fbpx

Cardeal Sarah: “Chegou a hora da Igreja refletir sobre a confusão e relativismo que atinge muitos fiéis”

Formações, análises e notícias católicas

Cardeal Sarah: “Chegou a hora da Igreja refletir sobre a confusão e relativismo que atinge muitos fiéis”

O cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, proferiu uma conferência para apresentar o próximo Congresso de Católicos e Vida Pública. O cardeal africano refletiu sobre o papel da Igreja hoje no mundo e diante dos próprios cristãos.

InfoCatólica ) No auditório da CEU San Pablo University, com a presença, entre outros, dos cardeais Antonio María Rouco Varela e Antonio Cañizares, cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, abordou a importância da educação na missão da Igreja, na ocasião da apresentação do 21º Congresso Católico e de Vida Pública .

Devido ao grande número de pessoas, cerca de 600, uma sala anexa foi habilitada para acompanhar a apresentação.

Após a apresentação do jornalista Francisco Serrano, o cardeal Sarah assinalou o momento em que «a escola e a universidade estão passando por uma crise muito profunda, a de uma sociedade secular, secularizada, sem Deus» . Uma crise que vem do “questionamento constante dos valores fundamentais que sustentam, ensinam, educam e estruturam o homem internamente há milhares de anos” .

O cardeal indicou que devemos ser capazes de medir a gravidade da crise “dada a atmosfera ateísta ou a indiferença a questões religiosas ou morais nas quais as estruturas da educação e da escola estão impregnadas” . Nesse sentido, o prefeito destacou a necessidade de entender que ” o cerne do ato educativo é que a pessoa educada adquira as virtudes que lhe permitem exibir e estruturar sua humanidade e sua personalidade de acordo com a verdade que é intrínseca a elas” .

A importância da família em uma sociedade sem Deus

Para isso, além da escola e da universidade, « a família é a primeira célula que pode fornecer essa carga emocional fantástica, em meio à confusão de idéias, ideologias, desordem de informações e impressões que assaltam muitos lugares em todos os lugares jovens » . No entanto, o prefeito apontou que “ infelizmente não é estruturado, demolido, desmontado ; e muitas vezes, em nossos dias, pede para ser substituído pela escola » .

O cardeal partiu da “crise antropológica e moral sem precedentes que nosso tempo está passando exige que a Igreja assuma maior responsabilidade e comprometimento em propor seu ensino doutrinário e moral de maneira clara, precisa e firme”.

E continuou: «Hoje, algumas pessoas gostariam que a Igreja se concentrasse exclusivamente no exercício da misericórdia, no trabalho de reduzir ou mesmo erradicar a pobreza, no acolhimento de migrantes, no acolhimento e acompanhamento dos ‘ feridos da vida ‘». “Certamente é necessário investir na solução de problemas sociais – ele continuou – mas também é necessário, e talvez até mais do que tudo, trabalhar contra a corrente para impedir que tantos homens e mulheres sejam feridos em seus corpos, almas, inteligência, afetividade etc. A educação não é a melhor prevenção? É sobre o exercício da justiça e misericórdia.

Os desafios antropológicos da atual crise educacional: feminismo, mentalidade contraceptiva, relacionamento homem-mulher

O cardeal Sarah colocou as raízes da situação atual na falta de entendimento antropológico, primeiro no ataque às mulheres e à maternidade, depois à separação do aspecto unitivo e procriativo das relações sexuais, sem o qual a relação homem-mulher perde seu significado. :

A desestruturação da identidade sexual, que é freqüentemente chamada de “teoria de gênero”, contra a qual o Papa Francisco tem palavras duras e uma atitude de intolerância absoluta, pode ser entendida como a conseqüência antropológica de uma mutação prática .

O primeiro elo no processo envolveu mulheres . De fato, a mentalidade contraceptiva que se estendeu fortemente depois de 1950 tornou possível uma profunda desconexão entre a mulher e seu corpo, uma desconexão que mudou radicalmente a maneira de entender a sexualidade humana, o casamento, a filiação e, é claro, a educação. . É necessário lembrar aqui a frase de Simone de Beauvoir (1908-1986), que percorreu o mundo: «você não nasceu mulher, você se tornou mulher». A teoria de gênero se referiu amplamente a ela. Acrescentemos que, para Beauvoir, família, casamento e maternidade são a fonte da “opressão” e dependência feminina. A pílula teria “liberado”às mulheres, dando-lhes “controle sobre seu corpo” e a possibilidade de “livremente se desfazer” dele. Sob o lema feminista “meu corpo me pertence”, uma profunda alienação do sujeito encarnado está realmente oculta. De fato, por trás dessa afirmação de “liberdade” está uma instrumentalização do próprio corpo como um material disponível para os desejos mais indeterminados. A mentalidade contraceptivaEle gerou um dualismo entre a liberdade individual vista como ilimitada e onipotente, por um lado, e o corpo como um instrumento de prazer, por outro. Nessa perspectiva, o corpo sexuado não pode mais ser vivido como sinal e instrumento do dom de si, cujo objetivo é a comunhão dos cônjuges. O vínculo intrínseco entre os dois significados do ato conjugal, a dimensão procriadora e a dimensão unitiva, é quebrado. Esse vínculo se torna opcional e, logicamente, a sexualidade acaba sendo considerada apenas em sua dimensão relacional e agradável. Os efeitos desestabilizadores de tal mentalidade não demoram a chegar.

