fbpx

Cardeal Sarah: O sínodo da Amazônia ‘romperia definitivamente’ com a tradição ao permitir padres casados, ministérios femininos

Formações, análises e notícias católicas

Cardeal Sarah: O sínodo da Amazônia ‘romperia definitivamente’ com a tradição ao permitir padres casados, ministérios femininos

03 de setembro de 2019 ( LifeSiteNews ) – O cardeal africano Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino, escreveu em seu livro mais recente que se o próximo sínodo da Amazônia permitir a ordenação sacerdotal de homens casados ​​e fabricar “ministérios para mulheres e outras incongruências desse tipo,” A situação seria “extremamente grave” por causa dos pais sinodais rompendo com o ensino e a tradição católicos. 

“Se por falta de fé em Deus e por efeito da miopia pastoral, o Sínodo da Amazônia decidisse sobre a ordenação de viri probati, a fabricação de ministérios para as mulheres e outras incongruências desse tipo, a situação seria extremamente séria”, ele escreveu. 

“Suas decisões seriam ratificadas sob o pretexto de que são a emanação da vontade dos pais sinodais? O Espírito sopra onde quer, é claro, mas não se contradiz e não cria confusão e desordem. É o espírito de sabedoria. Sobre a questão do celibato, ele já falou através dos conselhos e pontífices romanos”, continuou ele.

“Se o Sínodo da Amazônia tomasse decisões nessa direção, romperia definitivamente com a tradição da Igreja Latina”, acrescentou. 

O cardeal Sarah fez os comentários em seu livro Le soir approche et déjà le jour baisse (“É quase noite e o dia está quase no fim“), publicado em março. O livro ainda não foi publicado em inglês. O LifeSiteNews traduziu citações relevantes do livro abaixo. 

À medida que o sínodo da Amazônia se aproxima (6 a 27 de outubro), um número crescente de cardeais e bispos católicos está expressando sua preocupação sobre como o sínodo está sendo usado para promover a ordenação sacerdotal de homens casados ​​na Amazônia, juntamente com o início da ordenação feminina, se não, criando mulheres padres, pelo menos inventando uma forma de diaconado feminino. 

O cardeal Sarah abordou ambas as questões de frente em seu livro, expressando especificamente sua oposição a uma evolução prática do celibato sacerdotal e do papel das mulheres na Igreja no contexto do próximo sínodo da Amazônia.

O Cardeal criticou o documento de trabalho do Sínodo Amazônico por apresentar “tudo menos uma solução” para os problemas na região amazônica, afirmando que dar a essas pessoas menos do que a Igreja normalmente ordena não é resposta para as dificuldades específicas que enfrentam.

No início do livro, o cardeal Sarah havia falado longamente sobre o valor do celibato e completa castidade para aqueles que, estando “configurados para Cristo”, deveriam seguir Seu exemplo ao se entregarem corpo e alma à Igreja, da mesma maneira que Jesus Cristo é verdadeiramente o cônjuge da igreja. Citando a prática antiga da Igreja Católica de exigir a continência completa de homens casados ​​que se tornaram padres, mesmo que continuassem a viver sob o mesmo teto que sua esposa, o Cardeal estabeleceu um vínculo claro nessas passagens anteriores entre a celebração da Eucaristia e a prática constante da Igreja, que desde então tem sido sustentada por sua parte latina, sugerindo até que a Igreja Católica de rito oriental faria bem em “evoluir” para retornar a essa situação.

Em seus comentários sobre a situação na Amazônia, o cardeal Sarah comentou: “Ouvi dizer que ao longo de seus 500 anos de existência, a igreja latino-americana sempre considerou os indígenas incapazes de viver no celibato. O resultado desse preconceito é visível. Existem muito poucos bispos e padres indígenas, mesmo que as coisas estejam começando a mudar. ”

Se isso é verdade, e se é verdade, se esse julgamento por parte da Igreja foi válido, não está sendo discutido aqui. O certo é que, olhando mais de perto a “teologia indiana” que o documento preparatório do Sínodo da Amazônia já estava promovendo em 2018, o conceito de celebrantes celibatários da liturgia é rejeitado com base nas tradições indígenas.

As observações do cardeal Sarah sobre o próximo Sínodo foram publicadas em março, vários meses antes da publicação do ” Instrumentum Laboris” em junho passado.

- Continua após a publicidade -

 

Abaixo está a tradução de trabalho da LifeSite das principais passagens relativas ao Sínodo Amazônico em Le soir approche et déjà le jour baisse

***
Após ler as citações do livro do cardeal Sarah, conheça a opinião de outros cardeais sobre o Sínodo da Amazônia, clicando aqui:

Saiba mais sobre o sínodo da Amazônia

***

Observo com consternação que algumas pessoas gostariam de criar um novo sacerdócio reduzido à escala humana. Se a Amazônia não tiver sacerdotes, tenho certeza de que não resolveremos a situação ordenando homens casados, viri probati, que foram chamados por Deus não para o sacerdócio, mas para a vida de casados, para que possam manifestar a prefiguração da União de Cristo. e a Igreja (Ef 5:32). Num impulso missionário, se cada diocese da América Latina oferecesse generosamente um sacerdote para a Amazônia, esta região não seria tratada com tanto desprezo e humilhação através da criação de padres casados, como se Deus não pudesse ressuscitar nesta parte do mundo jovens generosos que estão dispostos a dar totalmente seus corpos e corações, toda a sua capacidade de amar e todo o seu ser no celibato consagrado.

