fbpx

Católicos do mundo inteiro se organizam para rezar pela crise na Igreja próximo ao Vaticano em outubro

Formações, análises e notícias católicas

Católicos do mundo inteiro se organizam para rezar pela crise na Igreja próximo ao Vaticano em outubro

ROMA, 6 de setembro de 2018 ( LifeSiteNews ) – Católicos de todo o mundo estão sendo convidados a se reunir, em 5 de outubro, perto da Basílica de São Pedro em Roma, para orar pela Igreja enquanto ela vive o que muitos vêem como a hora de sua “paixão”. 

O anúncio veio em uma carta publicada em 6 de setembro no  Stilum Curae, um blog hospedado pelo respeitado jornalista italiano Marco Tosatti. Segundo a carta (veja o texto completo abaixo), uma reunião pública internacional de oração será realizada às 14h30, no sábado, 5 de outubro de 2019, no  Largo Giovanni XIII em Roma, localizado entre a Praça de São Pedro e o Castel Sant’Angelo .  

Previsto para acontecer nas vésperas do Sínodo Amazônico de 6 a 27 de outubro, o evento também coincidirá com um Consistório de 5 de outubro no qual o Papa Francisco criará 13 novos cardeais. 

O autor da carta, “pe. Giuseppe”, explica: “Este gesto poderoso vem em resposta a um sentimento comum: a Igreja está passando por sua paixão.”

A carta continua: 

Essa paixão remonta bem antes de 2013, como o próprio Bento XVI disse em várias ocasiões. Os últimos dois anos de seu pontificado também foram um período de intenso sofrimento para os fiéis; os obstáculos colocados ao longo do caminho por inimigos abertos ou ocultos, o que era evidente para todos. No entanto, Bento de alguma forma agiu como uma represa (talvez, de alguma forma, ele ainda esteja fazendo isso hoje), mas depois de sua demissão o dilúvio chegou.

O autor observa que, pouco a pouco, os católicos estão acordando para a atual crise na Igreja e, com o tempo, muitas pessoas se convencem de que algo “mais poderoso” (no nível humano e sobrenatural) é necessário do que as “habituais” conferências.  

Portanto, católicos de todo o mundo estão sendo convidados a se “mobilizar”, a fim de oferecer “a todos os fiéis um sinal de esperança, orando a Nossa Senhora por nossa amada Igreja”

Leia também: ALERTA: “O Sínodo da Amazônia é uma tentativa de ‘demolir’ a Igreja de dentro”, afirma respeitado teólogo

O convite de hoje acontece no segundo aniversário da morte do cardeal Carlo Caffarra, um dos quatro cardeais da Dubia e presidente fundador do Pontifício João Paulo II Instituto de Estudos sobre Casamento e Família.  

Uma  página dedicada do Facebook , chamada “Vamos orar pela Igreja”, foi lançada em vários idiomas para divulgar a iniciativa de oração. Em um post recente, os organizadores dizem: 

Chegou a hora de uma reunião pública de oração, oferecida com uma visão e espírito sobrenaturais, porque a Igreja pertence a Deus e não aos homens. Nossa oração é movida por uma consciência: a Igreja está passando por uma crise sem precedentes e está cercada por uma confusão que “apenas um cego poderia negar”, como disse certa vez o cardeal Carlo Caffarra. 

Essa ideia (de uma maneira mais ou menos semelhante) vem circulando há meses e meses, e agora se tornou realidade. No dia 5 de outubro de 2019 às 14:30, uma reunião de oração pública será realizada nas proximidades de São Pedro!

Embora a manifestação pública não seja nova para os católicos italianos, a assembléia de outubro terá um tom decididamente mais pacífico do que nos séculos passados. 

Durante o conclave que elegeu o Urbano VI (1378-1389), uma multidão enorme se reuniu do lado de fora do conclave gritando: “Eleger um italiano ou morrer!”. Isso ocorreu logo após o papa Gregório XI, a pedido de Santa Catarina de Siena, mudar o papado de volta a Roma de Avignon.

- Continua após a publicidade -

 

Roma estava em estado de caos há décadas porque o papa (o governante dos estados papais) estava efetivamente de férias na França há 70 anos. A essa altura, os cardeais eram todos franceses e estavam ansiosos para transferir o papado de volta a Avignon. Os italianos, por outro lado, estavam desesperados para que o papado não fosse novamente exilado. 

Como na verdade não haviam cardeais italianos, eles tiveram que eleger alguém que não era cardeal e, portanto, elegeram um funcionário curial que adotou o nome Urbano VI. Ele compartilhou a opinião da multidão de que o papado havia sido sequestrado pelos franceses e logo começou a tratar os cardeais franceses com desprezo. Seu plano era ignorá-los e substituí-los por italianos.

Os franceses ficaram furiosos e alegaram que estavam sob coação quando o elegeram (e, portanto, não o fizeram livremente). Por esses motivos, eles elegeram o antipapa Clemente VII e foram para Avignon, mergulhando a Igreja no cisma do Ocidente por 70 anos.

Leia também: Porque muitos, mesmo dentro da Igreja, estão a caminho do inferno

Abaixo, uma tradução em inglês da carta completa sobre a iniciativa de oração de 5 de outubro.

***

Querido Tosatti,

No dia 5 de outubro de 2019 às 14:30, será realizada uma reunião pública de oração pela Igreja no Largo Giovanni XIII, Roma. Esse gesto poderoso vem em resposta a um sentimento comum: a Igreja está passando por sua paixão.

Essa paixão remonta bem antes de 2013, como o próprio Bento XVI disse em várias ocasiões. Os últimos dois anos de seu pontificado também foram um período de intenso sofrimento para os crentes; os obstáculos colocados ao longo do caminho por inimigos abertos ou ocultos eram evidentes para todos.  

No entanto, Bento de alguma forma agiu como uma represa (talvez, de alguma forma, ele ainda esteja fazendo isso hoje), mas depois de sua demissão o dilúvio chegou.

Hoje isso está claro para todos, mas levou tempo para tomar consciência disso. Em abril de 2018, decidi participar de uma conferência em Roma intitulada “Igreja Católica, para onde você vai?”, Realizada em homenagem ao [falecido] cardeal Carlo Caffarra. Apenas algumas pessoas do meu grupo de oração vieram comigo, e o sucesso desse evento me convenceu de que algo estava começando a acontecer.

Quando, por outro lado, anunciei a reunião de 5 de outubro ao meu grupo de oração, aproximadamente nas mesmas palavras usadas pelos que haviam me falado sobre isso pela primeira vez (“Chegou a hora da oração pública, oferecida com uma visão sobrenatural e espírito, porque a Igreja pertence a Deus e não aos homens … ”), eles me responderam com uma voz:“ Estaremos lá! ”

Nada mais precisa ser dito. Com o tempo, a necessidade de um ato mais poderoso no nível humano e religioso, e mais eficaz do que a conferência “usual”, amadureceu no coração de muitas pessoas. Portanto, faremos isso, sabendo que o Senhor “precisa” de nós e de todos para salvar o seu barque [a Igreja]. Convido também seus leitores a se mobilizarem. Daremos a todos os crentes um sinal de esperança, orando a Nossa Senhora por nossa amada Igreja.

Obrigado por hospedar minha carta, 

Pe. Giuseppe

Tradução Templário de Maria

Clique aqui para saber mais sobre o sínodo da Amazônia