fbpx

Papa Francisco pede perdão por ídolos Pachamama lançados no rio Tibre

Formações, análises e notícias católicas

Papa Francisco pede perdão por ídolos Pachamama lançados no rio Tibre

CIDADE DO VATICANO – O Papa Francisco pediu perdão aos bispos e líderes tribais da Amazônia na sexta-feira, depois que estátuas indígenas foram levadas de uma igreja na área do Vaticano e as jogaram no rio Tibre..

Ele disse que a polícia carabinieri encontrou as chamadas estátuas de Pachamama ilesas no Tibre, e consideraria deixar o Vaticano exibi-las durante uma missa final no domingo, encerrando a reunião na Amazônia, mas que nenhuma decisão foi tomada.

“Acima de tudo, isso aconteceu em Roma e, como bispo desta diocese, peço perdão às pessoas que se ofenderam com esse gesto”, disse Francisco ao sínodo.

Pedido de desculpas de Francis ocorreu quando o sínodo amazônico de três semanas termina no sábado, quando mais de 180 bispos e cardeais de nove países amazônicos votam em um documento final sintetizando propostas para melhor proteger a floresta amazônica e ministrar aos povos indígenas.

As propostas mais controversas incluem se homens casados ​​podem ser ordenados padres para enfrentar a escassez aguda de clérigos na região amazônica, onde comunidades isoladas podem passar meses sem ter uma missa adequada.

Também foram debatidos se as mulheres – que já realizam a maior parte do trabalho da igreja – poderiam ser ordenadas diáconas em um novo rito amazônico que leva em conta a espiritualidade única dos fiéis amazônicos e sua relação com a natureza.

Vários bispos da Amazônia expressaram apoio a ambas as propostas, o que representaria uma mudança dramática dos séculos da tradição católica. Mas os cardeais do Vaticano, que também votam nos membros do sínodo, expressaram cautela e insistiram no dom e no valor do sacerdócio celibatário.

As estátuas realmente provocaram indignação no início do sínodo, quando uma foi apresentada em uma cerimônia de plantio de árvores indígenas nos jardins do Vaticano, com a presença de Francisco.

O cardeal Gerhard Mueller, o alemão ex chefe de doutrina do Vaticano, disse que o “grande erro” foi trazer os “ídolos” para a igreja em primeiro lugar. Ele citou o Primeiro Mandamento bíblico proibindo a idolatria ou adorando falsos deuses.

“Jogá-lo fora pode ser contra a lei humana, mas trazer os ídolos para a igreja foi um pecado grave, um crime contra a lei divina”, disse ele à emissora católica conservadora americana EWTN.

O ato de lançar as imagens no rio tomou conta do debate na mídia católica e na Twittersphere católica, com os conservadores aplaudindo a destruição do que eles consideram símbolos da adoração pagã e os progressistas acusando os culpados.

Na homilia da manhã de sexta-feira, Francisco refletiu sobre sua própria luta interior para querer fazer o bem, mas não ser capaz de fazê-lo.

- Continua após a publicidade -

 

“É uma batalha entre o bem e o mal”, disse ele.

Fonte: Tradução de TheWashingtonPost.com

Entenda

Na manhã de ontem (21), um vídeo foi publicado on-line mostrando um católico indignado com os atuais acontecimentos no Vaticano, em função do Sínodo da Amazônia, pegando as estátuas “Pachamama” da igreja de Santa Maria na Transpontina em Roma e jogando-as no rio Tibre.

No vídeo do YouTube é possível acompanhar os passos da pessoa que removeu as estátuas da igreja antes de colocá-las na beira da Ponte Sant’Angelo e empurrá-las para o rio abaixo. 

Assista: