Católicos pedem aos bispos que aumentem o acesso aos sacramentos durante a pandemia

Padre Gian Paulo Ruzzi atendendo confissões durante a pandemia.

Algo está terrivelmente errado com uma cultura que permite que petshops, lojas de bebidas e até mesmo clinicas de aborto permaneçam abertas, mas fecham as igrejas.

Quando ainda não haviam casos confirmados de Covid-19 no Brasil, no dia 04 de fevereiro, o governo Jair Bolsonaro declarou estado de emergência em saúde pública para prevenir a chegada do novo coronavírus, entretanto, no final de fevereiro, ainda acontecia o que foi considerado um dos maiores carnavais de todos os tempos.

Poucos dias depois, iniciou-se um processo histeria compulsiva por parte de alguns governantes, que há poucos dias estavam nas ruas comemorando o sucesso do carnaval, que reuniu milhões de pessoas aglomeradas nas ruas, mas não houveram reclamações quanto a isso, ninguém pensou na hipótese de cancelar o carnaval. Logo depois medidas extremamente restritivas foram determinadas, e pediram para que a população não saíssem de suas casas, nem mesmo para trabalhar.

Juntamente com esta onda e restrições iniciais, a CNBB e os bispos, cada um em sua respectiva diocese, começaram também a suspender eventos, inclusive a celebração de missas públicas. As igrejas foram fechadas, e os sacramentos foram suspensos.

Hoje completamos mais de duas semanas em que a maioria dos católicos não têm acesso aos sacramentos e, em plena quaresma, não podem participar da celebração do Santo Sacrifício da Missa. A Semana Santa se aproxima e a orientação é que as celebrações serão privadas, e transmitidas pela internet. Na esmagadora maioria das paróquias não há padres disponíveis para atender confissões, não há batizados de crianças, não há unção para os enfermos que correm risco de morrer.

Neste contexto, muitos católicos foram às redes sociais pedir para que seus padres e bispos tenham compaixão do seu povo, e pedir para que deixem as igrejas abertas, mesmo que com orientações de como proceder para não haver aglomerações. Pedem também que os padres possam voltar administrar os sacramentos.

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

Eles citam relatos de alguns sacerdotes que se disponibilizam a distribuir a Eucaristia fora da Santa Missa, seguindo medidas de segurança e higiene. Alguns poucos padres também estão usando de criatividade para atender a confissão, como por exemplo a confissão “Drive Thru” onde o fiel se confessa sem a necessidade de descer do carro. Outros padres ainda que não abandonam seus fiéis no momento em que mais precisam e, utilizando todos os meios de prevenção, vão ao encontro para administrar a unção dos enfermos.

Padre levando a comunhão aos fiéis em suas casas.

Outro exemplo é o sacramento do Batismo, que estão sendo cancelados em massa, mas com um pouco de jogo de cintura poderiam ser realizados normalmente, sendo cada cerimônia realizada individualmente, somente com a presença da criança, pais e padrinhos, para evitar aglomerações e seguindo diretrizes para não haver contaminação.

Padre atende confissão “Drive Thru” em Santa Catarina

Nas redes sociais o Prof. Felipe Nery fez uma crítica ao governo do Distrito Federal que publicou um decreto proibindo missas e cultos religiosos, mas ao mesmo tempo considera petshops com serviços de banho e tosa como um serviço de funcionamento essencial, além de fazer uma crítica ao grave fato de que o hospital Pérola Byington anunciou que estão realizando o aborto legal normalmente. Veja o comentário:

“Bem-vindos ao Governo do Distrito Federal, para o qual as igrejas devem ser fechadas mas os cachorrinhos devem ter seus banhos e tosas absolutamente garantidos.
Então agora estamos assim: você pode assassinar bebês no Pérola Byington em São Paulo e levar o totó para a tosa em Brasília, mas se ousar participar de uma missa está perdido. Acho que está evidente que o Corona não é apenas um vírus que causa pneumonia.”

Artigos relacionados
Se os fiéis não podem ir à Comunhão, a Comunhão vai até eles: pároco leva comunhão aos fiéis
Idosa de 76 anos recebe o batismo, em sua casa, durante pandemia
Durante quarentena padres utilizam de criatividade para não deixar fiéis sem os sacramentos

Católicos dos EUA publicam carta aberta e promovem abaixo assinado pelo acesso aos sacramentos

Um grande número de católicos proeminentes e respeitados instou os bispos a “fazer tudo o que puder para tornar os sacramentos mais disponíveis para nós” durante a pandemia do COVID-19. A carta aberta, intitulada “ Somos um povo da Páscoa ”, foi lançada em 1º de abril.

“Algo está terrivelmente errado com uma cultura que permite que clínicas de aborto e lojas de bebidas permaneçam abertas, mas fecha locais de culto”, apontou a carta aberta.

Liderada por Janet Smith, ex-professora de teologia moral no Seminário Maior do Sagrado Coração em Detroit, Michigan, “Somos um povo da Páscoa” foi aprovada por outros católicos notáveis. Os nomes incluem a ativista pró-vida Abby Johnson; Matt Walsh, do The Daily Wire; Phil Lawler, editor do Catholic World News; e o colunista do LifeSiteNews, Peter Kwasniewski. (Veja a parte inferior do artigo para obter a lista completa dos endossantes do projeto.) Eles estão acolhendo o público para assinar a carta, o que você pode fazer no site aqui .

A LifeSiteNews também está colaborando com a iniciativa, lançando um “apelo urgente aos bispos” na plataforma LifePetitions.

Assinar a petição de LifeSite aos bispos aqui .

