Cardeal Sarah sofre campanha de difamação após anúncio de livro com Bento XVI

Após espalharem a informação, baseadas em fontes anônimas, que o Cardeal Sarah inventou que o papa Emérito Bento XVI é o co-autor do livro em defesa do celibato, o cardeal veio a público através de suas redes sociais apresentar provas, incluindo cartas enviadas pelo pontífice alemão sobre o assunto.

(InfoCatólica) Embora Andrea Tornielli , diretora editorial do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé, tenha assumido ontem que o livro  “Do fundo do coração” foi co-autor dos cardeais Robert Sarah e Bento XVI , Ele lançou uma campanha na mídia para garantir que o Papa Emérito não escrevesse ou aprovasse a publicação do trabalho.

A campanha foi realizada no campo da língua espanhola, entre outros, pelos responsáveis ​​pela informação religiosa do jornal espanhol Abc , Juan Vicente Boo:

Do jornal argentino La Nación , Elisabetta Piqué:

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

E Eva Fernández, correspondente no Vaticano da cadeia Cope , metade pertencente à Conferência Episcopal Espanhola:

Una fuente muy cercana a #BenedictoXVI asegura que él no ha escrito el libro “a 4 manos” junto al cardenal Sarah y que no ha dado su autorización a que se publicara.
Tan sólo le facilitó un escrito sobre el sacerdocio en el que estaba trabajando.
Lo contamos en @linternacope pic.twitter.com/lq1mPLow6g— Eva Fernández (@evaenlaradio) 13 de janeiro de 2020

O correspondente da American Magazine no Vaticano, que foi a primeira mídia a sugerir uma farsa do cardeal Sarah, disse ontem que iria relatar brevemente a questão . 

Assim, Gerard O’Connell publica na America Magazine ( Revista Jesuíta) o primeiro fragmento da história que mais tarde foi reproduzido em diferentes mídias.

As notícias da publicação iminente do livro surpreenderam o Vaticano, e ainda não se sabe se os autores haviam informado o Papa Francisco antes de seu projeto. Uma fonte do Vaticano (que pediu anonimato) disse aos Estados Unidos que ficou muito surpresa porque sabia que Bento XVI não é mais capaz de escrever fisicamente.

Outra fonte (que também pediu para não ser identificada) disse que havia visitado o papa emérito nos últimos meses e observou que, embora a mente de Bento XVI esteja clara, ainda assim é difícil para ele iniciar uma conversa que dura mais de 15 minutos. Essas fontes se perguntaram como esse livro foi escrito.

As notícias da publicação iminente do livro surpreenderam o Vaticano, e ainda não se sabe se os autores haviam informado o Papa Francisco antes de seu projeto. Uma fonte do Vaticano (que pediu anonimato) disse aos Estados Unidos que ficou muito surpreso porque sabia que Bento XVI não pode mais escrever fisicamente.

Outra fonte (que também pediu para não ser identificada) disse que visitou o papa Emérito nos últimos meses e observou que, embora a mente de Bento XVI seja clara, é difícil para ele iniciar uma conversa que dura mais de 15 minutos. Essas fontes se perguntaram como este livro foi escrito.

Horas depois, Juan Vicente Boo, no ABC, avança a primeira crônica passando a mesma informação que sua

O livro de 175 páginas, intitulado “Das profundezas de nossos corações”, não só pegou o Vaticano de surpresa, como também é muito desconcertante porque, por mais de seis meses, Bento XVI não foi capaz de escrever e apenas falar como eles fizeram. pessoas verificadas que o visitam.

Embora seja possível que ele mantenha a extraordinária lucidez mental que o caracterizou ao longo da vida, conversas imprecisas não costumam exceder dez minutos.

As razões pelas quais Boo reduziu o tempo de atenção de 15 minutos de Bento XVI indicado por O’Connell para apenas 10 são desconhecidas.

Seguindo o mesmo padrão, o jornalista de informação religiosa do jornal ABC e colaborador do jornal da diocese de Madri, Alfa e Omega prepara a segunda peça informativa citando “fontes [anônimas] muito próximas de Joseph Ratzinger”, assim como outras Meios de informação

Diante de tudo isso, o cardeal Sarah divulgou ontem no Twitter parte da correspondência que Bento XVI lhe enviou em outubro e novembro passado e garante que amanhã (por hoje) ele falará, se necessário, para se defender da difamação que está sofrendo:

Os ataques parecem implicar uma mentira da minha parte. Essas difamações são de gravidade excepcional. Hoje à noite, dou a primeira evidência de minha estreita colaboração com Bento XVI para escrever este texto em favor do celibato. Falarei amanhã, se necessário. RS