fbpx

“Padres casados” será uma das pautas no Sínodo da Amazônia

Formações, análises e notícias católicas

“Padres casados” será uma das pautas no Sínodo da Amazônia

ROMA – Quando os bispos da região amazônica se reunirem em Roma, em outubro próximo, discutirão a ordenação de “idosos”, de preferência indígenas, para garantir que as comunidades remotas da região tenham acesso aos sacramentos.

“Afirmando que o celibato é um presente para a Igreja, solicita-se que, nas áreas mais remotas da região, seja estudada a possibilidade de ordenação sacerdotal para idosos”, afirma um documento que prepara o próximo Sínodo dos Bispos na Amazônia.

O documento continua dizendo que os idosos ordenados em áreas remotas devem “preferencialmente ser indígenas, respeitados e aceitos por sua comunidade, mesmo que já possuam uma família estabelecida e estável, a fim de garantir os Sacramentos que acompanhar e sustentar a vida cristã. ”

Embora as três versões linguísticas do documento falem de “pessoas” e não homens, está se referindo à ordenação do que é conhecido como viri probati , homens casados ​​de virtude comprovada, muitos dos quais já servem como diáconos permanentes.

A escassez de padres na região amazônica está no centro do debate, assim como a possibilidade de ordenar os viri probati . No entanto, sempre que ele é abordado sobre o assunto, o papa Francisco deixa claro que o celibato sacerdotal não está disponível, apesar do fato de ser uma disciplina e não uma doutrina.

O primeiro papa latino-americano da história tem sido particularmente atento ao argumento a favor dos viri probati na Amazônia ou nas Ilhas do Pacífico, onde os fiéis majoritariamente indígenas podem passar meses sem ver um padre.

À medida que o debate sobre a ordenação de “homens comprovados” em áreas remotas reacende, vale a pena notar que muitas igrejas católicas de rito oriental permitem que homens casados ​​sejam ordenados. Além disso, a Igreja Católica permite que alguns clérigos protestantes casados ​​que se convertem permaneçam no ministério sacerdotal.

O documento divulgado pelo Vaticano na segunda-feira, conhecido como instrumentum laboris , estabelecerá as bases do Sínodo dos Bispos na Amazônia, que acontecerá em Roma, de 6 a 27 de outubro.

Também na mesma seção em que é mencionada a ordenação de homens casados ​​de caráter comprovado, “Novos ministérios para responder de maneira mais eficaz às necessidades do povo da Amazônia”. O documento também recomenda a promoção de vocações indígenas para homens e mulheres, em resposta a as necessidades pastorais e sacramentais.

“Sua contribuição decisiva está no impulso a uma autêntica evangelização da perspectiva indígena, de acordo com seus usos e costumes”, diz o documento, referindo-se a homens e mulheres. “São indígenas que pregam aos indígenas a partir de um profundo conhecimento de sua cultura e idioma, capazes de comunicar a mensagem do Evangelho com a força e a eficácia de sua bagagem cultural.”

Isso, diz o documento, permitirá a transição de uma “Igreja que visita” para uma “Igreja que permanece”, que “acompanha e está presente através de ministros que surgem de seus próprios habitantes”.

Uma região em risco

- Continua após a publicidade -

 

Visto que Francisco, autor da primeira encíclica dedicada ao meio ambiente, Laudato Si ‘ , se referiu à Amazônia como um dos “pulmões do mundo”, não surpreende que em várias seções o documento se refira ao “cuidado da nossa casa comum. “

Como observa o instrumento , o rio Amazonas e as florestas tropicais da região regulam a umidade, os ciclos da água e as emissões de carbono em nível global. No entanto, segundo ele, “segundo especialistas internacionais, a região amazônica é a segunda área mais vulnerável do planeta, depois do ártico”.

A vida está ameaçada pela “destruição e exploração ambiental” e “pela violação sistemática dos direitos humanos básicos da população amazônica”.

O documento lista uma série de direitos dos povos indígenas ameaçados, como direito ao território, autodeterminação e demarcação de territórios.

“De acordo com as comunidades participantes dessa escuta sinodal, a ameaça à vida advém dos interesses econômicos e políticos dos setores dominantes da sociedade atual, especialmente as empresas extrativas, muitas vezes coniventes, ou com a permissividade dos governos locais e nacionais e das autoridades tradicionais ( dos próprios indígenas) ” , diz o instrumentum .

Os consultados no questionário do Vaticano deram muitos exemplos do que ameaça a vida na região amazônica: a criminalização e o assassinato de líderes e defensores do território; apropriação e privatização de recursos naturais, como a água; caça e pesca predatórias; megaprojetos como usinas hidrelétricas, concessões florestais, exploração madeireira para produção de monoculturas, estradas e ferrovias, projetos de mineração e petróleo; poluição causada pela indústria extrativa que produz problemas e doenças; tráfico de drogas; os consequentes problemas sociais associados a essas ameaças, como alcoolismo, violência contra mulheres, trabalho sexual e tráfico de pessoas.

instrumento também afirma que as mudanças climáticas e o aumento da intervenção humana na região amazônica estão levando-as a um “ponto sem retorno”, com altas taxas de desmatamento, deslocamento forçado da população e poluição. Se a ameaça do aquecimento global continuar, levará o “bioma amazônico à desertificação”.

“A região amazônica hoje é uma beleza ferida e deformada, um lugar de sofrimento e violência”, diz o documento. “A destruição múltipla da vida humana e do meio ambiente, as doenças e a contaminação de rios e terras, o desmatamento e a queima de árvores, a enorme perda de biodiversidade e a extinção de espécies [animais e vegetais] nos questionam a todos.”

“O grito de dor da região amazônica é um eco do grito do povo escravizado no Egito que Deus não abandona”, diz o texto.

Leia também:Cardeal Sarah: O sínodo da Amazônia ‘romperia definitivamente’ com a tradição ao permitir padres casados, ministérios femininos

Uma igreja com rosto amazônico

“A face amazônica da Igreja encontra sua expressão na pluralidade de seus povos, culturas e ecossistemas”, diz o documento no início do terceiro capítulo. “Essa diversidade precisa de uma opção para uma Igreja missionária e extrovertida, incorporada em todas as suas atividades, expressões e idiomas.”

Ouvir a voz do Espírito Santo no apelo do povo amazônico e seguir o magistério de Francisco exige um processo de conversão pastoral e missionária, diz o insrumentum , antes de listar uma série de sugestões.

Entre as sugestões, há um chamado para evitar uma “homogeneização cultural”; a rejeição de uma “aliança com a cultura dominante e o poder político e econômico” para promover as culturas e os direitos dos povos indígenas, dos pobres e da terra; vencer o clericalismo e viver “ao serviço do Evangelho”; e superar “posições rígidas” que não levam em conta a realidade concreta das pessoas.

No nível litúrgico, o documento também sugere que os bispos avaliem a possibilidade de incorporar elementos das culturas locais, incluindo a música e o idioma locais, e até mesmo o vestuário, na celebração dos sacramentos, particularmente no batismo e no casamento.

“Os sacramentos devem ser uma fonte de vida e um remédio acessível a todos, especialmente aos pobres”, diz o documento. “É solicitado que a rigidez de uma disciplina que exclua e se distancie seja superada por uma sensibilidade pastoral que acompanha e se integra.”

O instrumentum laboris

O documento é o resultado de um documento anterior, também em preparação do Sínodo, e da compilação das respostas a um questionário que o Vaticano enviou às conferências de bispos na região.

 

- Continua após a publicidade -

 

Embora o Brasil abrigue a maior parte da bacia amazônica, também atinge a Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela.

O documento de 60 páginas está dividido em três subseções: “A voz da Amazônia”, que dá uma idéia da realidade do território e de seu povo, “Ecologia integral: o clamor da terra e dos pobres”, que descreve os desafios ambientais e pastorais; e “Igreja Profética na Amazônia: desafios e esperanças”.

“A escuta dos povos e da terra por uma Igreja chamada cada vez mais sinodal começa por fazer contato com a realidade contrastante de uma Amazônia cheia de vida e sabedoria” , diz o instrumentum . “Continua com o clamor causado pelo desmatamento e a destruição extrativa que exige uma conversão ecológica integral. E termina com o encontro com as culturas que inspiram novos caminhos, desafios e esperanças para uma Igreja que quer ser samaritana e profética através da conversão pastoral. ”

Leia também: Burke e Brandmüller pedem aos demais cardeais que defendam a fé da Igreja das heresias do Sínodo para a Amazônia

Miudezas

Muitas questões são abordadas nas 60 páginas do documento, cujo idioma original é o português, mas que foi divulgado pelo Vaticano também em italiano e espanhol. Entre eles está o apelo à criação de um “fundo econômico” para apoiar a evangelização, promover os direitos humanos e uma ecologia integral.

Embora reconheça que não houve falhas, o documento também chama a evangelização da América Latina de “dom da Providência”, que chama todos à salvação em Cristo.

“Apesar da colonização militar, política e cultural, além da ganância e da ambição dos colonizadores, muitos missionários deram a vida para transmitir o Evangelho”, diz o documento. “O senso missionário não apenas inspirou a formação de comunidades cristãs, mas também leis como as Leis das Índias que protegiam a dignidade do povo indígena contra os abusos de suas cidades e territórios.”

Esses abusos produziram feridas na comunidade e ofuscaram a mensagem que os missionários queriam transmitir, entre outras razões, porque o anúncio de Cristo foi feito “em conivência” com os poderes que exploravam os recursos e as populações oprimidas.

Referindo-se aos Povos Indígenas em Isolamento Voluntário, o documento pede sua proteção, observando que eles estão cada vez mais em risco devido ao aumento de projetos de mineração e desmatamento. Além disso, o instrumentum afirma que 90% dos indígenas mortos violentamente na região são mulheres.

- Continua após a publicidade -

 

Falando sobre a “urbanização” da região amazônica, que levou cerca de 70 a 80% da população a abandonar áreas rurais para viver em cidades da região, o documento do Vaticano diz que, em vez de integração, levou ao ” urbanização da pobreza ”e maior exclusão.

De acordo com os que responderam ao questionário, a urbanização introduziu muitos problemas na região, desde a exploração sexual e tráfico de pessoas, até tráfico e consumo de drogas. Além disso, levou à destruição da vida familiar e aos conflitos culturais que levam a uma “falta de senso de vida”.

O documento também aborda a educação, o papel fundamental das famílias no compartilhamento das tradições indígenas e apela à reforma dos seminários católicos na região, para que os candidatos ao sacerdócio possam ser inseridos nas comunidades que ministrarão.

Também apela à incorporação da teologia indígena e da “eco-teologia” da região nos planos pastorais e insta a Igreja a ter um papel ativo na garantia de acesso à educação local e à saúde formal da população local.

Crux Now | Tradução: Templário de Maria

Clique aqui para saber mais sobre o sínodo da Amazônia

Atenção!

Frente à gravidade das propostas, e todo contexto entorno do Sínodo da Amazônia, preparamos uma série de vídeos que visam trazer à luz detalhes desconhecidos do Sínodo, e que podem ter efeito negativo na vida de todos os católicos.

Clique Aqui para assistir