fbpx

Por que devemos receber comunhão na boca e de joelhos?

Formações, análises e notícias católicas

Por que devemos receber comunhão na boca e de joelhos?

Leia este belo testemunho de um jovem que vem nos apresentar com profundidade razões além das quais já conhecemos para receber Jesus Eucarístico da maneira mais digna, que é de joelhos e na boca.

Durante os 13 anos em que tenho sido católico praticante, tenho seguido devoções de piedade que fazem parte da tradição da Igreja, inclusive a frequência na missa Tridentina, exceto por dois anos. Como resultado, recebi comunhão na língua e me ajoelhei por onze anos. Também descobri que o modo como nós tradicionalistas recebemos a comunhão é algo que muitos católicos fora da Forma Extraordinária podem e querem fazer também, mas muitos deles nunca ouvem as razões pelas quais fazemos isso. Quando eles ouvem alguma coisa relacionada, geralmente é uma resposta programada, como que foi o caminho feito durante séculos na tradição da Igreja, ou que a mudança para a comunhão na mão possui uma legalidade duvidosa, e também que a comunhão do modo mais tradicional promove maior “reverência pela Eucaristia”, etc.

Eu acho que essas respostas são verdadeiras, mas insatisfatórias. Eles normalmente servem apenas para apelar para a pessoa que já está fazendo isso. Essas defesas também só existem em um mundo onde a comunhão na mão e a comunhão na língua existem em oposição umas às outras. Isso realmente não é a experiência que a maioria dos católicos tem. Em vez disso, precisamos oferecer a eles uma razão pela qual a comunhão na língua e a genuflexão é apropriada em seus próprios termos. Quando examinamos a Sagrada Escritura e a natureza desse simbolismo, tais razões são abundantes.

Quando João Paulo II deu seus discursos que se tornaram a Catequese sobre o Amor Humano , um dos pontos mais importantes foi que não podemos falar de coisas que fazemos “no corpo” ou “no espírito”, já que o corpo e o espírito juntos compreendem a pessoa humana. Quando pecamos, pecamos através de nossos corpos e através de nosso espírito. Ambos são feridos pelo pecado, e ambos devem ser redimidos (Romanos 8:23), e eventualmente reunidos. (1 Cor 15: 41-54) Esta redenção é possível através do Sacrifício da Cruz (CC 601), e como o Catecismo de São Pio X nos ensina (Artigo 4:19), o fruto do sacrifício de Cristo é aplicado a nós de maneira muito especial pelos sacramentos.

Leia também: “Comunhão na Mão é um ataque de Satanás à Eucaristia” – Cardeal Sarah

Como isso afeta o corpo

Quando criança eu amava (e ainda amo) os quadrinhos dos X-Men, especialmente seu líder Professor Charles Xavier. Ele era um mutante incrivelmente poderoso com habilidades telepáticas. Ele podia se comunicar com as pessoas apenas usando sua mente. Nós humanos não somos tão sortudos assim. Temos que nos comunicar com nossas palavras e nossas ações. Muitas vezes ouvimos que ações – cliché – falam mais alto que palavrase isso é especialmente verdadeiro em relação a como vivemos a fé católica. (Tiago 2:24) São Paulo fala sobre como precisamos usar nossas ações para controlar nossos corpos. (1 Coríntios 9:27) Esta lição aplica-se de maneira muito profunda a como recebemos a Sagrada Comunhão. Quando nos aproximamos de Jesus no Santíssimo Sacramento, os católicos de hoje ou se curvam ou se ajoelham. Curvar implica reverência (pelo menos na cultura ocidental). Para os tradicionalistas, tentamos dar um passo adiante. Aqui ajoelhado implica submissão. Você precisa usar todo o seu corpo para se ajoelhar diante do sacerdote enquanto entrega a sagrada comunhão. É assim que colocamos nossos próprios corpos submissos, já que é da natureza da carne buscar seus próprios prazeres e desejos. (Mateus 26:41)

Nós também nos ajoelhamos no ato da comunhão como sinal de nossa pecaminosidade. Na liturgia católica, o santuário representa a liturgia celeste, e a mesa da comunhão (genuflexório) representa a linha entre o céu e a terra. Outro significado que esta separação pode ser aplicada é a atemporalidade da oferta na Cruz sendo apresentada ao Pai no céu (no santuário) e as limitações falíveis do tempo aqui na terra. Para Deus, todas as coisas estão presentes (CCC 600), mas para o homem, medimos as coisas através do tempo.

