Publicidade pró-LGBT sai pela culatra e prova que o casamento é apenas entre homem e mulher

A companhia aérea KLM Royal Dutch Airlines produziu uma publicidade no Twitter destinado a homenagear os eventos Gay Pride que aconteceriam em Amsterdã. A única coisa é que o tweet serviu para fazer exatamente o oposto.

O anúncio mostrava três conjuntos de cintos de segurança. O primeiro consistia em duas extremidades “femininas”. O segundo combinava duas extremidades “masculinas”. O terceiro retratava um macho com uma extremidade feminina e era claramente o único par de cintos de segurança que realmente funciona. Veja abaixo: 

Se a KLM equipasse suas aeronaves com o número 1 ou 2, sua frota inteira seria bloqueada por motivos de segurança. Até mesmo se apenas um dos assentos de passageiro fosse equipado com extremidades duplas masculinas ou duplas femininas, o avião não seria autorizado a decolar por causa do risco de segurança apresentado àquele passageiro.

Apenas o conjunto de cintos de segurança “complementares” consegue proteger os passageiros de danos reais. Os outros não têm valor real, na verdade, eles até convidam ao perigo.

Uma das melhores respostas para o tweet da companhia aérea veio de Rick Canton: “Fly Royal Dutch Airlines, onde sua única chance de sobreviver a um acidente está em escolher o caminho heterossexual”.

Se os cintos de proteção, conhecidos como “cintos de segurança”, consistissem em duas extremidades masculinas ou duas femininas, elas na verdade, não formariam um “cinturão” pois não poderiam se conectar uma à outra. Eles permaneceriam simplesmente duas tiras coloridas como arco-íris, inutilizando o objeto como um “cinturão”. Como tal, os dois primeiros pares não se qualificam para serem identificados como “cintos” ou como dispositivos de “segurança”. Como não são complementares, nenhum termo se aplica.

Dessa forma, o anúncio da KLM oferece uma explicação perfeita de por que o “casamento” entre pessoas do mesmo sexo é uma noção impossível.

Leia também: Pode uma pessoa com tendências homossexuais ser um bom católico?

A lição da KLM: desafiar a lei natural é perigoso

“Se os corações se encaixam, as partes se encaixam.” Estas palavras foram estampadas em camisetas durante a celebração do orgulho gay de 2008 em Washington DC.

Naquela época, eu estava vivendo como um homem gay. Minha reação inicial na época foi: “Que ótimo slogan! É tão simples que até pessoas densas e retrógradas, conservadoras, finalmente poderão entender. Fiquei tão impressionado com isso, quando cheguei em casa, estendi a camisa sobre uma mesa e tirei uma foto. Isso foi há quase 10 anos, e desde então o mundo gay e eu fomos em direções opostas.

Com o tempo, comecei lentamente a ver que esse slogan fazia muito mais para acusar do que para promover a causa do “casamento” entre pessoas do mesmo sexo. Ele identifica acidentalmente a razão pela qual os relacionamentos sem gênero são inelegíveis para serem chamados de “casamento”. que todos fingimos que a complementaridade é um componente irrelevante e ultrapassado das relações e da existência humanas.

Se as partes não se encaixam, não é um casamento. É outra coisa.

A demanda insegura, irracional e audaciosa do “casamento” entre pessoas do mesmo sexo: todos nós devemos fingir

A narrativa dominante de hoje de que os gays são vítimas fracas, privadas de casamento pela sociedade, é uma invenção. O exato oposto é verdadeiro: os gays são extremamente fortes e obstinados em rejeitar as mulheres, decididos a não crescer como seres humanos em sua apreciação por metade da raça humana.  

Graças à decisão Obergefell de 2015 da Suprema Corte, nossa nação agora institucionalizou essa rejeição, celebrando os males da misoginia e da misandria.

A recente institucionalização do “casamento” gay em todo o país é uma maravilha do marketing e da manipulação. Sua aceitação por não-gays vem da mesma mentalidade de que “toda criança no time de futebol ou de basebol merece um troféu”. Ninguém deve se sentir mal ou deixado de fora. Uma mentalidade “Eu, meu, meu” que ignora a lei natural parece ter varrido as elites costeiras do país.

Aqui está um comentário feito por um homem gay a um artigo que escreveu em 2014 para a American Thinker sobre a campanha LGBT de 25 anos para comercializar “casamento” entre pessoas do mesmo sexo para os EUA:

Nós devemos fingir que qualquer relacionamento que “Sean” escolhe para chamar de “casamento é na verdade um casamento. Sean quer que façamos com ele, caso contrário, somos todos “nazistas”.

O “casamento” entre pessoas do mesmo sexo é uma rejeição do casamento. Gays realmente não querem casamento. Eles querem algo diferente do casamento. Eles querem um relacionamento sexual comprometido com outro homem. E, na prática, às vezes esses relacionamentos podem ser monogâmicos, mas vamos encarar: a grande maioria rapidamente se transforma em relacionamentos abertos ou semi-abertos.

Se os gays realmente quisessem o casamento, encontrariam uma garota legal, conseguiriam um ministro, se casariam e se estabeleceriam. Mas não é isso que os gays querem.

Tendo abandonado esse direito à imutável definição de casamento, os 1,7% dos adultos americanos que se identificam como gays ou lésbicas exigindo chamar seus relacionamentos de “casamento” infligem um enorme fardo sobre os outros 98,3% dos adultos americanos. Pedir a toda a população para abandonar a definição de casamento, e fingir que dois homens ou duas mulheres juntos é um casamento, está pedindo demais. Exige que a honestidade intelectual seja encerrada; exige que o bom senso seja desligado. Isso exige que todos nós fingamos. Isso exige que todos nos tornemos intelectualmente desonestos.

Ativistas LGBT e Progressistas querem que todos concordem com a farsa de que todos estamos envolvidos exatamente na mesma coisa. Nós não somos.

Desafiar a lei natural é tão imprudente quanto desafiar a lei da gravidade

Como a lei da gravidade de Newton, a lei natural não pode ser desafiada ou ignorada, pelo menos não por muito tempo. Negamos ou desconsideramos o significado da complementaridade por nossa própria conta e risco, pois as conseqüências de nossa negação provavelmente serão surpreendentes.

Lembre-se do desenho animado Road Runner nas manhãs de sábado? Wile E. Coyote é capaz de resistir à gravidade por alguns segundos enquanto se aproxima da borda de um penhasco, incapaz de parar ou girar tão agilmente quanto o Road Runner. Ele permanece no ar por alguns segundos, mas a gravidade sempre vence, enviando o pobre Wile E. para o chão do desfiladeiro, a mil pés de profundidade.

Do mesmo modo, a complementaridade vencerá. O “casamento” entre pessoas do mesmo sexo se revelará um jogo de fingimento, mesmo para gays e lésbicas tão envolvidos.

Como a própria gravidade, a lógica e a sabedoria da complementaridade são inescapáveis. Como a natureza, a beleza e elegância orgânica simples da complementaridade são inegavelmente profundas. E enquanto a Bíblia certamente expressa temas de amor e compaixão, o amor incondicional não exige que nós finjamos que todos os relacionamentos são precisamente iguais, ou que mães ou pais são dispensáveis ​​para as crianças.

Lição de fundo

A linha inferior é esta: é impossível estar do lado certo da história – ou da ciência – enquanto simultaneamente do lado errado da lei natural. A KLM Royal Dutch Airlines está ajudando o mundo a entender isso.

Fonte:  LifeSiteNews

Veja um dos memes que surgiram pelas redes sociais: