Papa minimiza expectativas sobre padres casados ​​e mulheres diáconos

O papa Francisco disse a um grupo de bispos dos EUA que pessoas focadas na possibilidade de ordenar alguns diáconos casados ​​para servir na Amazônia ficarão decepcionadas com sua exortação apostólica.

O Vaticano divulgará “Querida Amazônia” (Amada Amazônia), o documento pós-sinodal do Papa na quarta-feira.

O documento surgiu em uma discussão de duas horas e meia entre o Papa Francisco e os bispos do Novo México, Arizona, Colorado, Utah e Wyoming, disseram dois dos bispos. Os bispos estavam fazendo suas visitas “ad limina” a Roma para informar sobre o status de suas dioceses.

Como é sua prática normal, o Papa Francisco disse aos bispos que eles poderiam conversar sobre quaisquer questões que quisessem levantar, oferecendo informações, fazendo perguntas ou até criticando-o, desde que a crítica permanecesse na sala.

O arcebispo John Wester, de Santa Fé, Novo México, disse ao Catholic News Service que o papa disse aos bispos: “Quero ouvir o que você tem a dizer. Críticas, reclamações e perguntas são bem-vindas. É assim que o Espírito Santo trabalha. O Espírito Santo não pode funcionar se todos estivermos andando com casca de ovo e com medo de dizer alguma coisa. ”

A crise clerical de abuso sexual, imigração, polarização na sociedade e na Igreja, treinamento de seminaristas, ministério dos bispos e o papel das mulheres na igreja estavam entre os tópicos discutidos, disseram vários bispos.

O bispo Oscar Solis, de Salt Lake City, disse que o Papa Francisco não entrou em detalhes sobre a “Querida Amazônia”, mas deu aos bispos a impressão de que as questões de ordenar homens e mulheres casados ​​diáconos para o ministério em comunidades distantes ainda seriam um problema. assunto para discussão e discernimento futuros.

“Ele disse que na verdade não acreditava na ordenação de homens casados, mas o que você fará com todas as pessoas privadas da Eucaristia”, disse o bispo. Há comunidades onde um padre chega apenas uma vez por ano para a missa.

O Papa Francisco alertou os bispos que muitos na mídia e no público em geral se concentrarão nessas duas questões – padres casados ​​e diáconas – enquanto ele quer se concentrar nos desafios sociais, pastorais, ecológicos e culturais que a região amazônica enfrenta.

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

O arcebispo Wester disse: “Muitas vezes a mídia se concentra em algo porque se encaixa em uma agenda específica ou gera uma controvérsia em particular que eles sabem que trará muitos negócios futuros”.

O arcebispo disse ao CNS que o Papa Francisco foi solicitado “um esclarecimento” sobre o sínodo.

“O Papa, com muita delicadeza e calma, disse: ‘Sabe, esse ponto realmente não era um grande problema’” ”, embora tenha surgido, disse o arcebispo, sem dizer se a questão era padres casados, mulheres diáconas ou algo assim. outro. A essência da resposta do papa, continuou o arcebispo, foi: “Eu nem acho que, neste momento, é algo que vamos seguir em frente, porque eu não senti que o Espírito Santo estivesse trabalhando nisso agora. “

Resumindo sua opinião sobre a discussão sobre o documento sínodo da Amazônia, o arcebispo Wester disse ao CNS: “É o que não se diz que as pessoas notarão”.

O bispo aposentado Gerald Kicanas, de Tucson, Arizona, disse que depois de conhecer quase todos os bispos dos EUA para conversas “ad limina” desde novembro, “tenho certeza de que ele ficou muito tempo”.

O bispo disse que acredita que o papa tem esperanças específicas para a igreja nos Estados Unidos.

“Eu acho que ele sente que existe uma espécie de, sua frase seria, um mundanismo espiritual que assumiu o controle e não teve a sensação de viver minha vida de uma maneira sacrificial, de uma maneira que serve, de uma maneira que dá , de uma maneira generosa ”, disse o bispo Kicanas.

“Minha impressão é que ele vê os Estados Unidos muito abençoados, mas talvez precisando aprender como compartilhar essas bênçãos e como trazê-las para o serviço de outras pessoas”, disse ele. Um exemplo disso, disse o bispo, é a imigração. “Ele adoraria ver os países fazerem sua parte, nem todos podem fazer tudo e há limites para o que qualquer país pode fazer. Mas fazemos a nossa parte.

Destaque como “todos nós somos imigrantes”, disse o Papa Francisco aos bispos: “Enquanto olho em volta da sala e ouço seus nomes, nenhum de vocês é nativo-americano, por isso precisamos perceber que a maioria de nós veio de outro lugar”. Disse o bispo Kicanas. O papa “gostaria de ver uma sociedade mais generosa, uma sociedade mais generosa, uma sociedade atenta àqueles que precisam”.

O arcebispo Wester disse que o papa “foi muito forte” na importância da liderança leiga, especialmente na participação das mulheres na vida da igreja.

“Os presentes que as mulheres trazem – é tão importante não excluir isso, mas incluí-lo em nossas várias escolas e paróquias, etc.”, disse o arcebispo.

O papa também discutiu a crise de abuso sexual e a necessidade da igreja não apenas ajudar os sobreviventes a se curarem, mas a se curar.

“Uma ferida foi aberta e, em alguns casos, reaberta” – por exemplo, devido aos relatórios do grande júri – “mas vemos que como providencial, Cristo pode nos ajudar agora a curar”, disse o arcebispo Wester. “Você tem que abrir a ferida para que a cura ocorra.”

Embora seja doloroso relembrar os abusos que ocorreram na igreja, o arcebispo Wester disse que os bispos “precisam procurar para que possamos aprender com a história e aprender com nossos erros”.

E em um mundo marcado por “polarização, essa divisão”, disse o bispo Solis, o papa Francisco enfatizou o papel do bispo como construtor de unidade, uma pessoa que deve estar disposta a ouvir uma diversidade de opiniões, orar por decisões e confiar o Espírito Santo guiará o discernimento.

“Ele valoriza as diferenças de opinião”, disse o bispo. “Acho que ele deve ter ouvido falar sobre a falta de civilidade” que parece estar afetando o discurso público nos Estados Unidos. “As pessoas não discutem mais”, mas passam imediatamente para “se olhando com ódio”.

O Papa Francisco incentivou os bispos a se aproximarem e a discutir suas diferenças com calma e abertamente, disse o bispo Solis. “Você pode ver que ele está preocupado com isso como um pai típico, quando os irmãos não estão sincronizados.”

O bispo Solis estava celebrando o 16º aniversário de sua ordenação como bispo em 10 de fevereiro e disse que o passou “participando de uma conversa muito, muito pessoal e bonita, cheia do Espírito, nosso Santo Padre, Papa Francisco. Foi o melhor presente que já recebi na minha vida. Esqueci todos os meus problemas.

Tradução de Catholic Herald

Curta nossa Página: