Coronavírus: Semana Santa mudará de data? Veja decreto do Vaticano.

O departamento de liturgia do Vaticano publicou na sexta-feira diretrizes para bispos e padres sobre a celebração das liturgias da Semana Santa, do Tríduo e da Páscoa durante a pandemia de coronavírus.

O documento recomenda que os bispos adiem as liturgias que podem ser adiadas. Também indica como padres e bispos podem oferecer aquelas celebrações que não podem ser movidas, como a Páscoa, em locais onde as liturgias públicas são suspensas.

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicaram as “indicações gerais” depois de receber perguntas de vários bispos.

decreto foi assinado pelo prefeito da congregação, cardeal Robert Sarah e pelo secretário arcebispo Arthur Roche e autorizado “por mandato do Sumo Pontífice, apenas para o ano 2020”, o que significa que as recomendações não poderão ser usadas nos próximos anos.

“A Páscoa é o coração de todo o ano litúrgico e não é simplesmente uma festa entre outras”, afirma o documento, e que o tríduo pascal “não pode ser transferido para outra época”.

O documento da congregação também diz que o bispo tem faculdades para adiar a Missa de Crisma da Semana Santa.

O Tríduo Pascal é o período de três dias que antecede o domingo de Páscoa. Começa ao pôr do sol na quinta-feira santa e termina ao pôr do sol no domingo de Páscoa.

O decreto ordena que, nos locais onde há restrições das autoridades civis e da Igreja, o bispo, de acordo com a conferência dos bispos, possa oferecer as liturgias do Tríduo Pascal na catedral, e os padres da diocese possam oferecer as liturgias. nas paróquias, sem a presença física dos fiéis.

“Os fiéis devem ser informados dos horários da celebração para que possam se unir em espírito de oração em suas casas”, indica, acrescentando que as transmissões de televisão ao vivo ou pela Internet são úteis nessa situação.

As conferências de dioceses e bispos devem fornecer recursos para apoiar famílias e indivíduos em oração pessoal, acrescenta.

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

O documento também fornece várias sugestões para a oferta de liturgias particulares por padres e bispos.

Todos os padres podem oferecer a Missa da Ceia do Senhor na quinta-feira santa, em um local apropriado, sem o público, diz o texto, mas a lavagem dos pés, que já é opcional, deve ser omitida.

A procissão do Santíssimo Sacramento para o local de repouso no final da Missa também deve ser omitida e o Santíssimo Sacramento deve permanecer no tabernáculo.

O serviço da Paixão do Senhor na sexta-feira pode ser celebrado em catedrais e igrejas paroquiais, disse a congregação, e as orações universais devem incluir uma intenção para os doentes, os mortos e aqueles que se sentem perdidos e consternados.

As diretrizes indicam que a Vigília Pascal só pode ser oferecida em catedrais e igrejas paroquiais, “onde e na medida em que exista uma possibilidade real de fazê-lo, estabelecida pelo responsável”.

A preparação e a iluminação do fogo durante o “Início Solene da Vigília ou Lucenário” são omitidas, diz o documento. A Vela Pascal está acesa, a procissão é omitida e a Proclamação da Páscoa (Exsultet) segue.

A missa prossegue como de costume, além da “Liturgia Batismal”, onde “somente a renovação das promessas batismais é necessária”, explica.

O documento afirma que “aqueles que não têm absolutamente nenhuma possibilidade de se unir à Vigília Pascal celebrada em uma igreja devem orar ao Ofício de Leituras do Domingo de Páscoa”.

Procissões e outras devoções da piedade popular que geralmente ocorrem durante a Semana Santa e o Tríduo Pascal podem ser transferidas pelo bispo diocesano para outros dias do ano, como 14 e 15 de setembro, afirma.