fbpx

“O amor pelo país deve superar o amor pela Igreja” diz o presidente da Associação Patriótica Chinesa, Dom Fang Xingyao

Formações, análises e notícias católicas

“O amor pelo país deve superar o amor pela Igreja” diz o presidente da Associação Patriótica Chinesa, Dom Fang Xingyao

«O amor pelo país deve superar o amor pela Igreja, e a lei do país é superior às regras canônicas». Esta é a tese apresentada pelo bispo Fang Xingyao, presidente da Associação Patriótica Católica Chinesa, na Conferência Política Consultiva sobre Religiões, realizada em 26 de novembro passado em Pequim.

Notícias da Ásia ) A reunião, presidida por Wang Yang, presidente do Comitê Permanente do CPCPC (Conferência Política Consultiva do Povo Chinês), e membro do Comitê Central do Partido Comunista, contou com a presença de especialistas, acadêmicos, personalidades religiosas e conselheiros políticos

O encontro teve como objetivo desenvolver “um sistema ideológico religioso com características chinesas, de acordo com as demandas da época”, de acordo com as diretrizes de  “sinização” promovidas pelo presidente Xi Jinping , que busca a submissão de religiões ao domínio do Partido Comunista, mesmo do ponto de vista teológico.

Dom Juan Fang Xingyao é bispo de Linyi (Shandong) e membro do Comitê Permanente do Comitê Nacional do CPCPC. Ele também atua como presidente da Associação Patriótica Católica Chinesa e como vice-presidente do Conselho de Bispos da China . Note-se que essas duas organizações não são reconhecidas pela Santa Sé .

As frases de Mons. Fang Xingyao foram divulgadas em um longo artigo publicado no site do CPCPC, que também fornece uma síntese dos discursos proferidos pelos representantes de outras religiões oficiais na China, transbordando de patriotismo.

As palavras de Dom Fang Xingyao, relativas à maior importância do amor ao país e à lei nacional, abalaram vários católicos chineses, porque é algo que altera as relações de unidade com a Santa Sé. A Santa Sé sempre afirmou que “um bom católico” também é um “bom cidadão”, colocando o amor pelo país e o amor pela Igreja no mesmo nível. Deve-se lembrar que o próprio Bento XVI, em sua  Carta aos Católicos da China  (2007), sublinha essa paridade, solicitando ao governo espaços de liberdade religiosa para a Igreja e que ela pode “trabalhar pela justiça”.