fbpx

Exorcistas respondem superior geral dos Jesuítas: Satanás é real

Formações, análises e notícias católicas

Exorcistas respondem superior geral dos Jesuítas: Satanás é real

Cidade do Vaticano, 23 de agosto de 2019 / 11:49 am ( CNA ) .- Em resposta à polêmica afirmação do superior geral dos Jesuítas, Arturo Sosa, SJ, uma organização internacional de exorcistas católicos disse na quinta-feira que a existência de Satanás, como um ser real e pessoal, é uma verdade da doutrina de Cristo.

“A existência real do diabo, como um sujeito pessoal que pensa e age e fez a escolha da rebelião contra Deus, é uma verdade de fé que sempre fez parte da doutrina cristã”, disse a Associação Internacional de Exorcistas em agosto. 22 comunicado de imprensa .

O lançamento da organização veio em resposta às recentes observações sobre o demônio do superior geral jesuíta pe. Arturo Sosa, SJ, que a organização chamou de “grave e confuso”.

Os exorcistas disseram que divulgaram sua declaração para fornecer “esclarecimento doutrinário”.

Sosa fez manchetes no início desta semana quando disse à revista italiana Tempi que “o diabo existe como uma realidade simbólica, não como uma realidade pessoal“.

O diabo “existe como personificação do mal em diferentes estruturas, mas não em pessoas, porque não é uma pessoa, é uma maneira de agir mal. Ele não é uma pessoa como uma pessoa humana. É um caminho do mal estar presente na vida humana ”, disse Sosa, superior geral dos Jesuítas.

Citando uma longa história de ensinamentos da Igreja sobre a natureza de Satanás, incluindo várias citações do Papa Francisco e seus recentes predecessores, a organização dos exorcistas disse que os católicos são obrigados a acreditar que Satanás é um ser real e pessoal, um anjo caído.

“A Igreja, fundada na Sagrada Escritura e na tradição apostólica, ensina oficialmente que o diabo é uma criatura e um ser pessoal, e adverte aqueles que, como o padre Sosa, o consideram apenas um símbolo.”

Os comentários de Sosa estão “fora do magistério ordinário e extraordinário solene” da Igreja, disseram os exorcistas.

A Associação Internacional de Exorcistas é uma “associação de fiéis” formalmente aprovada pela Congregação para o Clero do Vaticano em 2014. Entre seus fundadores estava o conhecido exorcista pe. Gabrele Amorth , que morreu em 2016.

Sosa, 70 anos, foi eleito superior geral da Companhia de Jesus em 2016. Um venezuelano, tem uma licenciatura pontifícia em filosofia e um doutorado em ciência política. Ele serviu como superior provincial jesuíta na Venezuela de 1996 a 2004, e em 2014 iniciou um papel administrativo na cúria geral dos jesuítas em Roma.

Leia também: Superior Geral dos Jesuítas afirma que o demônio não existe

- Continua após a publicidade -

 

Sosa ofereceu comentários controversos sobre Satanás no passado. Em 2017, ele disse ao El Mundo que “formamos figuras simbólicas como o Diabo para expressar o mal”.

Depois que sua observação de 2017 gerou controvérsia, um porta-voz de Sosa disse ao Catholic Herald que “como todos os católicos, o padre Sosa professa e ensina o que a Igreja professa e ensina. Ele não possui um conjunto de crenças separadas do que está contido na doutrina da Igreja Católica. “

Comunicado de imprensa à IEA sobre a declaração do padre Arturo Sosa Abascal na reunião de Rimini

Associação Internacional de Exorcistas [AIE]

Roma, 22 de agosto de 2019

Comunicado de Imprensa da Associação Internacional de Exorcistas

A Associação Internacional de Exorcistas (IEA) neste comunicado de imprensa segue declarações feitas pelo Superior Geral da Companhia de Jesus Padre Arturo Sosa Abascal durante uma entrevista publicada na revista online “Tempi.it” ( Encontro. “O diabo existe apenas como realidade simbólica “ , 21 de agosto de 2019).