Em alguns anos, essa desconexão gerou simultaneamente a tecnificação da procriação (reprodução assistida) e a legitimação social da homossexualidade. De fato, se a sexualidade não é mais percebida à luz do dom da vida, como a homossexualidade pode ser considerada uma perversão, um distúrbio objetivo e sério? Mas, juntamente com essas mudanças importantes, há uma redefinição da identidade sexual, considerando-a puramente construída. Se o vínculo intrínseco entre os dois significados do ato conjugal é negado, a diferença entre os sexos perde o primeiro fundamento de sua inteligibilidade. A partir de então, o corpo sexuado recusa em sua naturalidade ser considerado um material simples que a consciência individual pode modelar ao seu gosto. Em nome da luta contra a “discriminação” da qual “minorias sexuais” seriam vítimas, os agentes da subversão antropológica tomam refém as autoridades públicas e o legislador em suas reivindicações. Em nome de “igualdade” e “liberdade”, exigem que todo discurso social, especialmente nas escolas e na mídia, seja “respeitoso” com a indeterminação sexual dos indivíduos e a livre escolha de sua identidade. Então, cada um pode afirmar que é por auto-designação e proclamar: «Faço minha própria escolha. Tenho orgulho disso e me afirmo nessa escolha. Não admito que outra pessoa ou sociedade me diga o que sou. Não recebo meu ser e minha existência de ninguém além de mim mesmo. Eu decido por mim mesma quem eu sou. A sociedade deve assumir minha escolha e adaptar-se às minhas mudanças de orientação. Eu sou o dono do mundo ». Seja “respeitoso” com a indeterminação sexual dos indivíduos e a livre escolha de sua identidade. Então, cada um pode afirmar que é por auto-designação e proclamar: «Faço minha própria escolha. Tenho orgulho disso e me afirmo nessa escolha. Não admito que outra pessoa ou sociedade me diga o que sou. Não recebo meu ser e minha existência de ninguém além de mim mesmo. Eu decido por mim mesma quem eu sou. A sociedade deve assumir minha escolha e adaptar-se às minhas mudanças de orientação. Eu sou o dono do mundo ». Seja “respeitoso” com a indeterminação sexual dos indivíduos e a livre escolha de sua identidade. Então, cada um pode afirmar que é por auto-designação e proclamar: «Faço minha própria escolha. Tenho orgulho disso e me afirmo nessa escolha. Não admito que outra pessoa ou sociedade me diga o que sou. Não recebo meu ser e minha existência de ninguém além de mim mesmo. Eu decido por mim mesma quem eu sou. A sociedade deve assumir minha escolha e adaptar-se às minhas mudanças de orientação. Eu sou o dono do mundo ». A sociedade deve assumir minha escolha e adaptar-se às minhas mudanças de orientação. Eu sou o dono do mundo ». A sociedade deve assumir minha escolha e adaptar-se às minhas mudanças de orientação. Eu sou o dono do mundo ».

Educação em virtudes intelectuais e morais: subjetivação adequada

- Continua após a publicidade -

 

O Cardeal encorajou a não cair nos dois extremos que lascavam a educação: laxismo e paternalismo, e se concentrar no real objetivo da educação após o ensino de João Paulo II

O objetivo é, portanto, o que Karol Wojtyla (São João Paulo II!) Chama em seu grande livro de filosofia Pessoa e ação (1969) “a subjetivação apropriada”. Esta é a apropriação total, pelo sujeito em ação, da verdade objetiva de seu ser quando ele a recebe de Deus; de tal maneira que a pessoa se torne adequada, de acordo com o plano de Deus para ela, tanto como pessoa humana quanto como pessoa única. Portanto, toda a sua vida consiste em responder de maneira prática a essas duas perguntas: “O que sou eu?” E “Quem sou eu?”

E isso afetou a responsabilidade de treinadores e pais:

O educador tem o papel nobre e importante de ser o mediador entre a verdade (universal e objetiva) do ser humano imanente a essa criança e a própria criança como um ser singular. É o papel pelo qual a atração pelo bem, o justo, o verdadeiro, o belo pode ressoar efetivamente na subjetividade da criança, para que ele possa torná-los seus.

Portanto, a educação só é adequada à sua missão se se concentrar nessa criança em particular. O educador não educa uma criança em si! Eduque aquele que foi confiado por Deus para se tornar o sujeito completo de suas ações. Devemos estar atentos ao seu caráter, seus dons, seus próprios talentos. Em suma, o educador deve estar a serviço da vocação dessa criança; como tal, ele é o próprio mediador de Deus; Ele geralmente não é o único, porque a criança está imersa em um contexto educacional complexo e também recebe de outros educadores. Sabemos como às vezes é valioso para os pais confiarem nos outros por algum aspecto do crescimento de seus filhos. Essa delegação a terceiros é sempre exercida sob sua responsabilidade,

Papel da Igreja

Sarah influenciou o papel da Igreja como Mãe e Professora e, citando inúmeras vezes a encíclica Veritatis Splendor, destacou o verdadeiro papel da consciência e a verdade objetiva .

Ele não poupou em apontar o papel daqueles que têm a função de ensinar e sua responsabilidade.

É hora da Igreja, Mater e Magistra, refletir sobre a confusão e a confusão inoculadas hoje no espírito de muitos cristãos fiéis e pessoas de boa vontade pela cacofonia que reina nos ensinamentos dos bispos e sacerdotes. Bem, “se uma trombeta emite um som indefinido – diz São Paulo na primeira carta aos coríntios – quem se preparou para a batalha?” (1 Cor 14, 8).