e Sacerdote, que está sendo exercitado pelos Apóstolos e seus sucessores no Nome de Cristo e no poder do Espírito Santo. E não é uma forma de poder sobre os outros, mas, sim, um serviço paraeles e sua salvação (Mateus 23:11). É por isso que a prontidão publicamente declarada de alguns bispos de renunciar livremente ao “poder” não é uma expressão de sua modéstia, mas, ao contrário, um sinal de sua falta de compreensão sobre o que é um bispo católico. A forma de “poder” que eles desejam abandonar é algo que eles não deveriam ter em primeiro lugar; e a autoridade espiritual que eles receberam de Cristo em sua ordenação, eles não podem dar, já que não é propriedade deles que eles podem propor dispensar. No máximo, eles poderiam pedir para ser dispensados ​​da jurisdição de sua diocese, porque eles não são mais capazes de viver de acordo com suas responsabilidades.

É surpreendente que tanto o Instrumentum Laboris para o Sínodo Amazônico quanto o caminho sinodal alemão não se iniciem com fundamentos bíblicos e se orientem de acordo com o ensino em desenvolvimento da Igreja na Tradição e as decisões doutrinárias definitivas dos Conselhos e do Papa. Em vez disso, eles extraem suas normas e regras das supostas necessidades sociológicas do mundo globalizado ou das formas tradicionais de organização das tribos amazônicas.

- Continua após a publicidade -

 

Se alguém ordena na Amazônia homens respeitados em parcerias professamente estáveis ​​(seja em um casamento canonicamente válido ou não?) Para o sacerdócio, a fim de prover (!) A comunidade com os Sacramentos – mesmo sem uma formação teológica (IL 129, 2) – por que isso não deveria ser a alavanca para finalmente introduzir os viri probati na Alemanha, onde o celibato não tem mais aceitação na sociedade e onde muitos teólogos casados ​​estariam disponíveis para preencher, como padres, os buracos dentro do celibato? clero?

Não se pode deduzir do chamado “os sete homens de boa reputação que foram cheios do Espírito e da Verdade” (Atos 6: 3) ao serviço das mesas (Atos 6: 1-7) – que mais tarde se ligou com o grau dos diáconos ordenados sacramentalmente – a conclusão clerical-teológica que a Igreja pode agora criar em qualquer tempo novos ofícios sacramentais a partir de necessidades sociológicas (IL 129), ou que alguém possa fazê-lo. O triplo ofício ordenado veio, de um lado, da sucessão necessária dos Apóstolos e do mandato de proclamar o Evangelho, sacramentalmente para mediar a Graça e conduzir, como bons pastores, o rebanho de Cristo. Por outro lado, resultou da formação das igrejas particulares como representantes locais da Igreja Universal. Aqui, então, um dos sacerdotes é o primeiro entre o colégio de presbíteros, junto com os diáconos; e, começando com o 2No século, ele é cada vez mais chamado exclusivamente de bispo (Inácio de Antioquia, Mag. 6,1). No bispo, a unidade da igreja local é representada sacramentalmente e a unidade com as origens apostólicas, na medida em que a totalidade dos bispos, com o papa à frente, segue o Colégio dos Apóstolos com São Pedro à frente ( Primeira Epístola de Clemente, 42:44; Lumen Gentium 20 segs.)

4. Um escritório sacramental para mulheres?

O triplo ofício – como historicamente nasceu do apostolado na Igreja Primitiva como instituído por Cristo – existe em virtude de uma “instituição divina” ( Lumen gentium 20), e está sendo exercido por aqueles que, de acordo com o A terminologia atual é “chamados bispos, presbíteros / sacerdotes, diáconos” ( Lumen Gentium 28). Em tempos melhores, os bispos alemães se opuseram unanimemente ao guerreiro da cultura Bismarck e declararam: “A constituição da Igreja é baseada, em todos os pontos essenciais, na ordem divina e está isenta de qualquer arbitrariedade humana” (DH 3114). Parte disso é também a percepção de que bispo, sacerdote e diácono são apenas graus do único sacramento da ordem sagrada. “Ninguém duvida que a santa ordenação é verdadeira e essencialmente umados sete sacramentos da Santa Igreja – unum ex septem sacramentis . ”(Trento, Decreto sobre o Sacramento das Ordens Sacras: DH 1766; 1773). É por isso que não faz sentido plantar na “ Ordinatio sacerdotalis ” (1994) a interpretação especiosa de que não houve decisão sobre o sacramento indivisível das Sagradas Ordens como um todo, mas sim sobre os graus do episcopal e do escritório sacerdotal que só homens podem receber.

Ao fazer uma análise teológica dos fatos doutrinais e histórico-eclesiásticos, no contexto das declarações vinculantes sobre o sacramento da Ordem, deve-se ver muito claramente que a ordenação sacramental, no grau e com o título oficial de “diácono”. não foi e nunca foi administrado na Igreja Católica às mulheres.

