fbpx

O Sínodo estará mais preocupado com a salvação da floresta amazônica ou das almas?

Formações, análises e notícias católicas

O Sínodo estará mais preocupado com a salvação da floresta amazônica ou das almas?

Como os líderes da Igreja Católica se preparam para abrir o Sínodo da Amazônia no domingo, a pergunta fundamental a ser feita é: se o foco estará na bacia amazônica ou em seus habitantes – na saúde ecológica da Amazônia ou no bem-estar espiritual do povo que mora lá.

O tópico oficial do evento – “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e uma ecologia integral” – não responde a essa pergunta. Os pais do sínodo sugerirão que a Igreja mude seus caminhos em prol dos objetivos ambientais? Ou eles insistirão que uma ecologia “integral” inclui uma dimensão espiritual – que a humanidade não pode encontrar a salvação ignorando o que Thomas Jefferson chamou de “as leis da natureza e do Deus da natureza”?

Nesse sentido, as discussões do sínodo abordarão o tópico da salvação? A palavra “salvação” ocorre apenas cinco vezes no  instrumentum laboris , o documento de trabalho que forma a base das deliberações do sínodo. A palavra “ecologia”, por outro lado, aparece 24 vezes e “ambiente” (ou “ambiental”) aparece 27 vezes. O nome de Jesus, proclamado pelos católicos como o único meio de salvação, é mencionado 23 vezes relativamente modesto.

Preservar o meio ambiente tem sido, sem dúvida, um tema-chave nos ensinamentos do Papa Francisco. Mas, nos preparativos para o sínodo, os apelos à “cosmovisão” foram muito além dos apelos provocadores da encíclica Laudato Si ‘ , levantando preocupações de que o trabalho do sínodo, em vez de estimular a evangelização da região da bacia amazônica, incentivará os católicos a serem evangelizados pelo movimento ambiental. O capítulo 7 do instrumentum laboris, intitulado “Conversão ecológica”, não faz nada para acalmar esses medos. Quem deve ser convertido e por quem?

O documento de trabalho oferece um tratamento semelhante às religiões nativas e costumes tribais praticados na região amazônica. “Rituais e cerimônias indígenas são essenciais para a saúde integral”, afirma o documento, “porque integram os diferentes ciclos da vida e da natureza humanas. Eles criam harmonia e equilíbrio entre os seres humanos e o cosmos.” Os missionários católicos deveriam incentivar os nativos da região a preservar seus rituais e cerimônias, em vez de apresentá-los ao sacrifício eucarístico que oferece o vínculo supremo entre criaturas e Criador?

Com seu foco no meio ambiente da região e nas necessidades materiais dos habitantes, o documento de trabalho provocou críticas extraordinariamente acentuadas de prelados influentes. “Alguns pontos do  instrumentum laboris  parecem não apenas dissonantes com relação ao ensino autêntico da Igreja, mas até contrário a ele”, escreveu o cardeal Walter Brandmüller. Os cardeais Robert Sarah, Marc Ouellet, Raymond Burke e Jorge Urosa ofereceram cuidados semelhantes.

No entanto, os prelados que dirigem as discussões sobre o sínodo não expressaram dúvidas sobre o documento de trabalho. O cardeal brasileiro Claudio Hummes, a quem o papa nomeou relator geral do Sínodo, nesta semana disse a repórteres que o  instrumentum  falou com “a voz da Igreja na Amazônia”. Repórteres mais céticos observaram que os defensores públicos mais leais do documento não eram nativos da região amazônica, mas bispos e teólogos de língua alemã, que entraram na discussão carregando sua própria bagagem pesada de ideologia progressista.

Tais debates não são incomuns durante os preparativos para uma reunião do Sínodo. Mas na era do papa Francisco, as próprias reuniões do Sínodo foram marcadas por contendas e reclamações de manipulação: pela nomeação de aliados pelo pontífice para cargos importantes, pela elaboração de comitês que ignoraram certos pontos de vista, por mudanças de última hora nas regras da Igreja, procedimentos, etc. Os relatórios do Sínodo forneceram material para documentos papais polêmicos – e para críticas persistentes baseadas em argumentos que as reuniões haviam efetivamente suprimido. Em outras palavras, as reuniões não resolveram as diferenças de opiniões, mas as aguçaram.

Em cada sessão recente do sínodo, um tópico dominou a cobertura da mídia. Durante o Sínodo da Amazônia, a atenção da mídia secular será concentrada na proposta para permitir a ordenação de viri probati, homens casados ​​de caráter comprovado, para aliviar a escassez crítica de padres na região. Ao contrário da crença popular, esse rompimento da tradição romana do celibato sacerdotal não exigiria nenhuma mudança na doutrina católica. (As igrejas orientais em comunhão com Roma permitem padres casados, e no Ocidente alguns homens casados ​​- por exemplo, ex-clérigos anglicanos – foram admitidos no sacerdócio.) Mas uma pausa no celibato certamente seria uma grande mudança na tradição tradicional da Igreja Romana, com consequências que iriam muito além da bacia amazônica.

Além disso, é uma medida da profundidade das divergências atuais que os católicos mais tradicionais pensam na proposta como um possível cavalo de perseguição para uma campanha mais radical para ordenar mulheres. Que iria envolver uma mudança na doutrina. O papa João Paulo II ensinou em  Ordinatio Sacerdotalis  que a Igreja nunca poderia ordenar mulheres como sacerdotes. O cardeal Joseph Ratzinger, pouco antes de se tornar Bento XVI, observou que esse ensinamento era “infalível”. Até o Papa Francisco disse que “não é uma questão aberta à discussão”.

No entanto,  é  discutido – por, entre outros, o bispo Erwin Kräutler, bispo aposentado de Xingu, Brasil, que disse que a proibição da ordenação de mulheres “ainda não é um dogma”. E a opinião desse prelado nascido na Áustria não é irrelevante aqui, porque o bispo Kräutler era membro da comissão preparatória do Sínodo da Amazônia – e, segundo boatos generalizados, o principal redator do instrumentum laboris .

Atenção!

Frente à gravidade das propostas, e todo contexto entorno do Sínodo da Amazônia, preparamos uma série de vídeos que visam trazer à luz detalhes desconhecidos do Sínodo, e que podem ter efeito negativo na vida de todos os católicos.

- Continua após a publicidade -

 

Clique Aqui para assistir