Cardeal Zen: “O governo comunista da China quer a rendição do Vaticano”

O bispo emérito de Hong Kong (China), Cardeal Zen, previu o fim da Igreja clandestina (subterrânea) no país asiático, como são conhecidos os católicos que permanecem fiéis à Santa Sé.

(ACI Press) O bispo emérito de Hong Kong (China), cardeal Joseph Zen Ze-kiun, disse em recente visita aos Estados Unidos que o governo comunista chinês quer a rendição do Vaticano e previu o fim da Igreja subterrânea ou subterrânea no país asiático, como são conhecidos os católicos que permanecem fiéis à Santa Sé.

“A situação é muito ruim e a fonte disso não é o papa que não sabe muito sobre a China. O Santo Padre Francisco me aprecia especialmente”, disse o cardeal Zen à CNA, agência inglesa do grupo ACI.

Agora, o cardeal continuou: “Eu estou lutando contra Parolin porque coisas ruins vêm dele”. O cardeal chinês se referiu ao cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano.

“Você não pode se comprometer” com o Partido Comunista Chinês porque eles são “perseguidores” da fé, continuou o cardeal Zen. “Eles querem rendição total. Isso é comunismo ”, acrescentou.

A entrevista da CNA ao cardeal Zen foi realizada em 11 de fevereiro, durante sua visita ao Capitólio em Washington DC (Estados Unidos), onde se encontrou com alguns congressistas no escritório do representante republicano de Nova Jersey, Chris Smith. A pedido do cardeal chinês, nenhuma foto foi tirada do evento ou do diálogo da agência do Grupo ACI com ele.

Smith disse à CNA que o cardeal Zen é “um São Paulo do nosso tempo, já que ele não é apenas uma testemunha santa e eficaz do Evangelho de Jesus Cristo, mas um homem de grande verdade sobre o que realmente está acontecendo na China”.

Durante a reunião, o Cardeal e os membros do Congresso discutiram o programa de ” sinização ” da China e os grandes esforços do governo para subjugar e controlar as religiões no país.

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

Entre outras coisas, o cardeal explicou aos legisladores que a celebração do Natal foi proibida na China, as bíblias foram reescritas por ordem das autoridades regionais e há uma queda nas vocações.

Em 2018, o Vaticano e a China assinaram um acordo para a eleição dos bispos. Esperava-se que isso unificasse a Igreja no país, para que a Associação Católica Patriótica Chinesa, que está sob controle do governo, alcançasse a comunhão com a Santa Sé e se juntasse à Igreja subterrânea ou subterrânea que sempre permaneceu. fiel a Roma.

De acordo com um relatório de janeiro da Comissão do Congresso dos Estados Unidos sobre a China, as violações dos direitos humanos no país asiático se intensificaram em 2019 e a perseguição contra os católicos aumentou.

“A Igreja está sendo cada vez mais perseguida”, disse o cardeal Zen, “tanto a Igreja oficial quanto a clandestina “.

A Igreja clandestina, lamentou, ” está fadada ao desaparecimento “, já que os bispos mais velhos estão morrendo e nenhum sucessor é nomeado, o que significa que novos padres não estão sendo ordenados

Quando os fiéis se aproximam dele para perguntar como ele pode agora ajudar a Igreja, o cardeal disse à CNA que ele lhes diz que “nada posso fazer. Não tenho voz no Vaticano. Simplesmente nada.

“E a situação da Igreja Católica é, humanamente falando, desesperada “, disse o cardeal Zen.

A situação dos católicos da China

Em abril de 2019, o padre Bernardo Cervellera, especialista na Igreja Católica na China e editor da agência de notícias Asia News, informou que “em muitas dioceses a Associação Patriótica e o Escritório de Assuntos Religiosos continuam exigindo que todos os padres registrar-se na Associação e apoiar a Igreja Independente Independente ˝ ».

Na China, existe a Associação Patriótica Católica Chinesa, controlada pelo governo; e a Igreja clandestina, clandestina, clandestina ou não oficial, que permaneceu fiel à Santa Sé.

Na prática, diz o padre Cervellera, mais do que uma “reconciliação” entre a Associação Patriótica e a Igreja clandestina, com o acordo provisório entre a China e o Vaticano para a nomeação de bispos “, há uma grande pressão sobre a comunidade clandestina com um forte interferência na vida da Igreja ».

O acordo provisório entre o Vaticano e a China

Em 22 de setembro de 2018, o Vaticano anunciou a assinatura do acordo provisório com a China para a nomeação de bispos.

Alguns manifestaram sua oposição ao acordo, como o bispo emérito de Hong Kong, cardeal Joseph Zen Ze kiun, que em um artigo publicado no New York Times escreveu: “Aos bispos e padres clandestinos (fiéis) da China, só posso lhe dizer isto: por favor, não inicie uma revolução. Eles (as autoridades) tomam suas igrejas? Você não pode mais comemorar? Vá para casa e ore com sua família (…) Espere melhores tempos. Volte para as catacumbas. O comunismo não é eterno ».

No voo de volta de sua viagem à Letônia, Lituânia e Estônia, no final de setembro de 2018, o Papa Francisco disse aos repórteres: “Eu sou responsável” pelo acordo.

Sobre os bispos que não estavam em comunhão com a Igreja antes do acordo, Francisco disse que “eles foram estudados caso a caso. Para cada bispo, os arquivos de cada um chegaram ao final da minha mesa e eu fui responsável por assinar cada caso ».

Quanto ao acordo, Francisco disse que “a coisa é feita em diálogo, mas nome Roma, nome Papa. Isto está claro. E oramos pelos sofrimentos de alguns que não entendem ou que têm muitos anos se escondendo atrás deles.

Em 26 de setembro de 2018, o pontífice dirigiu uma mensagem aos católicos da China e à Igreja universal, na qual ele solicitou ” gestos concretos e visíveis ” dos bispos a quem elevou a excomunhão.

Texto adaptado por Walter Sánchez Silva. Publicado originalmente em CNA | Traduzido de Infocatolica