A carta aberta declara: “Embora a segurança e a cooperação com as autoridades civis sejam necessárias, devemos fazer tudo o que pudermos para ter acesso ao essencial para nossas vidas espirituais. Certamente não devemos nos privar voluntariamente dos sacramentos.

Todas as dioceses dos Estados Unidos cancelaram missas públicas, muitas vezes também restringindo o acesso a outros sacramentos, incluindo confissões. Em alguns casos, essas limitações nem sequer foram impostas pelo governo, mas apenas pelos bispos.

O estado de Ohio, por exemplo, considera as igrejas como negócios essenciais que podem permanecer abertos. “Instalações religiosas, entidades e grupos e reuniões religiosas, incluindo casamentos e funerais”, são listados pelo estado como “negócios e operações essenciais” que podem permanecer abertos, informou a LifeSiteNews .

Os signatários da carta aberta querem que os bispos dêem vários passos para tornar os sacramentos mais acessíveis. Entre outras coisas, pediram aos bispos que exigissem “que as autoridades civis reconheçam os serviços religiosos como serviços essenciais” e “permitam eventos como oferecer e participar de uma missa em um estacionamento, se atualmente forem proibidos”.

“Somos um povo da Páscoa” também incentivou os bispos “a tornar possível uma forma de missa pública, especialmente a liturgia pascal”. Deveria ser oferecido não apenas pelos padres regulares de suas dioceses, mas também pelos próprios bispos, continuou a carta aberta.

Seja dentro ou fora da missa, pede-se aos bispos que “encontrem uma maneira segura de distribuir a Eucaristia, com as devidas precauções”.

LifeSiteNews relatou alguns esforços nesse sentido. Pe. John Lamansky, padre da diocese de Davenport atualmente estudando em Roma, sugeriu que as pessoas fossem adoradas no estacionamento da igreja, orando “sem sair de seus veículos”.

“Ofereça a comunhão pela janela do carro”, disse ele, acrescentando que os padres devem “higienizar completamente suas mãos após cada vez”.

Steven Mosher, chefe do Instituto de Pesquisa da População, escreveu sobre a paróquia em Ave Maria, Flórida, onde os membros da paróquia participam de uma missa transmitida ao vivo “de um local seguro, em suas casas ou talvez em seus carros. O padre então processará fora e distribuirá a Comunhão ao ar livre em um estacionamento próximo da escola. ”

No site “Somos um povo da Páscoa”, mais opções estão listadas .

“Os padres poderiam usar alguma forma de tenaz bonita e adequada ou outro instrumento para dar comunhão na língua ou nas mãos. (Os padres bizantinos usam uma colher.) As mãos do padre e do comunicador podiam ser mantidas a alguma distância, embora as pinças tivessem, digamos, apenas 15 a 30 cm de comprimento ”, explicou uma das opções.

“As pinças podem ser esterilizadas entre cada uso. Se estiver recebendo na língua, uma patena pode ser usada, mesmo segurada pelo comunicante para garantir que o hospedeiro não seja descartado. ”

“Somos um povo da Páscoa” instou os bispos a fazer “tudo o que puder para permitir que igrejas e santuários paroquiais permaneçam abertos à oração e adoração, com as devidas precauções”.

Muitos padres mantêm suas igrejas abertas. Em meados de março, o cardeal Angelo de Donatis, vigário geral da diocese de Roma, anunciou que as igrejas paroquiais em Roma seriam novamente abertas ao público. Poucas horas antes, ele havia emitido um decreto declarando o contrário, ordenando que todas as igrejas fossem trancadas até 3 de abril devido à pandemia de coronavírus.

Dado o número de mortes associadas ao COVID-19, o sacramento da unção dos doentes, muitas vezes chamado de extrema unção, precisa ser fornecido “àqueles em risco de morrer”, apontou a carta aberta.

“Se um governo estadual ou local proibir os padres de ministrarem aos doentes no hospital ou em suas casas, faça um pedido pessoal e formal aos líderes cívicos para permitir que o ministro garanta que tais precauções serão tomadas. Incentive-os a reconhecer os serviços religiosos como serviços essenciais. ”

A carta aberta pedia permissão para os padres entrarem em instalações médicas e ministrarem aos doentes e moribundos “uma questão de liberdade religiosa”.

“Os padres devem ser informados das precauções que precisam tomar para se proteger e minimizar o risco de transmitir o vírus a outras pessoas”, continuou a carta. “Em ambientes médicos, eles devem seguir os protocolos exigidos por outros funcionários da instalação. A diocese deve fazer todos os esforços para garantir o [equipamento de proteção individual] necessário para os padres que atendem doentes e moribundos. ”

Se um padre não puder entrar nas instalações médicas, ele poderá, se possível, encontrar a pessoa doente “na entrada do hospital para ungi-la”.

Por fim, “Somos um povo da Páscoa” lembrou aos bispos que informavam seus rebanhos “de seus esforços e da maior disponibilidade dos sacramentos”.

“Devemos usar os meios que Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo e Sua Santa Igreja Católica nos proporcionaram para combater os males deste mundo”, concluiu a carta aberta. “Os Bispos, nossos Pais Espirituais, devem assumir papéis públicos e ativos ao levar ao nosso mundo ferido, as graças sacramentais necessárias para sobreviver” à atual pandemia.

Para mostrar seu apoio ao conteúdo da carta aberta, as pessoas podem assinar on-line. Havia cerca de 1.500 assinaturas a partir das 9:00 ET em 2 de abril.

A petição LifeSiteNews foi assinada por cerca de 6.000 pessoas a partir das 9:00 da manhã ET de 2 de abril.