“Na Nigéria, o assassinato de onze cristãos por islâmicos loucos é um lembrete de quantos dos meus irmãos africanos em Cristo vivem a fé sob o risco de suas próprias vidas”, escreveu Sarah

Os líderes da Igreja africana responderam à execução relatada de 11 cristãos nigerianos por um grupo terrorista afiliado ao Estado Isâmico.

“Acordamos um dia depois do Natal com as horríveis notícias da terrível decapitação de reféns cristãos pelos terroristas do Estado Islâmico”, pe. Benjamin Achi disse à ACI África em 28 de dezembro.

Achi é diretor de comunicações da Diocese de Enugu, na Nigéria, onde os seqüestros contra padres têm aumentado nos últimos meses.

Os comentários do padre se referiam a um vídeo de 26 de dezembro que mostrava militantes decapitando 10 cativos de olhos vendados e disparando um décimo primeiro.

A província do Estado Islâmico da África Ocidental, que interrompeu o Boko Haram em 2016, disse que os assassinatos foram uma vingança pelas mortes do califa do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi e outros líderes do EI, que foram mortos por um ataque americano em outubro.

Os cativos foram capturados nas últimas semanas na área de Maiduguri, no estado de Borno, afirmou o IS.

Achi disse que os assassinatos em dezembro podem pressagiar ainda mais violência islâmica na Nigéria.

“Esse último desenvolvimento causa sérios motivos de preocupação, especialmente após a última iniciativa do governo federal da Nigéria de estender as fronteiras do país para quem desejar que qualquer parte do continente entre sem vistos e documentação adequada. ”, Disse o padre à ACI África.

O padre estava se referindo a novos regulamentos de vistos na Nigéria, que facilitam a entrada de africanos no país. Os regulamentos foram amplamente criticados na Nigéria.

“De fato, estamos preocupados que esta decisão facilite o influxo de mais desses terroristas de outras partes da África para a Nigéria”, disse Achi.

- Continua após a publicidade -

 

“Os cristãos de todas as partes da Nigéria têm apreendido horas extras e se consideram alvos claros dos intermináveis ​​atos de terrorismo sendo testemunhados no país”, disse Achi à ACI Africa

Em 28 de dezembro, o cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação do Vaticano para o Culto e Sacramentos Divinos, twittou sobre os assassinatos de 26 de dezembro.

“Na Nigéria, o assassinato de onze cristãos por islâmicos loucos é um lembrete de quantos dos meus irmãos africanos em Cristo vivem a fé sob o risco de suas próprias vidas”, escreveu Sarah.

“Esses batizados são mártires. Eles não traíram o Evangelho ”, acrescentou o cardeal.

O arcebispo Ignatius Kaigama, da Arquidiocese de Abuja, na Nigéria, vê a ação do dia de Natal pelo EI como parte de um esforço contínuo para promover o antagonismo entre cristãos e muçulmanos no país e na região.

“Eles estão tentando criar uma situação de guerra”, disse Kaigama à Rádio Vaticano.

“Eles querem ver muçulmanos e cristãos brigando”.

Segundo o arcebispo, os membros do EI esperam que, no meio da confusão, eles possam “ter vantagem e poder destruir os cristãos, dominar o país e até os países vizinhos”.