Categorias
Notícias

Por que cada vez mais padres estão se recusando a se tornarem bispos

Nesta sexta-feira, 27 de setembro, William Joensen será ordenado bispo de Des Moines, Iowa. Pe. Bill e eu ensinamos juntos por mais de dez anos no Seminário anual Tertio Millennio sobre a Sociedade Livre em Cracóvia, por isso sei que o bom povo de Des Moines foi abençoado com seu novo bispo. Quanto ao novo bispo, porém, meus sentimentos eram confusos.

“Parabéns pela nomeação e admiro a sua generosidade em aceitar a nomeação”, enviei um e-mail a ele no dia do anúncio, cujas notícias ele mantinha em sigilo com admirável discrição, embora estivéssemos ensinando juntos naquela semana. “Muitos padres rejeitam isso hoje em dia, e com uma abundância de boas razões. Ser bispo é um fardo abençoado, e hoje muitas vezes é mais fardo que bênção. Que o Senhor o recompense por sua generosidade!

Quando eu estava no seminário há 20 anos, você ainda ouvia a piada de que, embora possa haver uma crise nas vocações sacerdotais, as vocações para o episcopado eram abundantes. A implicação era que muitos mais sacerdotes desejavam ser bispos do que realmente seriam consagrados como tais.

Talvez sim, mas um bom número de padres recusou a indicação mesmo assim. Não há figuras públicas – talvez nenhuma figura confiável seja mantida – sobre quantos padres pediram para ser bispos a recusaram. Mas, fora do registro, aqueles que conheceriam – arcebispos seniores, oficiais do curial, aqueles que trabalham como repórteres – falam de uma “crise vocacional” para o episcopado. Se há 20 anos, nessas conversas, você pode ouvir números de até 25% que declinaram, agora esses números são mais de um terço, ou até a metade.

Novamente, isso não pode ser verificado. Porém, quando as nomeações são adiadas, quase sempre se pressupõe que um sacerdote indicado tenha recusado, o que significa que um novo processo deve começar. Eu ainda estava no seminário quando ouvi pela primeira vez um cardeal curial falar com um grupo de padres sobre a importância de aceitar uma indicação papal para ser bispo. O problema só cresceu nesse meio tempo.

Em parte isso é por uma boa razão. Os padres que esconderam coisas desonestas no passado – não apenas relacionados ao abuso sexual – tendem a dizer não, dado que um escrutínio adicional pode trazer à luz assuntos que causam dor à diocese. E nos casos em que uma vida dupla está sendo vivida – e poucos desses homens foram feitos bispos no passado – é muito bom que a ameaça de exposição induza esses padres a não correrem o risco de consagração episcopal. Um padre que vive uma vida dupla é uma ofensa terrível contra Deus; um bispo fazendo o mesmo ainda é muito mais miserável.

Alguns padres recusam porque não acham que têm o que é preciso para fazer o que um bispo tem que fazer hoje. Há uma certa firmeza com a qual os casos de má conduta devem ser tratados, e nem todo sacerdote é capaz disso. Além disso, a visão de que os bispos às vezes são cruéis com seus irmãos – e que o público fiel e em geral espera que seja assim – é difundida entre os padres. Creio que muitos padres acham, certa ou erradamente, que os bispos ocasionalmente tratam injustamente um sacerdote individualmente para o bem maior da diocese – o lado oposto do que aconteceu quando os escândalos foram encobertos pelo “bem” da diocese. Pode-se imaginar que os padres que se sentem assim não estão ansiosos para se juntar ao lado “outro”.

Outro lado? Certamente padres e bispos estão do mesmo lado? É claro que sim, e geralmente exercem seu ministério nessa base. Mas os últimos anos corroeram bastante a confiança que os padres têm em seus bispos, e, portanto, o que deveria ser um relacionamento paterno e fraterno, em muitos lugares, tornou-se suspeito, até contraditório.

Um homem que ama o sacerdócio pode relutar em tornar-se bispo e perder a fraternidade com seus colegas sacerdotes. Então, em muitos lugares, há a realidade da fraqueza da Igreja. Uma igreja local nunca está completamente morta, pois sempre há bolsões de vitalidade. Mas algumas igrejas locais estão em grande parte mortas, e a principal tarefa do bispo é providenciar um enterro decente. Um padre tem a opção de cultivar bolsões de evangelização e crescimento, por menores que sejam. O bispo também pode apoiá-lo ativamente, mas não pode se eximir do ônus de gerenciar o declínio geral.

Considere o arcebispo Charles Chaput, da Filadélfia, que completa 75 anos nesta semana depois de servir como bispo por mais de 30 anos. Seus últimos oito anos foram na Filadélfia, onde enfrentou crise após crise. Ele fechou 70 paróquias e disse recentemente que apenas cerca de 100 das mais de 200 restantes são necessárias. Chaput foi capaz de lidar com isso enquanto ainda era um dos bispos mais criativos e engajados do mundo. Um homem menor pode achar a perspectiva disso totalmente avassaladora.

Permanece perenemente verdade que é uma “tarefa nobre” ser bispo, como escreveu São Paulo a Timóteo, e que o Deus que chama não negará a graça necessária aos que aceitam. Mas é compreensível se menos o fizerem. Enquanto isso, Des Moines pode agradecer que o bispo Joensen tenha dito que sim.

O Padre Raymond J. de Souza é padre da Arquidiocese de Kingston, Ontário e editor-chefe do convivium.ca