Portugal volta às missas públicas com comunhão self-service em bandeja plástica

Um abuso litúrgico foi destaque nas voltas das missas públicas em Portugal.

Em uma reportagem, neste domingo, o padre José Luís Rodrigues, da paróquia de São José, em Funchal, Madeira, Portugal, apareceu servindo a sagrada comunhão em uma bandeja plástica. (SicNoticias.pt, 10 de maio).

 

Veja o que nos ensina a Santa Igreja sobre a Sagrada Comunhão em sua instrução sobre a liturgia Redemptionis Sacramentum:

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

[117.] Os vasos sagrados, que estão destinados a receber o Corpo e a Sangue do Senhor, devem-se ser fabricados, estritamente, conforme as normas da tradição e dos livros litúrgicos.[205] As Conferências de Bispos tenham capacidade de decidir, com a aprovação da Sé apostólica, se é oportuno que os vasos sagrados também sejam elaborados com outros materiais sólidos. Sem dúvida, requer-se estritamente que este material, de acordo com a comum valorização de cada região, seja verdadeiramente nobre, de maneira que, com seu uso, tribute-se honra ao Senhor e se evite absolutamente o perigo de enfraquecer, aos olhos dos fiéis, a doutrina da presença real de Cristo nas espécies eucarísticas. Portanto, reprove-se qualquer uso, para a celebração da Missa, de vasos comuns ou de escasso valor, no que se refere à qualidade, ou carentes de todo valor artístico, ou simples recipientes, ou outros vasos de cristal, argila, porcelana e outros materiais que se quebram facilmente. Isto vale também para os metais e outros materiais, que se corroem (oxidam) facilmente.

[94.] Não está permitido que os fiéis tomem a hóstia consagrada nem o cálice sagrado «por si mesmos, nem muito menos que se passem entre si de mão em mão». Nesta matéria, Além disso, deve-se suprimir o abuso de que os esposos, na Missa nupcial, administrem-se de modo recíproco a sagrada Comunhão.

Portanto percebemos dois erros graves neste episódio, no qual é utilizado um vaso comum e de escasso valor, e os fiéis são obrigados a tomar por si mesmos a comunhão, no modelo self-service, que não é aprovado pela igreja.