fbpx

Uma diocese na Suiça expressa apoio legalização do casamento gay

Formações, análises e notícias católicas

Uma diocese na Suiça expressa apoio legalização do casamento gay

A diocese de Basiléia, na Suíça, por meio de seu diretor de comunicação, expressou seu apoio aos esforços políticos para legalizar os chamados “casamentos entre pessoas do mesmo sexo” no país, fazendo uso do pretexto o bem dos filhos criados por casais homossexuais.

(Militant da Igreja / InfoCatólica) Hansruedi Huber, diretor de comunicação da diocese de Basileia, expressou recentemente as boas-vindas da diocese a propostas legais que legalizariam o casamento entre pessoas do mesmo sexo 

«Saudamos os regulamentos propostos que concedem às uniões homossexuais uma cobertura legal, estável e confiável. É importante para nós que as crianças que crescem com casais do mesmo sexo recebam uma estrutura legal que atenda aos melhores interesses da criança ».

Também distinguiu entre possíveis cerimônias de benção na Igreja dessas uniões, e o sacramento do Matrimônio: Huber adiantou a vontade de que a diocese abençoe tais uniões baseando-se entre uma distinção de um casamento e uma benção: “Devem diferenciar em conteúdo e forma do casamento da Igreja”. Não deu mais mais detalhes dessa diferença.

A tese de Huber não é nova. Em entrevista a um jornal suiço, Argauer Zeitung , em maio de 2017, o bispo de Basileia, dom Félix Gmür, disse que, embora a Igreja considere o casamento como a união entre homem e mulher, não deve ser fechada a possibilidade de abençoar um casal homossexual:

“A Igreja pode beneficiar duas pessoas homossexuais, mas não sua união. As pessoas na rua não entendem isso.

O ponto de referência da união, de acordo com a tradição bíblica e eclesiástica, é o casamento entre um homem e uma mulher. Sua conexão é baseada na imagem da aliança de Deus com seu povo, de Cristo com sua Igreja. Como a união entre pessoas do mesmo sexo não é um casamento e, portanto, não é um sacramento, não se abençoa o vínculo, mas as pessoas do mesmo sexo em seu caminho comum. No entanto, é importante perguntar o que eles querem.”

E o que você considera apropriado?

Um casal quer o acompanhamento de Deus? Está bem. Você quer um tipo de casamento? Isso não vai funcionar. Não deveria ser um pseudo casamento, isso não seria honesto. Na celebração da Igreja, uma das coisas que devemos lembrar é a reminiscência de um casamento: a troca de alianças, a palavra sim, a eterna promessa de fidelidade.

Veja o que o Magistério da igreja ensina:

Considerações sobre os projetos de reconhecimento legal de uniões entre homossexuais (Documento da Congregação para a Doutrina da Fé)

A Igreja ensina que o respeito pelas pessoas homossexuais não pode de forma alguma levar à aprovação do comportamento homossexual ou à legalização das uniões homossexuais. O bem comum exige que as leis reconheçam, favoreçam e protejam a união matrimonial como a base da família, a célula principal da sociedade. Reconhecer legalmente as uniões homossexuais ou equipará-las ao casamento significaria não apenas aprovar um comportamento desviante e transformá-lo em um modelo para a sociedade atual, mas também ofuscar valores fundamentais que pertencem à herança comum da humanidade . A Igreja não pode deixar de defender esses valores, para o bem dos homens e de toda a sociedade.

Via Infocatolica | Tradução: Templário de Maria

Atenção!

- Continua após a publicidade -

 

Frente à gravidade das propostas, e todo contexto entorno do Sínodo da Amazônia, preparamos uma série de vídeos que visam trazer à luz detalhes desconhecidos do Sínodo, e que podem ter efeito negativo na vida de todos os católicos.

Clique Aqui para assistir