fbpx

Incitando violência, Lula convoca guerra civil em todo o país

Formações, análises e notícias católicas

Incitando violência, Lula convoca guerra civil em todo o país

Por Estudos Nacionais

No dia seguinte à sua soltura da prisão em que cumpria pena, em Curitiba, o ex-presidente Lula fez um violento discurso de ódio em frente à sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo (SP). Lula chegou a dizer que o Brasil precisa seguir o exemplo do Chile, onde a extrema-esquerda provoca destruição e mais de 20 mortes seguindo estratégia do Foro de São Paulo, que incluiu, neste sábado, ataques a Igrejas e depredação de objetos religiosos.

“A gente tem que seguir o exemplo do povo do Chile, do povo da Bolívia, a gente tem que resistir”, disse o petista condenado e preso em segunda instância. Privilegiado pela decisão do STF desta quinta-feira, Lula defendeu o ataque ao governo, completando: “na verdade, atacar e não apenas se defender”, disse comparando o governo brasileiro ao governo do Chile.

Para o jornalista Bernardo Pires Küster, Lula incita uma guerra civil no Brasil e que a o Supremo é culpado disso.

“Em menos de 24 horas de liberdade, o Bandido anuncia guerra civil. Isto vai na conta do STF, de um modo ou de outro. Quem, porém, vive numa bolha de isolamento e segurança, longe das tensões das ruas? Você ou os demônios de preto?”, disse Bernardo em seu perfil no Facebook.

Ao sair, nesta sexta, Lula chegou a afirmar que sai “mais à esquerda” do que entrou, antecipando a radicalização do discurso deste sábado.

Lula atacou também o ministro da justiça Sérgio Moro, responsável por sua prisão quando era juiz da Lava Jato, em Curitiba, e afirmou que a vitória de Bolsonaro se deve a uma “campanha de fake news contra Fernando Haddad”.

Por Cristian Derosa

Assista: