fbpx

Políticos da Califórnia sugerem que religiosos são culpados por suicídios LGBT

Formações, análises e notícias católicas

Políticos da Califórnia sugerem que religiosos são culpados por suicídios LGBT

SACRAMENTO, Califórnia, 31 de julho de 2019 (LifeSiteNews) – Se os legisladores (de esquerda) seguirem por este caminho, em breve será a posição oficial do estado da Califórnia que os americanos que defendem o entendimento bíblico de sexo e gênero serão considerados responsáveis ​​pelos suicídios de homossexuais e transgêneros.

O ACR-99 é uma resolução que declara que “ser lésbica, gay, bissexual ou transexual” é “parte de variações naturais que ocorrem na orientação sexual e identidade de gênero” e condena serviços de aconselhamento que ajudam pessoas a resolver confusão de gênero indesejada ou atração pelo mesmo sexo. Esta resolução passou na Assembléia da Califórnia no mês passado, e agora está pendente perante o Senado estadual.

“O estigma associado a ser LGBTQ, muitas vezes criado por grupos da sociedade, incluindo terapeutas e grupos religiosos, causou taxas desproporcionalmente altas de suicídio, tentativas de suicídio, depressão, rejeição e isolamento entre LGBTQ e indivíduos questionadores”, afirma. O documento pede que “o povo da Califórnia – especialmente seus conselheiros, pastores, religiosos, educadores e legisladores” evitem e trabalhem contra o “estigma” anti-LGBTQ.

“Não há pesquisas sérias e de boa reputação mostrando que as pessoas cometem suicídio porque uma religião em particular se recusa a abraçar a homossexualidade”, respondeu Glenn Stanton, da Focus on the Family. “Nenhum. É amplamente criado como uma suposição ideológica e um bastão político. Mas, se ousar questionar a afirmação, você será imediatamente considerado uma pedra sem coração. Lembre-se, qualquer ciência que não permita que seja questionada se tornou um dogmatismo fundamentalista”.

O sexo biológico está enraizado nos cromossomos de um indivíduo e refletido por centenas de características genéticas. Estudos indicam que mais de 80% das crianças que sofrem de disforia de gênero superam por si mesmas no final da adolescência, a menos que sua confusão seja reforçada pelos adultos. Mesmo a tentativa de reforçar a “identidade de gênero” escolhida, até o ponto da cirurgia de realocação de sexo, muitas vezes não consegue resolver a tendência elevada dos indivíduos confusos quanto ao gênero de se envolverem em autoflagelação.

Leia também: PODE UMA PESSOA COM TENDÊNCIAS HOMOSSEXUAIS SER UM BOM CATÓLICO?

O relatório Stonewall, da Universidade de Cambridge, descobriu que 96% dos estudantes trans na Escócia tentaram se auto-mutilar por meio de ações como se cortar, e 40% tentaram o suicídio. Quarenta por cento nos Estados Unidos também tentaram suicídio, de acordo com uma pesquisa de 2016 do Centro Nacional de Igualdade de Transgêneros (NCTE). De acordo com um estudo de 2011 da Suécia, as pessoas trans permanecem 19 vezes mais propensas a cometer suicídio do que a população em geral.

Outras pesquisas feitas fora da Suécia, que é amigável aos LGBT, descobriram que os residentes homossexuais e transexuais têm maior probabilidade de tentar ou cometer suicídio, apesar de terem alcançado o tipo de cultura preconizado pelo ACR-99.

A resolução da Califórnia “também deve pedir que líderes religiosos – e líderes seculares – aconselhem sobre questões LGBT de um ponto de vista voltado para o amor, compaixão e o conhecimento dos perigos inerentes a tais práticas”, sugeriu a autora Denise Shick, fundadora do ministério cristão. “O amor e a compaixão devem ser baseados no conhecimento, e o conhecimento deve ser baseado em fatos, não em suposições.”

Tradução livre do artigo publicado no site LifeSiteNews

Atenção!

Frente à gravidade das propostas, e todo contexto entorno do Sínodo da Amazônia, preparamos uma série de vídeos que visam trazer à luz detalhes desconhecidos do Sínodo, e que podem ter efeito negativo na vida de todos os católicos.

Clique Aqui para assistir