Ela deriva da “constituição divina da Igreja”, como o Papa João Paulo II decidiu com segurança, que a Igreja não tem autoridade para administrar às mulheres a ordenação sacerdotal. Esta não é a conclusão da história, mas sim da constituição divina da Igreja. Isto, claro, se aplica a todos os três graus sacramentais. Tornou-se costume do público em geral e no uso da Igreja usar a palavra aberta “servo” na versão grega “ diakonos ” como o termo técnico para o primeiro dos três graus de ordenação. Portanto, não é útil falar agora de diáconos femininos não-sacramentais, estabelecendo assim a ilusão de que se trata de reviver uma instituição passada – mas apenas temporária e regionalmente limitada – das diaconisas da Igreja Primitiva.

Também contradiz a essência do ofício episcopal e sacerdotal quando se reduz à santificação, para permitir que os leigos – isto é, homens e mulheres em serviço não-sacramental – façam a homilia durante o Missa celebrada por um padre ou bispo. Assim, os sacerdotes se tornariam “altaristas” [“ Altaristen ”: uma palavra humilhante para os sacerdotes que celebram missas sem homilia e cuidado pastoral; este foi um abuso que Lutero detectou e usou para suas polêmicas; GM], algo que na época causou o protesto da Reforma. A Missa é – como Liturgia da Palavra e do Corpo e Corpo de Nosso Senhor – “um só ato de adoração” ( Sacrosanctum concilium56). É por isso que cabe aos bispos e sacerdotes pregar e, no máximo, às vezes deixar que o diácono ordenado faça uma homilia. O serviço na Palavra e no Sacramento tem uma unidade interna. O mais importante ofício dos bispos é o anúncio, do qual decorre também uma lógica interna dos deveres sacramentais ( Lumen gentium 25). Assim como os apóstolos são “servos da Palavra” (Lc 1: 2; Atos 6: 2), também a tarefa dos sacerdotes (bispos, presbíteros) está sendo definida como o serviço na “Palavra e na Doutrina” ( 1 Tim. 5:17).

Na ordenação, não estão sendo transferidas competências particulares individuais sem qualquer ordem interna e interconexão. É o único serviço na Palavra, através do qual a Igreja está sendo reunida como uma comunidade da Fé, na qual os Sacramentos da Fé estão sendo celebrados e através da qual o rebanho de Deus está sendo governado por seus pastores designados, em Nome de Cristo e Autoridade. É por isso que os ofícios sacerdotais em doutrina, culto e governo estão unidos na raiz e são meramente diferentes em seus aspectos teológicos, sob os quais olhamos para eles ( Presbyterorum Ordinis).4-6). Na primeira descrição do rito da Missa em Roma por volta do ano 160 dC, o mártir e filósofo Justino diz que durante a liturgia dominical – depois das leituras dos livros bíblicos – o presidente (bispo, presbítero) faz a homilia, e que depois celebra a Santa Eucaristia com Ofertório, Consagração e Comunhão (ver Justino, II. Apologia   65-67).

Os sacramentos são sinais e instrumentos da Graça Divina, com a ajuda da qual Deus edifica o cristão individual e a Igreja como um todo. É por isso que não se pode ir às autoridades seculares e reivindicar, em nome dos direitos humanos, o direito de ser ordenado (nem como homem nem como mulher), porque os direitos humanos são instilados na natureza do homem. No que diz respeito à ordem da Graça e à ordem da Igreja, a autoridade civil não tem competência. Somente um católico do sexo masculino pode ser ordenado – se ele for chamado e se a Igreja, representada pelo bispo, reconhecer a autenticidade dessa vocação e então ordenar um candidato apropriado de acordo com as condições canônicas como bispo, sacerdote ou diácono.

Somente aqueles que têm dificuldades com esse insight consideram que a Igreja é, na melhor das hipóteses, uma instituição secular e subsequentemente não reconhece o ofício ordenado como uma instituição divina. Tais pessoas, pelo contrário, reduzem o detentor do cargo cristão a um mero funcionário de uma organização religiosa-social. Quão facilmente poderia alguém, nesse caso, exortar os fiéis com as palavras: “Obedeça aos seus líderes e submeta-se a eles; pois eles estão vigiando suas almas, como homens que terão que prestar contas. Deixe-os fazer isso com alegria, e não com tristeza, pois isso não seria vantajoso para você. ”(Hb 13:17)

O Magistério do Papa e dos bispos não tem autoridade sobre a substância dos sacramentos (Trento, Decreto sobre a Comunhão sob ambas as espécies, DH 1728; Sacrosanctum Concilium 21). Portanto, nenhum sínodo – com ou sem o Papa – e também nenhum concílio ecumênico, ou somente o Papa, se ele falasse ex cathedra , poderia tornar possível a ordenação de mulheres como bispo, sacerdote ou diácono. Eles iriam contradizer a doutrina definida da Igreja. Seria inválido. Independente disso, há a igualdade de todos os batizados na vida de graça e na vocação a todos os ofícios eclesiásticos e funções para as quais o sacramento do próprio Santo Ordens não é necessário.

5. Sobre o que é importante em relação ao escritório sacerdotal

No curso de 2.000 anos de história da Igreja, as constelações culturais e as condições político-sociológicas para a vida da Igreja também mudaram de maneira dramática. No entanto, o ofício sacerdotal sempre foi o mesmo em seus elementos essenciais, seja em uma sociedade feudal, ou no sistema de igrejas de propriedade germânica, durante o estabelecimento dos bispos da corte e do príncipe, ou na época do Ofício de Pedro até 1870 com as vantagens e encargos dos Estados Papais. Como hoje esse ofício é servir o Verbo e os Sacramentos para a salvação do mundo e é o cuidado do pastor que, como Jesus, “pastor e bispo das vossas almas” (1 Pedro 2:25), “Supremo Pastor”, dá a vida pelas ovelhas que lhe foram confiadas (1 Pedro 5: 1). A substância dos sacramentos não está sujeita à autoridade da Igreja. E não se pode juntar um novo modelo do sacerdócio, auxiliado por elementos isolados das Escrituras e da Tradição e ao mesmo tempo omitir a distinção entre decisões dogmaticamente vinculantes e desenvolvimentos em aspectos menores. As imagens sacerdotais desenvolvidas pelos estrategistas pastorais também não são importantes, mas somente a Imagem de Cristo, o Sumo Sacerdote da Nova Aliança, que está eternamente impressa nas almas dos consagrados e em cujo nome e força eles santificam, ensinam e governar os fiéis (Presbyterorum Ordinis 2; 12).

Contudo, profundos pensadores alemães envolvidos no processo sinodal têm difamado a alegação central de que os padres agem – em virtude do caráter que receberam em sua ordenação – exatamente como os Apóstolos, “ in persona Christi ” (2 Coríntios 2:10; 2 Coríntios 5:20), o chefe da Igreja ( Presbyterorum ordinis2), chamando-a de causa do clericalismo e até mesmo da causa do abuso sexual da juventude. Este é um insulto inacreditável para muitos pastores diligentes. Esta afirmação significa desmentir a Jesus que primeiro contou os 12 apóstolos e depois os outros 72 discípulos: “Quem ouve a mim, ouve, e quem te rejeita, rejeita-Me; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou” (Lc 10 : 16). Um professor alemão de liturgia inadvertidamente se colocou em uma luz ruim, e abertamente em uma contradição com o Concílio Vaticano II, quando afirmou que a celebração diária da Eucaristia – em que o sacrifício de Jesus na Cruz, por amor à humanidade, torna-se presente para o mundo – é a razão para o abuso pedófilo e homofílico da sexualidade. Porque o Concílio diz: “No mistério do Sacrifício Eucarístico, em que os sacerdotes cumprem sua maior tarefa, a obra de nossa redenção está sendo constantemente levada adiante; e, portanto, a celebração diária da missa é fortemente encorajada ”(Presbyterorum ordinis 13). Se durante o processo sinodal na Alemanha, o tópico essencial da transmissão da Fé não for abordado, o declínio será cada vez mais acelerado.

Talvez estejamos a caminho de nos tornarmos um “pequeno rebanho”. Mas essa palavra de Jesus não se destina a um sentido sociológico e não tem nada a ver com números pequenos ou grandes. Deus “deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade” (1 Timóteo 2: 4), com a ajuda do único mediador Jesus Cristo, dentro da “casa de Deus, que é a Igreja da Deus vivo, o pilar e baluarte da verdade ”(1 Timóteo 3:15).

A Igreja é o povo de Deus entre os povos. E se em uma nação a maioria do povo é católica e, portanto, a comunidade e o Estado são permeados pela cultura cristã, é certamente a vontade de Deus. Nós somos um rebanho “pequeno” na maioria ou em uma diáspora, porque ser cristão na imitação do Senhor Crucificado não é uma questão de adaptação à cultura dominante, ou uma maneira de contradizer essa cultura, mas, sim, uma decisão pessoal.

É certamente tão bonito estar no Reno e sonhar com a Amazônia. Mas as impressões dos rios majestosos não podem acalmar o anseio do coração humano, nem as suas águas podem saciar a sede de vida eterna. Somente a água, que Jesus, o Verbo Encarnado de Deus, nos dá, torna-se em nós a “fonte de água que jorra para a vida eterna” (João 4:14).

Tradução do site LifeSiteNews