Santo do Dia – 02 de Maio – Santo Atanásio

Formações, análises e notícias católicas

Santo do Dia – 02 de Maio – Santo Atanásio

[vc_row][vc_column][vc_raw_html]JTNDc2NyaXB0JTIwYXN5bmMlMjBzcmMlM0QlMjIlMkYlMkZwYWdlYWQyLmdvb2dsZXN5bmRpY2F0aW9uLmNvbSUyRnBhZ2VhZCUyRmpzJTJGYWRzYnlnb29nbGUuanMlMjIlM0UlM0MlMkZzY3JpcHQlM0UlMEElM0MlMjEtLSUyMEFudW5jaW8lMjAxJTIwLS0lM0UlMEElM0NpbnMlMjBjbGFzcyUzRCUyMmFkc2J5Z29vZ2xlJTIyJTBBJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBYmxvY2slMjIlMEElMjAlMjAlMjAlMjAlMjBkYXRhLWFkLWNsaWVudCUzRCUyMmNhLXB1Yi0yODg5ODU5MTEyMjk4OTk2JTIyJTBBJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwZGF0YS1hZC1zbG90JTNEJTIyNDA5NjgzNjM5MyUyMiUwQSUyMCUyMCUyMCUyMCUyMGRhdGEtYWQtZm9ybWF0JTNEJTIyYXV0byUyMiUzRSUzQyUyRmlucyUzRSUwQSUzQ3NjcmlwdCUzRSUwQSUyOGFkc2J5Z29vZ2xlJTIwJTNEJTIwd2luZG93LmFkc2J5Z29vZ2xlJTIwJTdDJTdDJTIwJTVCJTVEJTI5LnB1c2glMjglN0IlN0QlMjklM0IlMEElM0MlMkZzY3JpcHQlM0U=[/vc_raw_html][vc_empty_space][/vc_column][/vc_row]

SANTO DO DIA – 02 DE MAIO – SANTO ATANÁSIO
Bispo e doutor da Igreja (295-373)

Atanásio é universalmente venerado como ‘pai da ortodoxia’ e ‘arauto da divindade de Cristo’, pela qual sofreu cinco vezes o exílio, em Tréveris, em Roma e no deserto egípcio.

Poucos meses depois de retornar de Nicéia – onde estivera como acompanhante de seu santo bispo Alexandre, por ocasião do concílio ecumênico -, foi chamado a sucedê-lo na sede de Alexandria do Egito, onde se confrontavam as religiões pagã, judaica e cristã, representadas pelas seitas heréticas, gnósticas e maniqueístas. Aí floresceu o temperamento batalhador de Atanásio.

Desde o início da adolescência, aprendera a conviver com a perseguição ao cristianismo, conduzida por Diocleciano. Quando simples diácono, e já dotado de sólida formação cultural, ergueu-se em liça contra Ário. Este propagava – precisamente em Alexandria do Egito – a doutrina antitrinitária, que fazia de Cristo uma simples criatura, ‘filho de Deus pela graça’.

O Concílio de Nicéia restabelecera a ‘verdade da fé’, mas não a paz. Eleito bispo, coube-lhe dispender muitas energias para barrar a heresia, que Melécio difundia de modo camuflado. De fato, o ressurgir do arianismo coincide, na verdade, com sua elevação ao episcopado. Alguns bispos ‘melecianos’ dificultaram-lhe a vida, por meio de infamantes acusações – entre as quais, a de que teria abusado de uma mulher e assassinado Arsênio, bispo de Ipsale. Felizmente este reapareceu vivo e saudável.

Mas os arianos conseguiram envolver nas contendas religiosas os próprios imperadores que sucederam a Constantino, os quais, considerando que Atanásio constituía um perigo para a paz religiosa, mandaram-no sucessivas vezes ao exílio.

O pugnaz bispo serviu-se dessa pausa forçada para retemperar o espírito entre os monges do deserto. Tinha em grande veneração o abade santo Antão, patriarca dos monges do deserto. Acerca deste, Atanásio escreveu uma preciosa biografia, que inflamou de entusiasmo pela vida solitária tantos jovens (até no Ocidente).