Uma das questões abordadas na entrevista com os religiosos, convidados a Rimini para o Encontro de Comunhão e Libertação para realizar uma reunião sobre o tema “Aprendendo a olhar o mundo através dos olhos do Papa Francisco”, teve como objeto a existência do demônio.

Entre outras coisas, o padre Sosa Abascal declarou: “Existe como o mal personificado em diferentes estruturas, mas não nas pessoas, porque não é uma pessoa, é uma forma de implementar o mal. Ele não é uma pessoa como uma pessoa humana. É um caminho do mal estar presente na vida humana. O bem e o mal estão em permanente luta na consciência humana e temos maneiras de indicá-los. Nós reconhecemos Deus como bom, inteiramente bom. Os símbolos fazem parte da realidade e o diabo existe como realidade simbólica e não como realidade pessoal “.

Diante dessas graves e confusas declarações, já expressas no passado pelo padre Sosa Abascal ao suplemento El Mundo , são necessários alguns esclarecimentos doutrinários à luz do magistério, inclusive do atual Pontífice.

Se é verdade que em relação ao magistério ordinário é necessário tratar do “respeito pelo intelecto e pela vontade”, deve-se considerar, de fato, que o magistério solene expresso no IV Concílio de Latrão sobre anjos e demônios implica uma adesão obrigatória da fé. A posição de Abascal, portanto, é colocada fora do magistério ordinário e extraordinariamente solene.

A real existência do diabo, como sujeito pessoal que pensa e age e que fez a escolha da rebelião contra Deus, é uma verdade de fé que sempre fez parte da doutrina cristã. Esta verdade é confirmada por um documento da Congregação da Fé, publicado pelo L’Osservatore Romano em 26 de junho de 1975. O texto examina em detalhes a declaração do IV Concílio de Latrão, do qual reconhece a importância teológica, também em relação ao o diabo e os demônios: “A afirmação que os preocupa é apresentada como uma afirmação indiscutível da consciência cristã”. De fato, ela está inserida no símbolo da fé, que o conselho re-propôs a toda a Igreja e, portanto, pertence à regra universal da fé. Além disso, este ensinamento corresponde a toda a tradição dos Padres da Igreja e dos Papas.

Anteriormente, Paulo VI, em 15 de novembro de 1972, durante a audiência geral de quarta-feira, abordou a questão em questão. A partir do mal existente no mundo, ele declara que é “a ocasião e o efeito de uma intervenção em nós e em nosso mundo de um agente obscuro e inimigo, o diabo”. O mal não é mais apenas uma deficiência, mas um ser vivo, espiritual, pervertido e pervertido. Realidade terrível. Misterioso e medroso ». Ele prossegue afirmando firmemente a necessidade de acreditar que o diabo é um ser criado por Deus (que, posteriormente, com livre arbítrio, radicalmente e irrevogavelmente recusou Deus e seu Reino) e não como um princípio absoluto independente ou como um simples símbolo do mal: da estrutura do ensino bíblico e eclesiástico que se recusa a reconhecer “a realidade do diabo”. Em apoio a esta tese, há numerosas citações bíblicas, após as quais o Papa reitera que o diabo “é o inimigo número um, ele é o tentador por excelência”. Sabemos que esse ser obscuro e perturbador realmente existe ”.

O papa Francisco, após sua eleição ao trono papal (2013), sob várias circunstâncias insistiu e reafirmou fortemente a realidade do diabo. Em sua Exortação Apostólica Gaudete e exultam(19 de março de 2018) ele falou longamente sobre o tema demoníaco, apontando para o cap. 5 algumas explicações breves mas incisivas. O pontífice parte do fato de que a vida cristã, a caminho da santidade, é uma luta permanente (n.158), onde força e coragem são necessárias para resistir às tentações do diabo. Isto constitui o fato concreto que não se pode negligenciar, mas forma as condições para fortalecer a própria configuração espiritual (n.159). O Papa especifica que quando se fala da luta contra o diabo, não é um contraste com a mentalidade mundana ou com inclinações pessoais para o mal, mas mais precisamente se refere a uma luta contra um ser real “, que é o príncipe do mal ». Com esta expressão é sublinhada a dimensão do sujeito ou pessoa na sua concretude, isto é, uma entidade subsistente real, que é chamada e é a Maligna. O próprio Jesus o derrotou e se alegrou (Lc 10,18).

