fbpx

Comunidade Colo de Deus responde sobre a perda do reconhecimento diocesano em Curitiba

Formações, análises e notícias católicas

Comunidade Colo de Deus responde sobre a perda do reconhecimento diocesano em Curitiba

Após circulação da carta onde o Arcebispo de Curitiba comunica que foi revogado o decreto que aprovava Comunidade Colo de Deus na Arquidiocese de Curitiba, os membros da comunidade lançaram um Comunicado Oficial através das Redes Sociais.

COMUNICADO OFICIAL

Vinde Espírito Santo!

Jandaia do Sul, Paraná, 26 de julho de 2019
Memória de Santa Ana e São Joaquim

“O amor é paciente, o amor é bondoso. Não tem inveja. O amor não é orgulhoso. Não é arrogante. Nem escandaloso. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acabará” I Coríntios 13, 4 – 8a.

Nós, membros da Comunidade Católica Colo de Deus, temos recebido algumas mensagens e contatos de amigos e conhecidos que nos fizeram chegar o texto de uma suposta carta que teria sido enviada pelo Arcebispo Metropolitano de Curitiba, Dom José Antônio Peruzzo, ao Arcebispo de Niterói, Dom José Francisco Rezende Dias, na qual o Arcebispo desqualificaria a pessoa de nosso fundador, Hugo Santos, e, em virtude da presença dele, revogaria o decreto que aprova a Comunidade na Arquidiocese de Curitiba. Sobre isto, gostaríamos de esclarecer o seguinte:

1. Até a presente data, nossa Comunidade não recebeu nenhum comunicado por parte do Arcebispo Metropolitano de Curitiba com semelhante revogação do Decreto de Ereção Canônica. Não fomos notificados sobre a existência de um “Decreto Singular”, condição indispensável para uma revogação.

2. Sobre a dita carta, causa-nos estranheza que uma correspondência entre dois Arcebispos “vazasse” desta maneira. Temos recebido o texto – que constaria na dita carta – através das Redes Sociais; as mensagens nos chegam por pessoas de todas as regiões do País. Preferimos acreditar que houve algum “ruído de comunicação”, envolvendo os nomes dos Arcebispos, a constatar um vazamento proposital causado por um destes dois Pastores de Almas, dando por revogada a nossa comunidade sem sequer existir um “decreto singular” e uma notificação a nós. Tão pouco vimos, materialmente, esta carta, ou cópia fiel da mesma, de modo que a desconsideramos.

No ano de 2017, a providência de Deus nos visitou por meio da doação de um terreno na cidade de Jandaia do Sul, Arquidiocese de Maringá. Em virtude disto, nossa casa mãe e os principais apostolados da Comunidade passaram a ser realizados desde a Arquidiocese de Maringá (e agradecemos a Dom Anuar Battisti por sua amistosa acolhida). Nossa Comunidade é, diante da tradição bimilenar da Igreja, tão somente um bebê, em seus quinze anos de existência. Erros diversos já foram cometidos e repetidos por nós, em nosso processo de aprendizado; por causa desses nossos erros, queremos, por meio destas linhas, pedir, sinceramente, o perdão. Desejamos que o processo de reconhecimento eclesial, iniciado com Dom Moacyr José Vitti (descanse em paz), possa, agora, ter a devida continuidade sob os cuidados de Dom Anuar, a quem nos subtemos e rogamos, por favor, que nos discipline e oriente. Que as possíveis inquietudes pastorais de Dom José Antônio Peruzzo possam ser levadas em conta neste processo, para o crescimento de nossa Comunidade. Abrimos, ao Ordinário do Lugar onde nos encontramos, as portas de nossas casas de missão, as portas das casas de nossas famílias e rogamos, como filhos, a solicitude paternal desta Igreja Local.

Ainda somos aquela mesma comunidade “audaciosa e arrojada” – como nos definira o próprio Dom José Antônio Peruzzo em 2017 – capaz, pela misericórdia de Deus, de chegar a pessoas e lugares onde, ordinariamente, o trabalho pastoral comum da Igreja não costuma chegar; acreditamos – e nisto temos gastado nossa vida… nossa juventude! – que tudo aquilo que somos e fazemos não é fruto da mente inventiva de um homem: Hugo Santos, nosso fundador. Cremos que o Espírito Santo deu-nos uma obra que pudesse vir ao socorro de uma juventude que tem sucumbido às drogas, ao suicídio e ao mais profundo vazio existencial.

Na certeza de que o amor é paciente, é bondoso, tudo desculpa, tudo suporta e jamais acabará, agradecemos a amizade de inúmeros sacerdotes que tomaram a decisão de nos amar e que enxergam, até em nossos erros, tentativas frustradas de fazer o bem.

A todos os membros da Comunidade Católica Colo de Deus, bem como aos membros de nossas células espalhadas pelo Brasil e a todos os nossos amigos e amigas que, de algum modo, encontram na Comunidade um esteio espiritual e formativo, pedimos muita serenidade, paz e confiança: Somos Filhos da Igreja e temos a certeza de que Ela, como Mãe e Mestra, conduzirá este momento e o levará a bom termo.

Rogamos à Imaculada, a quem pertencemos, que nos ajude neste tempo. Aproveitamos esta oportunidade para renovarmos nosso amor incondicional à Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica.

- Continua após a publicidade -

 

Fraternalmente em Cristo,

Membros da Comunidade Católica Colo de Deus

Leia também a carta do Arcebispo: Comunidade Colo de Deus perde reconhecimento da Arquidiocese de Curitiba

Atenção!

Frente à gravidade das propostas, e todo contexto entorno do Sínodo da Amazônia, preparamos uma série de vídeos que visam trazer à luz detalhes desconhecidos do Sínodo, e que podem ter efeito negativo na vida de todos os católicos.

Clique Aqui para assistir