Com a ascensão do imperador Valente, tiveram fim suas precipitadas fugas e o exílio. Atanásio pode, então, consagrar-se em paz ao pastoreio de seu próprio rebanho, bem como aos escritos teológicos, que o fizeram ser venerado como um dos quatro doutores gregos.

[vc_separator style=”double”]
[vc_empty_space]
[vc_separator style=”double”]
[vc_empty_space]

Algum tempo após o Concílio de Nicéia, celebrado em 325, os arianos, intrigantes e bajuladores, principiaram a envolver em artimanhas o imperador Constantino que, de resto, nem sequer batizado era, e a fazê-lo chamar o ímpio Ário do exílio para onde ele o havia condenado. Seu filho Constâncio, que lhe sucedeu, fez ainda pior; conturbou toda a Igreja, e perseguiu quase todos os bispos católicos, durante o seu reinado de vinte e cinco anos.

Depois, devotado aos arianos, Juliano, o Apóstata, empenhou-se em restabelecer o paganismo. Após Juliano, morto seu sucessor Joviano depois de oito meses de reinado, Valente, imperador do Oriente, perseguiu novamente os católicos em favor do arianismo. Sempre a Igreja teve o que sofrer.

- Continua após a publicidade -

 

Um dos seus mais firmes sustentáculos nesta época foi Santo Atanásio, patriarca de Alexandria. Exilado por Constantino, chamado de volta e exilado novamente por Constâncio, acossado pelos por Juliano e por Valente, caluniado, difamado pelos arianos, seu episcopado de quarenta e seis anos não foi senão uma série continuada de provações e de perseguições pela fé católica: já exilado nas Gálias, já errante nos desertos do Egito, já refugiado em Roma, já foragido na sepultura de seu pai, sempre sustentou a divindade de Jesus Cristo contra a impiedade dos arianos; jamais puderam promessas nem ameaças vergá-lo, nem reveses abatê-lo, nem artimanhas enganá-lo. Agradecemos a Deus o ter cumulado seu servidor de tantas graças e roguemos-lhe nos conceda uma parte delas.

A vida privada de Santo Atanásio não foi menos admirável. Grande em suas obras, diz São Gregório Nazianzeno, foi humilde de coração: de uma verdade inatingível; era, não obstante, acessível a todos, doce, afável, sem cólera, compassivo, amável nas prédicas, mais amável ainda na conduta, repreendendo com doçura, louvando de molde a instruir, indulgente sem fraqueza, firme sem dureza.

As pessoas de todas as condições encontravam nele algo que admirar, que imitar. Era fervoroso e assíduo nas orações, austero nos jejuns, infatigável nas vigílias e no canto dos salmos, cheio de caridade para com os pobres, condescendente para os humildes, intrépido contra os soberbos, dedicando-se, enfim, a todos para ganhá-los a Deus.

Mas de que manancial hauriu tanta virtude? Na juventude passou um tempo considerável sob a orientação de Santo Antão, a quem servia como discípulo. Foi nesse noviciado que aprendeu a meditar e imitar a Jesus Cristo: a meditar nos mistérios da sua encarnação, de seus sofrimentos e de sua morte, para imprimir em si próprio os principais traços. Façamos como ele; na medida em que a regra e a caridade nos permitam, apliquemo-nos ao silêncio, ao recolhimento, à meditação e à imitação de Jesus Cristo, a fim de obter as graças necessárias para agir com prudência e piedade no meio dos homens.

Em meio às perseguições que sofreu Santo Atanásio da parte dos imperadores e dos arianos, encontrou apoio sempre firme e constante em Roma, junto dos Papas São Júlio e São Damado. Os partidários dos arianos também recorreram ao Papa São Júlio, como chefe de toda a Igreja, tentando envolvê-lo com blandícias, com as quais já haviam embaido os imperadores. Foram infrutíferos os seus esforços contra a Sé de São Pedro. Na carta do Papa Júlio aos acusadores de Santo Atanásio ressalta sobretudo o que diz no tocante aos julgamentos eclesiásticos e à autoridade da Igreja Romana. “Não sabeis que é costume consagrado escrevermos nós em primeiro lugar, e que daque deve partir a decisão do que é justo? Era mister, por conseguinte, escrever à Igreja daqui”. O que os dois historiadores gregos, Sozomeno e Nicéforo, resumem nestes termos: “Havia uma lei sacerdotal ou eclesiástica que declarava mau tudo o que se fazia sem o consentimento do bispo de Roma.”

