fbpx

Motorista de ônibus é suspenso por resistir à propaganda LGBT

Formações, análises e notícias católicas

Motorista de ônibus é suspenso por resistir à propaganda LGBT

NORWICH, Inglaterra, 16 de agosto de 2019 ( LifeSiteNews ) – Na Inglaterra, mais de 20.000 pessoas assinaram uma petição insistindo que o empregador de um motorista de ônibus inglês fique ao seu lado depois que ele se recusou a dirigir um ônibus promovendo cores da “bandeira do orgulho” LGBT.

A CitizenGo lançou a petição em nome do motorista da empresa KonectBus, suspenso depois que um estudante universitário o denunciou na semana passada por se recusar a dirigir um ônibus que trazia os números decorados com as cores da “bandeira do orgulho” LGBT. 

“Até agora, depois de 72 horas desde que fomos colocados online, mais de 20.000 pessoas assinaram nossa petição pedindo que o motorista do ônibus seja reintegrado”, disse Caroline Farrow, porta-voz da CitizenGo, à LifeSiteNews. 

“Isso demonstra duas coisas”, ela continuou. “Primeiramente, o público britânico sente fortemente que ninguém deve ser forçado por seu empregador a apoiar e promover princípios que vão contra suas crenças pessoais.”

Ela disse que a “resposta avassaladora” também mostra que as pessoas comuns estão fartas da onipresente bandeira do arco-íris e ressentem o modo pelo qual várias corporações e instituições públicas estão usando o “símbolo político” para coagir “o público a uma aceitação acrítica”. ideologia questionável ”.

Leia também: Pode uma pessoa com tendências homossexuais ser um bom católico?

A informante, Rebecca Sears, 19, ficou chateada porque o motorista expressou suas objeções aos dígitos coloridos e politizados.  

“Hoje eu estava esperando o ônibus 501 para Thickthorn e o motorista nos disse que precisávamos esperar até que ele trocasse de ônibus, já que ‘este ônibus promove a homossexualidade e eu me recuso a dirigi-lo’, devido ao número multicolorido ‘501’” ela escreveu no Twitter , postando uma foto do motorista.

“Norwich não aprecia a homofobia”, acrescentou, presumindo falar pelos 132.512 habitantes da cidade antiga. 

“Estou ciente de que todos têm direito a seus próprios pontos de vista. No entanto, se você não puder fazer o seu trabalho corretamente por causa de sua intolerância, talvez precise repensar suas escolhas. ” 

O motorista, cujo nome ainda é desconhecido, acredita-se que tenha cinquenta anos. 

A Sears também divulgou no Twitter que relatou o motorista da Konectbus para os funcionários da rodoviária, que lhe assegurou que eles já estavam cientes do incidente. 

- Continua após a publicidade -

 

Em resposta, a empresa controladora do Konectbus garantiu à adolescente que seu empregado havia sido suspenso. 

“Go East Anglia se orgulha de valores que apóiam a diversidade e inclusão e tem sido um campeão da Norwich Pride desde 2017”, afirmou na quarta-feira. 

“Nós particularmente queremos que todos os clientes de qualquer formação ou orientação sexual se sintam confortáveis ​​em nossos serviços”, continuou. 

“Como empresa, não toleramos nenhum este tipo de comportamento por parte de nossos motoristas. O motorista envolvido neste incidente foi suspenso e uma investigação completa está em andamento. ” 

Os “orgulho” LGBT acontecem em todo o Reino Unido durante os meses de verão, e não apenas os ônibus, mas trens, bancos e outras empresas comerciais exibem com destaque as cores do arco-íris LGBT.

CitizenGo considerou o lealista LGBT “intolerante” e afirmou que foi o tweet do adolescente que fez com que o motorista fosse suspenso. 

“… [N] satisfeito em reportar o homem à recepção, [Sears] começou a tirar uma foto dele e escalou a situação nas mídias sociais, resultando em sua suspensão do trabalho. Isso poderia levar a represálias para ele e sua família ”, escreveu o grupo em sua petição. 

O grupo observou que a estudante não tinha twittado porque sua jornada havia sido impedida ou porque ela havia sofrido um pequeno atraso, mas porque o motorista expressou uma opinião. 

“O motorista não estava expressando qualquer ódio ou ofensiva contra a comunidade LGBT ou qualquer indivíduo, mas simplesmente exercendo seus próprios direitos de consciência quando se trata de ser forçado a promover uma ideologia política com a qual ele discorda”, diz a petição. 

A CitizenGo questionou o direito dos empregadores de forçar os funcionários a promover ideologias políticas com as quais eles discordam e ressaltaram o fato de que o “orgulho” é um movimento político.  

“A bandeira do arco-íris é um símbolo político, de apoiadores que promovem uma série de práticas éticas preocupantes, como ideologia de gênero e sub-rogação”, disse.  

“Quando uma empresa opta por adotar uma causa política, seus funcionários são automaticamente associados a essa causa e, muitas vezes, como no caso do motorista de ônibus, são forçados a promovê-la.” 

“Forçar um funcionário a promover valores que vão contra sua consciência ou fé religiosa é violação da Convenção Européia sobre Direitos Humanos.” 

A CitizenGo revelou que um colega do motorista do ônibus “se regozijou” nas mídias sociais dizendo que o motorista com certeza será demitido porque seu empresário é gay. 

“Isso implica que o homem poderia ser negado a ter um processo justo e estaria sujeito a uma investigação tendenciosa.”

Isso também implica que o colega vangloriador acredita que as pessoas LGBT são necessariamente vingativas e mesquinhas quando se trata de liberdade de expressão.  

 

- Continua após a publicidade -

 

O usuário do Twitter Pàdair perguntou a Jamie Wood: “Você está sugerindo que o Gerente de RH será tendencioso em sua abordagem a isso porque ele é gay? Eu não acho que ele ficaria feliz com isso, não é?”

LifeSiteNews.com | Tradução: Equipe Templário de Maria