A Santa Comunhão se torna o encontro de todas essas coisas. O infinito é dado no finito, o eterno dado no temporal, e o céu e a terra estão unidos. De nossa parte, nos aproximamos o máximo possível do céu buscando a graça de Deus, mas não podemos entrar no céu ainda devido à nossa natureza decaída. Em vez disso, devemos esperar com humildade e paciência que Cristo venha e nos transforme. Nossa recepção da Santa Comunhão é uma pequena participação dessa transformação que acontecerá ao máximo no final dos tempos.

Leia também: JÁ OUVIU FALAR EM “JOELHOFOBIA”?

Como isso impacta a alma

Enquanto podemos pecar com o corpo, todo pecado começa no interior, isto é, na alma. Como Jesus ressalta, não é o que levamos em nós que nos contaminará espiritualmente, mas o que procede de nossa natureza decaída que é contaminada. (Mateus 15: 10-20) Dentro de cada uma e de todas as almas, existem muitas tendências desordenadas que só nós conhecemos e outras que nem conhecemos. É por isso que a salvação é um dom concedido gratuitamente a Deus. Deixados aos nossos próprios meios, até mesmo nossa fé não será suficientemente agradável a Deus para merecer a salvação. (Concílio de Trento, Sessão VI, Capítulo VIII)

Quando recebemos a Sagrada Comunhão, a vida de Cristo é infundida em nossa alma e, combinada com grande fé, a contaminação de nossa natureza decaída é purificada e nos tornamos cada vez menos apegados a essas coisas. Como resultado, nós que fomos predestinados por Deus, nos tornamos lentamente conformes à imagem de Seu Filho no tempo. (Romanos 8: 29-30) Se deixarmos que a graça de Deus trabalhe em nós através de boas obras (Efésios 2: 8-10), podemos verdadeiramente dizer que no fim dos tempos não sou eu que vivo, mas Cristo que vive dentro de mim (Gálatas 2:20) e Cristo pode dizer servo bom e fiel! (Mateus 25:23)

Uma vez que tenhamos sido purificados por Cristo nesta experiência celestial, podemos então levar o Seu Evangelho ao mundo. Quando recebemos a comunhão na língua, estamos nos lembrando não apenas das palavras de Cristo acima, mas também do profeta Isaías. Embora todos saibamos sua profecia do servo sofredor, raramente falamos sobre como seu ministério profético entrou em um novo estágio no livro do capítulo 6 de Isaías.

- Continua após a publicidade -

 

Quando o Rei Uzias morreu, o jovem profeta teve uma visão do Céu, especificamente como é o culto celestial. Ele viu os Serafins proclamando o Sanctus e o altar do sacrifício. A reação de Isaías é uma que Pedro proclamaria na frente de Jesus séculos depois: apartese de mim, eu sou um homem pecador.   (Lucas 5: 8) Nesse ponto, algo peculiar acontece. Um dos Serafins vai ao altar e pega uma brasa do altar do sacrifício e se aproxima do profeta. O carvão ardente é então colocado nos lábios de Isaías. (Outra maneira de dizer isso é colocar o carvão em brasa na língua.) Nesse ponto, o anjo proclama seus pecados perdoados, e Deus escolhe Isaías como Seu mensageiro escolhido de redenção e julgamento para o Seu povo, Israel.

Leia também: A Santa Missa e os abusos litúrgicos que ofuscam sua grandeza e seu mistério

Quando recebemos a comunhão, nos ajoelhamos diante do culto celestial que está acontecendo no santuário, e colocamos em nossa língua o carvão ardente da Sagrada Comunhão, que purifica não apenas nossos lábios, mas todo o nosso ser, tanto a alma como o corpo. Uma vez purificados, ouvimos a Ite Missa Est, ou uma ordem para ir pregar o Evangelho. Nós nos tornamos mensageiros escolhidos de Deus não apenas para Israel, mas para o mundo inteiro, fazendo discípulos de todas as nações. (Mateus 28:19)

A melhor parte de tudo isso é que você não precisa da missa em latim para fazer isso. Você pode fazer isso em qualquer liturgia que você frequentar. Também serve como um poderoso lembrete de como vivemos a nossa fé através do corpo.

Tradução livre do testemunho de Kevin M. Tierney

Atenção!

Frente à gravidade das propostas, e todo contexto entorno do Sínodo da Amazônia, preparamos uma série de vídeos que visam trazer à luz detalhes desconhecidos do Sínodo, e que podem ter efeito negativo na vida de todos os católicos.

Clique Aqui para assistir