O Papa explica que nos tempos de Jesus se poderia entender uma doença, como a epilepsia, como uma ação demoníaca, porém deve-se reconhecer que Jesus fez múltiplas liberações dos obcecados. A ação diabólica confirma a existência real do diabo e sua presença constante, desde o início da criação, como mostrado nas primeiras páginas das Escrituras, em referência à história da gênese da sedução da serpente do primeiro casal humano, Adão e Eva. Portanto, não se pode sustentar que “o diabo não existe ou não age”. O pontífice diz que o próprio Jesus, quando ensinou aos discípulos a oração do Padrenostro, perguntou como o último pedido para se libertar do mal: “A expressão que é usada ali não se refere ao mal no abstrato”, mas propriamente e concretamente sim indica o Maligno, que é um ser pessoal,

O Papa faz referência aos erros que se espalham em torno da figura de Satanás (n.161): “Não pensamos, portanto, que é um mito, uma representação, um símbolo, uma figura ou uma idéia. Esse engano nos leva a baixar nossa guarda, a negligenciar e a permanecer mais expostos “. A declaração é clara e não admite dúvidas ou discussões sobre a real existência de Satanás. É parte da doutrina da Igreja que deve ser aceita e crida. Se alguém negar essa verdade, o papa continua, facilmente cai sob as garras do diabo, que “como um leão que ruge, sai em busca de alguém para devorar” (1 Pd 5, 8).

 

- Continua após a publicidade -

 

Assim, a Igreja, fundada na Sagrada Escritura e na Tradição Apostólica, ensina oficialmente que o diabo é uma criatura e um ser pessoal, e adverte contra aqueles que, como o padre Sosa, o consideram apenas um símbolo.

Como uma Associação Internacional Exorcista, gostaríamos de finalizar relatando o que foi declarado pela Conferência Episcopal Italiana no n. 5 da Apresentação da versão italiana do novo Ritual dos Exorcismos, promulgada pela Santa Sé em 22 de novembro de 1998 (De exorcismis et supplicationibus quibusdam):

“O discípulo de Cristo, à luz do Evangelho e do ensinamento da Igreja, acredita que o Maligno e os demônios existem e atuam na história pessoal e comunitária dos homens. O Evangelho, de fato, descreve a obra de Jesus como luta contra Satanás (cf. Mc 1,23-28; 32-34; 39; 3, 22-30 e passim). Até mesmo a vida de seus discípulos implica uma batalha que “não é contra criaturas feitas de carne e sangue, mas contra os principados e potestades, contra os governantes deste mundo de trevas, contra os espíritos do mal” (Ef 6, 12). ».

Finalmente, além de tomar nota da clara posição do Papa Francisco expressa nas saudações enviadas aos participantes nas Conferências Internacionais dos Exorcistas, aprofundar o conhecimento do ensinamento das Sagradas Escrituras e do Magistério da Igreja sobre a real existência e atividade do mundo demoníaco, recomendamos lendo os seguintes relatos no blog da Associação Internacional de Exorcistas: aiepressoffice.com

  1. O ensinamento sobre o diabo no Catecismo da Igreja Católica (CCC)

Relatório do Bispo Dom Raffaello Martinello.

  1. A extraordinária ação de Satanás no mundo: aspectos teológicos e magisteriais

Relatório do Bispo Giovanni Rinaldi.

  1. Exorcismo na Pastoral Ordinária da Igreja

Relatório do Cardeal Salvatore De Giorgi.

  1. A origem do mal no universo criado bem por Deus

Estudo da Associação Internacional Exorcista.

  1. São Martinho de Tours, bispo exorcista

Tradução do Artigo da Associação Internacional Exorcista.