Ouvi dizer que, ao longo de seus 500 anos de existência, a igreja latino-americana sempre considerou os povos indígenas como incapazes de viver no celibato. O resultado desse preconceito é visível: existem muito poucos bispos e padres indígenas, mesmo que as coisas estejam começando a mudar.

Se, por falta de fé em Deus e por efeito da miopia pastoral, o Sínodo da Amazônia decidisse sobre a ordenação de viri probati, a fabricação de ministérios para as mulheres e outras incongruências desse tipo, a situação seria extremamente grave. Suas decisões seriam ratificadas sob o pretexto de que são a emanação da vontade dos pais sinodais? O Espírito sopra onde quer, é claro, mas não se contradiz e não cria confusão e desordem. É o espírito de sabedoria. Sobre a questão do celibato, ele já falou através dos conselhos e pontífices romanos.

Se o Sínodo da Amazônia tomasse decisões nessa direção, romperia definitivamente com a tradição da Igreja Latina. Quem pode dizer honestamente que esse experimento, com o risco de adulterar a natureza do sacerdócio de Cristo, permaneceria limitado à Amazônia? Certamente, a idéia é enfrentar emergências e necessidades. Mas necessidade não é Deus! A atual crise é comparável em sua gravidade à grande hemorragia dos anos 1970, durante a qual milhares de padres deixaram o sacerdócio. Muitos desses homens não acreditavam mais. Mas ainda acreditamos na graça do sacerdócio?

Quero fazer um apelo aos meus irmãos bispos: cremos na onipotência da graça de Deus? Acreditamos que Deus chama trabalhadores para a sua vinha ou queremos substituí-lo porque estamos convencidos de que ele nos abandonou? Pior ainda, estamos prontos para abandonar o tesouro do celibato sacerdotal sob o pretexto de que não acreditaríamos mais que ele nos dá a oportunidade de vivê-lo hoje?

(…)

Também quero enfatizar que a ordenação de homens casados ​​é tudo menos uma solução para a falta de vocações. Os protestantes, que aceitam pastores casados, também sofrem com a falta de homens que se entregam a Deus. Além disso, estou convencido de que, em algumas igrejas orientais, a presença de homens casados ​​ordenados é suportada pelos fiéis, é porque é complementada pela presença maciça de monges. O povo de Deus sabe intuitivamente que precisa de homens que se doem radicalmente.

Seria uma marca de desprezo dos habitantes da Amazônia oferecer a eles sacerdotes de segunda classe. Sei que alguns teólogos, como o padre Lobinger, estão pensando seriamente em criar duas classes de sacerdotes: um seria constituído por homens casados ​​que apenas dariam os sacramentos, enquanto o outro seria constituído por sacerdotes de pleno direito, exercendo os três ofícios sacerdotais : santificar, pregar e governar. Essa proposta é teologicamente absurda. Implica uma concepção funcionalista do sacerdócio, na medida em que considera separar o exercício dos três ofícios sacerdotais, otria munera, adotando assim a abordagem oposta aos principais ensinamentos do Concílio Vaticano II que estipulam sua unidade radical. Não entendo como alguém pode se envolver em tais regressões teológicas. Creio que, sob o disfarce de preocupação pastoral por países pobres de missão e sem padres, alguns teólogos estão tentando experimentar suas teorias loucas e perigosas. Basicamente, eles desprezam esses povos. Um povo recentemente evangelizado precisa ver a verdade de todo o sacerdócio, não uma imitação pálida do que significa ser um sacerdote de Jesus Cristo. Não desprezemos os pobres!

O povo da Amazônia tem uma profunda necessidade de padres que não realizam seu trabalho apenas em horários fixos antes de voltarem para suas famílias para cuidar de seus filhos. Eles precisam de homens que sejam apaixonados por Cristo, ardendo com seu fogo, devorados pelo zelo das almas. O que eu seria hoje se os missionários não tivessem vindo viver e morrer na minha aldeia na Guiné? Eu gostaria de ser padre se eles se contentassem em ordenar um dos homens da aldeia?

Conheça a opinião de outros cardeais sobre o Sínodo da Amazônia, clicando aqui:

Saiba mais sobre o sínodo da Amazônia



Atenção!

Frente à gravidade das propostas, e todo contexto entorno do Sínodo da Amazônia, preparamos uma série de vídeos que visam trazer à luz detalhes desconhecidos do Sínodo, e que podem ter efeito negativo na vida de todos os católicos.

Clique Aqui para assistir