Após estes testemunhos insuspeitos, vê-se que a força dos julgamentos eclesiásticos dependia desde então, como ainda hoje, do assentimento do Papa.

O exílio de Santo Atanásio no Ocidente constituiu um manancial de bênçãos que ainda persiste. Primeiramente, aqui se fez conhecer a vida propriamente monástica. Até então os monges eram desconhecidos ou desprezados, sobretudo em Roma, cidade de luxo e de prazer. Mas quando Santo Atanásio se refugiou com o Papa Júlio, veio acompanhado de dois monges distintos: Amônio e Isidoro. O primeiro tão absorto estava nas coisas divinas, que não se dignou admirar qualquer dos soberbos monumentos de Roma; não visitou senão a Igreja de São Pedro e São Paulo. O segundo, por sua sabedoria e por uma amenidade toda celeste, produziu tão ampla impressão, que os próprios pagãos o amavam; muitos romanos lhe imitaram na vida. Dessarte, a vida monástica encontrou o caminho para Roma, e expandiu-se brevemente, sempre por Atanásio, nas Gálias.

Mantinha com os monges deste país contato assíduo, e escreveu para eles a vida de Santo Antão, com o fito de lhes proporcionar um exemplo. Este exemplo, por sua vez, empenhou-se em imprimi-lo neles próprios.

[vc_row][vc_column][vc_empty_space][vc_raw_html]JTNDc2NyaXB0JTIwYXN5bmMlMjBzcmMlM0QlMjIlMkYlMkZwYWdlYWQyLmdvb2dsZXN5bmRpY2F0aW9uLmNvbSUyRnBhZ2VhZCUyRmpzJTJGYWRzYnlnb29nbGUuanMlMjIlM0UlM0MlMkZzY3JpcHQlM0UlMEElM0MlMjEtLSUyMEFudW5jaW8lMjAzJTIwLS0lM0UlMEElM0NpbnMlMjBjbGFzcyUzRCUyMmFkc2J5Z29vZ2xlJTIyJTBBJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBYmxvY2slMjIlMEElMjAlMjAlMjAlMjAlMjBkYXRhLWFkLWNsaWVudCUzRCUyMmNhLXB1Yi0yODg5ODU5MTEyMjk4OTk2JTIyJTBBJTIwJTIwJTIwJTIwJTIwZGF0YS1hZC1zbG90JTNEJTIyNzA1MDMwMjc5MCUyMiUwQSUyMCUyMCUyMCUyMCUyMGRhdGEtYWQtZm9ybWF0JTNEJTIyYXV0byUyMiUzRSUzQyUyRmlucyUzRSUwQSUzQ3NjcmlwdCUzRSUwQSUyOGFkc2J5Z29vZ2xlJTIwJTNEJTIwd2luZG93LmFkc2J5Z29vZ2xlJTIwJTdDJTdDJTIwJTVCJTVEJTI5LnB1c2glMjglN0IlN0QlMjklM0IlMEElM0MlMkZzY3JpcHQlM0U=[/vc_raw_html][vc_empty_space][/vc_column][/vc_row]

[vc_row][vc_column][trx_blogger style=”classic_3″ info=”” descr=”0″ title=”Veja Também:” subtitle=”Deslize para ver mais…” link=”<a href=”http://www.padrerodrigomaria.com.br/blog”> http://www.padrerodrigomaria.com.br/blog </a>” link_caption=”Saiba mais” cat=”2″ count=”10″ offset=”0″ orderby=”random” order=”desc” scroll=”yes” controls=”yes” animation=”fadeInUp”][/vc_column][/vc_row]